Nightwish: o desrespeito no heavy metal

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Carlos Eduardo Corrales, Fonte: Delfos
Enviar correções  |  Comentários  | 

Ontem, assim que liguei o computador, recebi um e-mail do Lucas avisando para revisar a notícia do Nightwish que ele tinha colocado no sistema, sobre o show que rolou sem a vocalista Anette Olzon. Assim que li sobre as declarações da Anette reclamando sobre a postura da banda em substitui-la sem consultá-la, pensei: isso vai dar repercussões. Aposto que a Anette vai sair da banda assim que terminar esta turnê.

5000 acessosReligião: os rockstars que se converteram5000 acessosO Whiplash.Net protege quem anuncia no site?

Matéria originalmente publicada no site DELFOS -
http://www.delfos.jor.br

Com este pensamento, fui à sessão de imprensa assistir a Selvagens, excelente novo filme do Oliver Stone (a resenha sai ainda esta semana) e, assim que retornei ao Oráculo, tinha um e-mail do Homero passando um link para o site da Nuclear Blast avisando que a Anette e o Nightwish tinham se separado. Gostaria de dizer que fiquei mais surpreso, mas analisando a história da banda e sua absurda falta de consideração com os colegas, isso era mais do que esperado.

NIGHTWISH E EU

Houve uma época em que eu realmente era um grande fã de Nightwish. Quando o Oceanborn foi lançado no Brasil, foi uma sensação entre os fãs de metal, e quase todo mundo comprou o disco. Eu não só comprei, mas gostei tanto que ele provavelmente se tornou um dos álbuns que mais ouvi na vida. Aí veio o Wishmaster que, em minha opinião, manteve a qualidade, e logo em seguida a notícia do primeiro show da banda no Brasil, o que me deixou deveras ansioso e empolgado.

Bem na época do show, eu estaria na Argentina visitando meus parentes, mas resolvi voltar uma semana antes só para poder assistir ao show. Pois é, olha o quanto eu curtia essa banda. Hoje eles acabaram ficando com uma fama de “banda para meninas”, mas eu nunca achei isso correto. Caramba, o Nightwish era pesado pra caramba! Ok, tinha teclado e várias orquestrações, mas guitarra e bateria eram bem mais pesados do que o Stratovarius ou mesmo o Iron Maiden, e algumas músicas como Passion and the Opera tinham riffs que poderiam estar em um álbum como Painkiller, do Judas Priest.

youtube player
Inscreva-se no nosso canalWhiplash.Net no YouTube

No tão esperado dia do show, no entanto, veio uma grande decepção, e a partir daí nunca mais encarei a banda da mesma forma. Era uma época em que a oferta de shows de metal estava começando a aumentar muito, mas os shows ainda aconteciam em casas relativamente pequenas (o show de São Paulo do Nightwish foi no Tom Brasil). Quem acompanhou a cena metal daqueles tempos deve se lembrar que era comum alguns fãs chegarem à casa de show à tarde. Eles faziam isso pois assim poderiam pegar a banda chegando para a passagem de som e conseguir fotos e autógrafos com seus ídolos. E isso rolava de forma natural e amigável, totalmente sem stress com praticamente todas as bandas. Inclusive, eu consegui autógrafos até de bandas que na época eram maiores do que o Nightwish, como o Gamma Ray e o Primal Fear, simplesmente chegando mais cedo à casa de show e esperando.

Mas com o Nightwish não foi assim. Em determinado momento, uma van de janelas escuras parou do outro lado da rua e, pouco depois, seguranças começaram a empurrar os fãs para abrir um espaço. A van embicou, subindo na calçada, e a banda passou correndo, cobrindo as cabeças. Foi uma das coisas mais ridículas que já vi.

Pouco depois, saiu a cobertura da Rock Brigade sobre a turnê brasileira da banda, e lembro que a matéria falava da multidão de fãs que estava lá e que a banda não conseguia acreditar que realmente existia algum perigo real. Amigo delfonauta, tinha no máximo 15 fãs ali que nada mais queriam do que autógrafos e fotos. Eu sei porque era um deles. E mais da metade dessas pessoas eram garotas. E depois a banda ainda coloca no seu site oficial como gostou do contato que fez com os fãs no Brasil e dos shows que fez por aqui. Sim, me engana que eu gosto.

Este episódio me mostrou o tipo de atitude que o Nightwish tinha com seus fãs, e também me mostrou a real cara do jornalismo musical brasileiro. Eu fiquei realmente decepcionado e, depois disso, nunca mais ouvi a banda nem li a Rock Brigade da mesma forma. Acredito que foi um momento vital da minha vida, quando minha mentalidade mudou de “fã fanático” para “adulto apaixonado por música”. Era algo que aconteceria mais cedo ou mais tarde, e foi bom ter acontecido mais cedo. Pena que foi com tamanha decepção simultânea com duas coisas das quais gostava muito.

MAIS AMOSTRAS DA COVARDIA

O tempo passou, e eu acabei me afastando do Nightwish. Não apenas por causa da historinha contada acima, mas principalmente porque não gostei dos discos seguintes, o Century Child e o Once. Aliás, minha resenha do Once fez com que eu recebesse ameaças de morte no meu e-mail. Foi a primeira vez que isso aconteceu, e só contribuiu para a minha decepção com a atitude dos headbangers, como já abordei tantas outras vezes.

Nesses anos, a banda também lançou o documentário End of Innocence, e aí vi mais uma amostra da forma terrível que esses caras lidam com conflitos: a demissão do baixista Sami Vänskä. Para quem não sabe, a banda estava com problemas de relacionamento com ele. Ok, a demissão do cara poderia ser inevitável, mas como eles resolvem lidar com isso? Simplesmente pedindo para o empresário ligar e dizer que ele estava fora. Caramba, é assim que se lida com um sujeito que foi seu colega por pelo menos três anos? Aliás, não só três anos, mas os três anos nos quais a banda cresceu absurdamente e atingiu fama internacional. Será que Vänskä não merecia no mínimo ter sido chutado pessoalmente?

Quando chegou a hora de despedir a vocalista Tarja Turunen, então, é que o negócio ia pegar. Afinal, ela era a cara e a voz da banda, principal responsável pelo diferencial que levaria a banda ao estrelato e começaria a moda do “metal com vocal feminino”. Ela tinha fãs. E muitos. Por isso, a polêmica com a demissão dela foi bem maior e provavelmente você até já sabe como foi.

END OF AN ERA

O Nightwish gravou um DVD, que posteriormente seria o End of an Era e, logo após a apresentação, demitiu a vocalista via carta. E fica pior, por algum motivo a banda decidiu que seria uma boa jogada tornar esta uma carta aberta, em um dos maiores desrespeitos públicos da história da indústria musical. Dá para imaginar o baque que isso teve na pobre vocalista, e eu considero impossível assistir a qualquer música do End of an Era sem ficar com pena dela pelo que a esperava e com raiva dos outros membros por estarem gravando um DVD já tendo em mente a cachorrada que fariam com sua colega.

youtube player
Inscreva-se no nosso canalWhiplash.Net no YouTube

Isso simplesmente não se faz. E se isso parece ser claramente uma jogada do tecladista Tuomas Holopainen, os outros membros da banda são igualmente culpados por permitirem que uma colega seja tratada de forma tão humilhante. Não é assim que se trata um ser humano, muito menos alguém que foi tão instrumental para o sucesso da banda.

E historinha de imaturidade tem de monte no Nightwish. Quando o site Global Domination publicou uma resenha negativa de um de seus álbuns, a banda chegou a escrever para o site solicitando a exclusão do texto. Isso não se faz. Uma banda tem que saber lidar com críticas e só os muito amadores e covardes pedem para tirar uma matéria negativa do ar.

ANETTE OLZON

A sueca Anette Olzon foi a substituta de Tarja Turunen e nessa época eu já não acompanhava mais a banda simplesmente porque o som já não falava mais comigo. Mas como trabalho com jornalismo cultural, acabava sabendo das notícias da banda, isso quando eu mesmo não as escrevia.

Anette entrou e gravou dois álbuns com o Nightwish, o Dark Passion Play e o Imaginaerum. Se eu já ouvi alguma coisa com a Anette, admito que não me lembro, já que quando ela entrou eu não tinha mais interesse em novas músicas dos finlandeses. Além disso, com todos esses fatos narrados aqui, eu não poderia ter uma impressão pior de Tuomas Holopainen e seus súditos. Aliás, minto, pois essa impressão foi piorada com a notícia de ontem: “Anette foi chutada do Nightwish”.

Ok, o comunicado oficial dessa vez pelo menos não foi tão desrespeitoso quanto no passado, se limitando a dizer que a banda “está se separando por decisão mútua e para o bem de todos os envolvidos”. Mas o timing deixa muito claro que Anetter foi chutada porque demonstrou sua insatisfação com ter sido substituída no dia em que ficou doente. Provavelmente os problemas de relacionamento já vinham de antes, e essa foi apenas a gota d’água, mas o timing foi péssimo e demonstrou que os caras tomam decisões importantíssimas no calor do momento e sem levar em consideração as outras partes.

Nossa vocalista ficou doente? Chama outras duas para cantar no lugar dela. Nossa vocalista reclamou publicamente? Então está fora. Ninguém é insubstituível. Caramba, dá para entender esse tipo de attitude num moleque no início dos seus 20 anos, mas segundo a Wikipédia, Tuomas Holopainen tem 35 anos. Não é mais um moleque, é um homem. E um homem tem que conversar e resolver seus problemas cara a cara, não dessa forma covarde ou imatura.

Neste ponto o ardiloso leitor pode dizer “Mas o Nightwish é escandinavo. Lá eles não são tão emotivos e nem conversam tanto quanto nós, brasileiros”. Pois é, amigo delfonauta, mas essa atitude do Tuomas e sua trupe é totalmente emotiva e irracional. Ela é muito mais brasileira do que finlandesa, diga-se de passagem.

Normalmente quando alguém pensa no supra-sumo do babaca musical, fala do também escandinavo Yngwie Malmsteen. E ele pode ter seus problemas, mas quando seu tecladista Derek Sherinian resolveu xingar todos os brasileiros no seu site oficial, Malmsteen ficou do lado do seu colega. Na época eu odiei a atitude de ambos, e ainda acho que eles agiram muito mal diante dos problemas, mas os dois estavam do mesmo lado desde o início e continuaram depois que a bomba explodiu.

Já rolou um problema parecido no DELFOS, de termos dado um furo e a fonte ter ameaçado nos processar se não revelássemos a fonte. A bomba explodiu e eu fiquei morrendo de medo, mas em nenhum momento joguei o problema para a minha fonte encarar sozinho. Ele me passou a informação, com provas e eu resolvi publicar. Estávamos juntos nessa.

O Tuomas não teria agido da mesma forma. Ele é um cara que responde a problemas empurrando o colega para a linha de fogo. Não é assim que um adulto deve agir. Problemas de relacionamento em bandas acontecem e são inevitáveis, mas você não deve fazer disso um circo ou humilhar publicamente as pessoas que saíram (nem em privado, que fique claro).

Muita gente já passou pelo DELFOS nesses quase nove anos que o site está no ar, e é claro que já rolaram brigas e discussões mais esquentadas. Isso é normal. Mas um adulto lida com isso, senta e conversa, com olhos nos olhos e respeito mútuo. E se as diferenças forem irreconciliáveis, o respeito não precisa acabar aí. O Tuomas precisa se preocupar menos com a perda de sua inocência e mais com aquisição de maturidade. Está na hora de deixar de ser criança e aprender a tratar seus funcionários com o respeito que eles merecem.

CURIOSIDADE:

- Se o delfonauta estava com saudades de matérias como esta no site, grite “Yabadabadoo” nos comentários e aguarde, pois muitas surpresas virão por aí! E você vai gostar delas. =]

5000 acessosNightwish: Anette passa mal e é substituída às pressas5000 acessosNightwish: Anette posta mensagem sobre seu estado de saúde5000 acessosNightwish: Anette chateada por ter sido substituída5000 acessosNightwish: Anette fora e Floor Jansen assume os vocais5000 acessosNightwish: com sua saída, Anette decide fechar seu blog5000 acessosTarja Turunen: "Eu não me importo. Boa sorte a ambos."5000 acessosNightwish: banda já tinha planos de demitir Anette?5000 acessosNightwish: Tuomas comenta sobre Anette antes da saída5000 acessosNightwish: Tuomas rebate declaração de Anette Olzon5000 acessosAnette Olzon: "Eu acho que isso ainda não acabou"3652 acessosNightwish: Anette diz que não deixou a banda, foi despedida5000 acessosNightwish: "Vendemos mais na minha época que na anterior"5000 acessosNightwish: Anette Olzon diz que foi demitida por e-mail

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, nos links abaixo:

Post de 03 de outubro de 2012
Post de 04 de outubro de 2012
Post de 09 de outubro de 2012
Post de 10 de outubro de 2012

Nightwish: a saida de Anette Olzon

5000 acessosNightwish: Anette passa mal e é substituída às pressas5000 acessosNightwish: Anette posta mensagem sobre seu estado de saúde5000 acessosNightwish: Anette chateada por ter sido substituída5000 acessosNightwish: Anette fora e Floor Jansen assume os vocais5000 acessosNightwish: com sua saída, Anette decide fechar seu blog5000 acessosTarja Turunen: "Eu não me importo. Boa sorte a ambos."5000 acessosNightwish: mudanças no set no primeiro show com Floor5000 acessosNightwish: vídeo do primeiro show com Floor Jansen5000 acessosNightwish: Mais vídeos do primeiro show com Floor Jansen5000 acessosNightwish: 22 minutos de filmagens com Floor Jansen2766 acessosNightwish: ouça áudio do primeiro show com Floor Jansen5000 acessosTarja Turunen: sem interesse de voltar para o Nightwish5000 acessosNightwish: Floor Jansen fala sobre os primeiros dias4898 acessosNightwish: vídeo do terceiro show com Floor nos vocais5000 acessosNightwish: banda já tinha planos de demitir Anette?5000 acessosNightwish: divulgada primeira foto oficial da nova formação5000 acessosNightwish: Tuomas comenta sobre Anette antes da saída0 acessosTodas as matérias sobre "Nightwish: a saida de Anette Olzon"

0 acessosTodas as matérias da seção Matérias0 acessosTodas as matérias sobre "Nightwish: a saida de Anette Olzon"0 acessosTodas as matérias sobre "Nightwish"

ReligiãoReligião
Os rockstars que se converteram

Whiplash.NetWhiplash.Net
O site publica matérias pagas ou protege quem anuncia?

RhythmRhythm
Os bateristas mais influentes de todos os tempos

5000 acessosSupernatural: ouça 10 músicas que marcaram a série5000 acessosSexo e Satã: as mensagens subliminares em capas de Rock / Metal5000 acessosSlash: Alucinações, sexo, dinheiro e armas de fogo no auge do vício5000 acessosLauren Harris: Como é ser filha do baixista do Iron Maiden5000 acessosBlaze Bayley: "Não tinha comida. Tive que esmolar."5000 acessosNick Jonas: ele tentou fazer um solo e virou um meme de Internet

Sobre Carlos Eduardo Corrales

Carlos Eduardo Corrales é jornalista e fotógrafo há oito anos. É editor-chefe do Delfos - www.delfos.jor.br - o maior site nerd de jornalismo parcial reflexivo humorístico do mundo. Sua principal característica é não levar nada a sério, até mesmo quando fala sério. A única exceção, claro, são os ensinamentos do Deus Metal. Com esse ele não brinca, pois não quer que o Vento Preto venha tirar satisfação.

Mais matérias de Carlos Eduardo Corrales no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online