Dust, direto das catacumbas

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Marcos A. M. Cruz
Enviar correções  |  Comentários  | 

Final de 1973... durante uma apresentação do KISS perante executivos da gravadora Casablanca, Gene Simmons começa a fazer caretas e colocar a língua para fora, num gesto que passaria para a posteridade como marca registrada do baixista. Um dos presentes não consegue segurar um sorriso, e mais tarde, Simmons admite ter-lhe 'roubado' a perfomance, que vira algum tempo antes, por ocasião de um show do DUST, banda cujo guitarrista se tratava do agora produtor, Mr.Richie Wise...

5000 acessosGarimpeiro das Galáxias: Beldades globais e sua paixão pelo rock5000 acessosIron Maiden: uma releitura de "The Trooper" pelo Cine

Uns tempos atrás 'tava eu na sala de aula batendo papo com meus pupilos (nas horas vagas sou professor) sobre trivialidades em geral, quando a conversa descambou para a questão do sucesso profissional, coisa que os interessa bastante, a grande maioria adolescentes e pós, que estão adentrando o mercado de trabalho, até que, num certo momento, uma aluna fez a seguinte afirmação, em tom de dúvida:

"Então, pelo que o senhor diz, basta ser competente no que se faz para se obter sucesso?"

Ia responder que sim, mas de repente me veio à mente a trajetória de várias bandas que tentaram em vão alçar seu lugar ao sol, muitas não conseguindo sequer aqueles propalados quinze minutos de fama Andywarholnianos...


Fillmore East, início de 1968. Dois jovens na casa dos quinze anos, Kenny Aaronson e Richie Wise, se deliciam durante uma apresentação do JIMI HENDRIX EXPERIENCE, onde ao final o guitarrista destrói seu instrumento, jogando alguns pedaços para a platéia.


Após uma luta encarniçada, Richie consegue ficar com os captadores, troféu que adaptaria em sua guitarra e carregaria por toda sua carreira como músico, que até então estava apenas engatinhando, pois ele fazia parte de uma turma de jovens que haviam na época no Brooklin, local onde morava, que tocavam em várias bandas adolescentes dedicadas a coverizar Beatles, Stones e, como era de se esperar, muito Soul e Funk.

Pouco tempo depois, ele viria a conhecer Kenny Kerner, com o qual acabaria por estabelecer uma parceria que viria a se mostrar eficaz e duradoura, inicialmente como compositores, mais tarde como produtores.


Enquanto isto, no mesmo Brooklin morava aquele seu amigo Kenny Aaronson, cuja paixão pela música veio através de seu irmão mais velho, que tocava bateria, instrumento que adotaria inicialmente, até que aos catorze anos de idade, ele se depara com um baixo numa vitrine de uma loja, e surge uma paixão à primeira vista...



Nova Iorque, 1969. Um baterista de apenas treze anos de idade começa a se destacar, pelo seu estilo veloz e pesado de tocar, inspirado principalmente por Keith Moon e Mitch Mitchell. Não tardou para despertar a atenção de Richie, que lhe propõe montar uma banda para tocar covers do THE WHO e do JIMI HENDRIX, duas de suas três grandes paixões (a outra era THE BEATLES).

Durante um bom tempo prosseguem tocando nos bares e colégios da região, tendo passado diversos instrumentistas pelo baixo, até que em meados daquele ano, estava na platéia o velho amigo de Richie, o baixista Kenny Aaronson, que horas mais tarde receberia um convite para se integrar ao grupo, já batizado de DUST.

Nisto, já em 1971, entra na história Neil Bogart, executivo da Kama Sutra (subsidiária da Buddah Records), que chegou até a banda através de Domenic Facilia, que estava empresariando os garotos. Acontece que Bogart estava interessado em expandir seus horizontes financeiros, investindo em grupos que tivessem uma sonoridade mais "pesada", pois o grande filão que movimentava a Kama Sutra, que eram as bandas bubblegum (OHIO EXPRESS, 1910 FRUITGUM COMPANY e outros), não estava mais rendendo tanto quanto antes (por causa desta fama da gravadora é que algumas pessoas pensam erroneamente que o DUST faz parte do gênero).


Bogart oferece um contrato para o grupo, que imediatamente grava no Bell Sound Studio seu primeiro álbum, lançado em meados daquele mesmo ano, tendo sido precedido por um single com a canção "Stone Woman" em ambos lados (o lado A trazia a versão mono, e o B a versão estéreo).

Embora não fosse exatamente um sucesso de vendas, o álbum lhes garante uma certa credibilidade, que lhes renderia a única turnê que fariam fora da cidade de Nova Iorque, abrindo alguns shows para ALICE COOPER.


Ainda no final do ano sai mais um single, novamente trazendo a mesma canção em ambos lados em sua versão mono/estéreo: desta vez a escolhida foi "Love Me Hard", porém numa versão diferente da editada no álbum (este outtake pode ser encontrado na edição em CD da gravadora One Way, ao contrário do lançamento da Repertoire Records, que traz somente as faixas do álbum original).

E no início de 1972, os garotos entram novamente no mesmo estúdio para registrar seu 2º e derradeiro trabalho, "Hard Attack", lançado pouco tempo depois, trazendo na capa uma belíssima ilustração de Frank Frazetta, famoso cartunista novaiorquino, que galgou sucesso tardio aqui no Brasil com uma das encarnações da saga "Conan, O Bárbaro".


Porém, apesar de todo este esmero na parte gráfica e na produção (impecável, diga-se de passagem), mais uma vez o disco não alcança boas vendas, e as poucas chances de excursionar fora da cidade eram "sabotadas" por Marc, que na época contava com apenas 16 anos de idade e não podia largar a escola (era estudante secundário). E Richie Wise, ao que parece, estava um tanto quanto desencantado com a função de músico, passando a se interessar mais em atuar nos bastidores.

Provavelmente estes foram os motivos levaram a banda a encerrar atividades em meados daquele mesmo ano.


Todos os integrantes do DUST construiriam uma carreira de sucesso dentro do meio musical; Richie Wise, que abandonaria a guitarra logo após sair do grupo (só viria a tocar muito esporadicamente em algumas sessões de estúdio) se torna um renomado produtor ao lado de seu amigo Kenny Kerner, tendo a dupla produzido, entre outros, discos do BADFINGER, GLADY'S KNIGHTS & THE PIPS e seu maior sucesso comercial, o KISS, que se tornou o carro-chefe da gravadora Casablanca Records, fundada por Neil Bogart, assim que saiu da Kama Sutra.


Kenny Aaronson, que logo em seguida ingressaria no STORIES, com quem grava seu maior sucesso comercial ("Brother Louie"), constrói uma gigantesca folha corrida, tendo trabalhado com RICK DERRINGER, FOGHAT, BLUE ÖYSTER CULT, BOB DYLAN, LESLIE WEST, JOAN JETT e muitos, muitos outros (clique aqui para ler uma entrevista com o baixista).


Já Marc Bell se constitui num caso pitoresco: logo após o fim do grupo, ele vai para o ESTUS, quarteto americano que deixa apenas um disco gravado em 1973, tendo no ano seguinte atuado na banda do bluesmen DAVE BROMBERG, que registra um disco naquele mesmo ano juntamente com JOHNNY SHINES (lançado somente em 1992) e em 1976 se junta ao RICHARD HELL & THE VOIVOIDS. Porém a fama viria mesmo em 1978, quando ingressa no RAMONES, e muda seu nome artístico para Marky Ramone.

Durante muitos anos pensei que se tratava de uma lenda a associação entre o baterista do DUST e o do RAMONES, até ler numa entrevista a confirmação dele que de fato se trata da mesma pessoa. O motivo? Bem, compare as "viradas" e a "pegada" da primeira banda com a segunda, e depois me diga se parece ser o mesmo instrumentista...


Interessante notar que o grupo era incendiário não apenas em estúdio, como pode ser constatado na única gravação ao vivo existente (até onde eu sei), registrando pouco mais de quarenta minutos de uma apresentação no Brooklyn em 19/11/1971, mas que infelizmente conta com uma qualidade sonora abismalmente péssima.

Outro detalhe é que eles apresentam neste show três músicas inéditas, o que pode ser um indicativo que de fato eles deixaram material de sobra para um terceiro álbum, tal qual se comenta. Se for verdade, esperamos que algum dia isto venha à tona.


Uma pergunta que sempre pairou no ar em relação ao DUST é: por qual motivo eles não fizeram sucesso? É indiscutível a qualidade dos seus dois únicos álbuns, tanto na parte das composições quanto na produção, além da competência técnica dos músicos, que formaram o que poderia vir a ser dos maiores power-trio da história do Rock.

Apenas duas faixas - "Love Me Hard" e "Suicide" - já valem a aquisição de ambos, quem não as conhece pode ouvir um trecho em Real Audio no site da Aquarius Records.

Talvez a resposta resida no fato deles terem vindo na hora certa, mas no local errado, pois o tipo de som que faziam era mais próximo das bandas inglesas da época, ao contrário do que rolava em Nova Iorque...


"Pense da seguinte forma: o sucesso profissional não depende só da ascenção financeira ou até mesmo do reconhecimento de terceiros, muitas vezes o que vale é estar de bem consigo mesmo, e nada melhor para isto do que se entregar ao que se faz de coração e alma, deixando de lado a ânsia por resultados imediatos, pois eles podem tardar mas um dia chegam, e se por acaso não vierem, paciência!"

Talvez minha resposta tenha sido um tanto quanto piegas ou mesmo confusa, porém foi o que me veio na hora. Não sei se minha aluna entendeu meu ponto de vista (tampouco o leitor). Fazer o quê, há pessoas muitíssimo mais competentes que eu que não conseguiram seu lugar ao sol.

Mas eu continuo tentando, um dia chego lá. E se não chegar, pelo menos estou de bem comigo mesmo, isto é o que importa, o resto "is Dust in The Wind"...

Por que destacamos matérias antigas no Whiplash.Net?

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 31 de março de 2013

Hardão Setentista

5000 acessosO quê, quando, como, onde e porquê?5000 acessosBuffalo, Rock vulcânico direto da Austrália5000 acessosBang, o Sabbath americano?5000 acessosNovember, legendário power-trio sueco5000 acessosBlue Cheer, os inventores do Heavy-Metal?5000 acessosSir Lord Baltimore, o Sirlordão5000 acessosJPT Scare Band, antes tarde que nunca!5000 acessosJosefus, The Dead Man From Texas5000 acessosAeroblus, o maior power trio latino americano5000 acessosHardão Setentista: Marduk Plagiou a Flower Travelling Band?5000 acessosBeatniks: LP reúne gravações dos pioneiros do Heavy Rock Lusitano3834 acessosRed Pony & Captain Marryat: o incurável vício da garimpagem de raridades0 acessosTodas as matérias sobre "Hardão Setentista"

0 acessosTodas as matérias da seção Matérias0 acessosTodas as matérias sobre "Hardão Setentista"0 acessosTodas as matérias sobre "Dust"0 acessosTodas as matérias sobre "Ramones"

CamisetasCamisetas
Beldades globais e sua paixão pelo rock

Iron MaidenIron Maiden
Uma releitura de "The Trooper" pelo Cine

Mick JaggerMick Jagger
Em cerimônia na escola do filho em São Paulo

5000 acessosMMA: os lutadores que curtem Rock e Heavy Metal5000 acessosRita Lee: Ela participou de suruba com o Yes e furtou a cobra de Alice Cooper5000 acessosEm 11/05/1981: Bob Marley morre, vítima de um tumor no cérebro5000 acessosIra!: Edgard Scandurra comenta a polêmica "Pobre Paulista"1981 acessosMarcas Corporativas: E se os logos fossem no estilo Heavy Metal?5000 acessosAC/DC: setlist, fotos e vídeos do show arrasador com Axl Rose

Sobre Marcos A. M. Cruz

Editor do Whiplash.Net.

Mais matérias de Marcos A. M. Cruz no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online