Hardão Setentista: Marduk Plagiou a Flower Travelling Band?

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Marcos A. M. Cruz
Enviar correções  |  Comentários  | 

"Satori" é uma palavra japonesa que se refere ao momento em que o praticante de Zen consegue atingir a iluminação, geralmente através da prática da Zazen (espécie de 'meditação sentada'), ou dos Koans (parábolas ou paradoxos aplicados pelos Mestres Zen aos seus discípulos, para que estes cheguem até a verdade transcendental que está para além das palavras e das conceptualizações mentais). "Satori" é uma experiência única e individual. Uma vez atingida a "Satori", consegue-se entender também a essência da Zen, a qual, passa a ser praticada 24 horas por dia, sendo que o próprio Ser passa a ser Zen e a Zen integra-se no Ser. (adaptado de texto extraído do Noites Zen do Ankh).

5000 acessosGuns N' Roses e Tesla: a história do "plágio" de "Patience"5000 acessosFlea: "Já pensei em deixar o RHCP um milhão de vezes"

Até o final dos anos noventa eu mantinha uma ignorância completa em relação a bandas de Rock nipônicas dos anos setenta, achava que o gênero, principalmente na sua vertente mais "pesada", não tivesse florescido por lá tal qual em outras partes do mundo, já que só conhecia a FAR OUT/ FAR EAST FAMILY BAND, combo Progressivo de onde sairia KITARO (sim, aquele mesmo...).


Eis que um belo dia um conhecido me mostra o único registro do FOOD BRAIN, um ensandecido quarteto que me fez desconfiar que devia existir mais alguma coisa interessante no quesito "hardão setentista" daquela época lá na Terra do Sol Nascente, embora neste trabalho o grupo tivesse uma pegada um tanto quanto jazzística. Coincidentemente, pouco tempo depois começaram a pipocar discos de bandas que até então me eram desconhecidas: APRYL FOOL, FLIED EGG, STRAWBERRY PATH, THE MOPS, SPEED GLUE & SHINKI, MURASAKI, etc. Mas nesta leva vinda do Japão, digamos que elegi como sendo meu preferido o pessoal do BLUES CREATION.


O grupo teve diversas formações e abreviou seu nome para CREATION em meados dos anos setenta, deixando para a posteridade um fantástico trabalho ao vivo, muito mal editado (os intervalos entre as faixas parecem ter sido "cortados" por um facão cego) porém com boa qualidade de som para a época, onde literalmente põe abaixo a platéia em um festival de 1971!

Mas o que todos estes conjuntos fizeram - tal qual rolou praticamente em todo o mundo - foi copiar o que as bandas inglesas e americanas vinham fazendo, alguns com um pé bem fincado no psicodelismo (caso do THE MOPS), outros no Blues (BLUES CREATION) e aqueles que imitaram na cara dura grupos famosos (MURASAKI, espécie de "clone nipônico" do DEEP PURPLE).


Por isto, apesar de tencionar escrever sobre o BLUES CREATION, concluí que deveria falar primeiro sobre o FLOWER TRAVELLIN' BAND, que lançou um excelente álbum ("Made In Japan") e outro de proporções colossais, o "Satori", o único disco que tenho notícias que conseguiu mesclar com maestria o som pesado da época com influências de música tradicional japonesa!

Alguns com certeza dirão que se trata de exagero de minha parte, mas não sou só eu quem pensa assim: diversos artigos na internet enaltecem este álbum, tal qual este do Allmusic, este outro do The L Magazine ou este do SonicWave. Julian Cope também escreveu um excelente texto sobre o disco para o headheritage.co.uk, que não está mais online pois ele pretende ampliá-lo para publicar em um livro sobre o Rock japonês.

Paradoxalmente, desencavar informações sobre o FLOWER TRAVELLIN' BAND (para diminuir meu trabalho de digitação, passarei a chamá-los de FTB) demonstrou ser um trabalho hercúleo, cheguei a usar um tradutor de japonês e passei vários dias googleando, copiando e colando tudo que achava que pudesse ter alguma relação com o FTB, sem obter muita coisa concreta, apenas informações perdidas sem nenhuma conexão entre si... well, vamos lá!


Yuya Uchida começou sua longa carreira artística no final dos anos cinqüenta, e na década seguinte lançou alguns compactos e álbuns onde se dedicava a reinterpretar clássicos do Rock'n'Roll, principalmente de ELVIS PRESLEY e dos BEATLES, que podem ser vistos na seção de covers de seu site oficial, até que em 1967, durante uma viagem à Europa, toma contato e se encanta com artistas como CREAM, JIMI HENDRIX e THE WHO.


De volta ao seu país, resolve formar uma nova banda, chamando Hiroshi Chiba e Remi Aso para dividir os vocais, juntamente com Katsuhiko Kobayashi na guitarra, Ken Hashimoto no baixo e George Wada na bateria. A estréia do grupo, que a esta altura do campeonato havia sido batizado de "YUYA UCHIDA AND HIS FLOWERS" e já vinha angariando uma certa fama nos clubes locais, ocorre com o compacto "Last Chance", lançado no início de 1969, que traz no lado A a canção homônima e "Flower Boy" no lado B, nenhuma das duas aparecendo no LP que seria lançado alguns meses mais tarde: "Challenge".


O álbum é composto de uma canção instrumental de autoria própria chamada "Hidariashi No Otoko" e nove releituras - coisas como "Combination Of The Two", "Summertime" e "Piece Of My Heart" de JANIS JOPLIN; "I'm So Glad" e "White Room" do CREAM e "Hey Joe" e "Stone Free" de JIMI HENDRIX, todas em versões um tanto quanto embebecidas em ácido, mas nada que não tenha sido feito naquela época. Unusual mesmo - ainda mais no Japão, creio eu - é a capa, que traz seis sujeitos e uma garota nua, ainda mais ao constatarmos que está faltando alguém, já que nos créditos do disco constam apenas seis integrantes, conforme consta no parágrafo anterior.


Existe ainda uma compilação chamada "Rock N'Roll Jam '70", gravada ao vivo em um festival e que traz no lado B do disco algumas faixas do grupo, e que apesar de ter sido relançada em CD em meados dos anos noventa eu até hoje não consegui nem a original, tampouco uma cópia... se alguém tiver, por favor me mande um email... @:-)

Por algum motivo que não consegui apurar, após lançar mais um compacto chamado "Fantastic Girl" com outras duas músicas não constantes no LP, o FLOWERS literalmente se desmancha, e Yuya resolve montar uma nova banda, onde passaria a atuar apenas nos bastidores, passando a ser o produtor e espécie de mentor intelectual da coisa; do antigo grupo aproveita apenas o baterista George Wada, e chama Jun Kozuki para o baixo, Hideki Ishima para a guitarra e Joe "Akira" Yamanaka para o vocal.


O primeiro registro do quarteto se trata de uma verdadeira epopéia com quase meia hora de duração chamada "I'm Dead", repleta de experimentalismos, no que seria uma espécie de "Krautrock jam session", algo mais ou menos na linha do que bandas como CAN e AMON DULL começavam a produzir a milhas de distância!

O resultado não agradara Yuya, tanto que só viria a público décadas mais tarde, com o lançamento do "From Pussies To Death In 10.000 Years Freak Out", disco "pirata" que apesar de ser creditado somente ao FTB, traz também material registrado na época do FLOWERS - incluindo uma versão interessantíssima de "How Many More Times" do LED ZEPPELIN, numa levada um tanto quanto funkeada...


"Pussies" foi lançado somente em LP, portanto achar uma cópia se trata de algo bastante difícil, até que em 2002 aparece no mercado uma edição digital sob o nome "Music Composed Mainly By Humans", que também traz a épica "I'm Dead", acrescida de material inédito que seria registrado nos meses seguintes, principalmente da época em que Yuya decide então experimentar o tecladista Kuni Kawachi, que havia tocado em uma banda chamada THE HAPPENINGS FOUR, e com isto o quinteto registra uma série de canções com um apelo um pouco mais Pop/ Progressivo (cortesia da influência de Kuni), que mesmo assim acabam por não agradar Yuya, sendo no fim das contas o projeto deixado de lado.


As gravações deste período sairiam algum tempo mais tarde, creditado a KUNI KAWACHI & THE FLOWER TRAVELLING BAND, no disco que é conhecido por alguns como "Kirikyogen", canção que abre o trabalho. Trechos de duas faixas podem ser conferidos no site na Aquarius Records: justamente a "Kirikyogen" e "Classroom For Women".

Alguns meses depois, de novo reduzido a um quarteto, o FTB retorna ao estúdio e é decidido que seriam reaproveitadas duas idéias do finado FLOWERS: em primeiro lugar, seriam registradas apenas releituras, dentre elas a tradicional "House Of The Rising Sun", aqui em uma versão folky-lacrimosa de Joe; "21st Century Schizoid Man" do KING CRIMSON, transformada em uma inusitada canção de mais de treze minutos de puro jazz rock, e "Black Sabbath", primeira releitura da canção que deu origem à banda de Iommi & Cia que se têm notícia, conforme mencionado no FAQ do black-sabbath.com.

Em segundo, a capa do "Anywhere" traz os caras rodando de moto em uma estrada, no que seria uma alusão à liberdade de seguir para qualquer lugar, liberdade tamanha que novamente todo o pessoal estava pelado! No artigo de Julian Cope, há uma citação que não fica clara que seria de Yuya ou se trata de uma intervenção poética do autor, onde se diz: "Sure, we’re still Flowers but now we’re a travellin’ band like the Creedence man said. Naked? Sure, we’re still naked and free but now we’re naked on low slung easy rider choppers cruising the highways of uptight Japan. Destination? Anywhere!" ("Sim, ainda somos os Flowers mas agora somos uma banda itinerante como diz aquela canção do Creedence [Clearwater Revival]. Nus? Certamente, ainda estamos despidos e livres mas agora estamos nus em nossas motos 'sem destino' cruzando firmemente as rodovias do Japão. Destino? Qualquer lugar!")

Novamente trechos de outras duas faixas estão disponíveis no site da Aquarius Records: "Louisiana Blues" e "Black Sabbath".

Caso a história terminasse aqui, eles passariam para a posteridade como um bando de japoneses malucos que adoravam andar sem roupa e gravar releituras... mas o melhor ainda estava por vir!



Reza a lenda que um belo dia Yuya surgiu com a idéia que trabalhassem em um material mesclando a tradição japonesa com a música pesada ocidental - BLACK SABBATH seria a principal influência. Daí o vocalista Joe teria sugerido que fizessem um álbum baseado no conceito do "Satori", descrito no início deste texto, e o resultado foi o álbum homônimo, dividido em cinco suítes sob o nome "Satori I", "Satori II", "Satori III", "Satori IV" e "Satori V", cuja sonoridade é muito difícil de ser descrita - imaginem uma espécie de hardão psicodélico recheado de riffs a lá BLACK SABBATH com pitadas de Kraut Rock, em canções que são verdadeiros "mantras" com andamentos cadenciados, ora emulando um pouco de música folk japonesa, ora o que viria a ser conhecido futuramente como "Doom", em alguns momentos misturando tudo isto com British Blues, criando uma atmosfera mística e lírica, agonizante e confortadora ao mesmo tempo...

Justiça seja feita: um dos grandes responsáveis pelos climas do "Satori" é o guitarrista Hideki Ishima, seus riffs certeiros, solos precisos e bases marcantes fazem com que o ouvinte literalmente viaje a um lugar e tempo não definidos, onde samurais tocam guitarra e cantam sobre a "iluminação"...

"Satori" obteve um bom êxito local, apesar da tendência do público japonês aparentemente ser de intolerância em relação ao produto local no quesito "Rock Pesado", dando preferência ao que vinha de fora, hábito que se solidificaria ao longo dos anos, vide a quantidade de bandas ocidentais que até hoje são aclamadas por lá.


As edições posteriores do "Satori" trazem uma faixa adicional chamada "Map", que foi editada originalmente em um compacto, antes mesmo do lançamento do LP, assim como outro compacto trazendo somente "Satori II".

E para quem não conhece, dois trechos do disco, mais uma cortesia da Aquarius Records: "Satori p.2" e "Satori p.3". E boa parte do álbum pode ser conferido em streaming audio no mp3.com.

Aparentemente o FTB nunca tocou na Europa e muito menos nos EUA, mas sabe-se lá por qual motivo em 1971 os caras foram parar no Canadá, onde o "Satori" chegou a ser editado com capa e seleção de faixas diferentes: as três primeiras partes de "Satori", "Kamikaze", "Hiroshima", "Unaware", "Gimmie Air" e "Lullaby", ou seja, uma espécie de coletânea do álbum "Satori" e do seguinte, "Made in Japan".


O curioso é que o "Made in Japan" só seria lançado no Japão em 1972, ao passo que aparentemente a tal compilação canadense é datada de 1971, e não faço a mínima idéia de onde saiu a última faixa ("Lullaby"), pois não aparece em nenhum outro álbum do FTB, tampouco em lados-B de compactos (em tempo: "Gimmie Air" aparece na edição japonesa do "Made In Japan" sob o nome "Aw Give Me Air")

Mais curiosa ainda foi a informação que obtive nas minhas andanças pela internet, após visitar o site de um grupo canadense chamado CHROME, onde consta que um de seus integrantes, John Lambdin, seria o único com experiências musicais anteriores, tendo tocado com ninguém menos que o FTB! Quem quiser conferir, é só ler a história da banda. Eu presumo que o sujeito tenha tocado ao vivo com o conjunto durante a tal turnê pelo Canadá, deve ser isto...



Embora não seja tão impactante quanto seu antecessor, "Made In Japan" é outra verdadeira pérola perdida, talvez até um pouco mais "dark" e "pesado", e liricamente bem mais cru, já que ao contrário do "Satori", ao invés de abranger um tema talvez um tanto quanto abstrato, aqui as canções são explicitamente pé no chão, e boa parte do disco se dedica a expurgar a dor e sofrimento pelo qual passou a geração pós-guerra, como fica patente no título de duas canções: "Kamikaze" e principalmente "Hiroshima".

Esta última, cuja letra retrata a tragédia ocorrida no final da Segunda Guerra ("Once upon a summer day / in their midst, a mushroom grew / they never saw, they never, never knew / they're walking on the street / making shadows on the wall / they're sitting on the steps / melting into the stone / children of the mushroom (3x) / aren't we all, aren't we all"), foi construída sobre a mesma parte rítmica da introdução de "Satori part.3", espécie de mantra que gerou uma situação extremamente curiosa, que relatarei mais abaixo.


Prá não perder o costume, mais dois trechos sob cortesia da Aquarius Records: "Hiroshima" e "That's All".


Neste ponto a trajetória da banda fica um tanto quanto confusa; algumas fontes dão a entender que eles retornaram ao Canadá, mas é fato que no final de 1972 eles andaram tocando pelo Japão, tanto que tenho uma gravação creditada apenas como tendo sido realizada no "Hibaya Open Air" em 13 de agosto de 1972, que cheguei a colocar num site de torrents prá ver se aparecia alguém com maiores informações, mas apesar de alguns japoneses terem me agradecido pela oferta (todos surpresos pela existência da gravação, que eu consegui com um cara na Alemanha!), ninguém soube me dizer maiores detalhes... entretanto, é incontestável que a banda continuava mandando ver, já que apesar da péssima qualidade de som (gravado da platéia), o vocalista Joe e o guitarrista Hideki estão ali no palco marcando presença de forma marcante.

Mas não é isto que acontece no derradeiro trabalho da banda, o "Make Up", lançado em 1973; apesar da edição original do LP duplo (o CD também é) ser muito bonita e luxuosa, pois vinha envolto em uma pequena mala como pode ser visto acima, o conteúdo deixa muito a desejar se comparado com os dois antecessores.

Na realidade, o disco se trata de uma mescla de material inédito de estúdio e gravações ao vivo realizadas no Yokosuka Cultural Center em setembro de 1972, incluindo uma energética versão de quase 25 minutos de "Hiroshima" com direito a solo de bateria e o escambau, em minha opinião, disparada a melhor coisa do álbum!


O problema é que nos registros de estúdio o FTB soa como se fosse outra banda, totalmente diferente da que registrou o "Satori" e o "Made In Japan", e nem a adição do velho conhecido Kuni Kawachi nos teclados, que aparentemente fica tentando soar como se fosse Jon Lord, do DEEP PURPLE, consegue salvar as composições, um tanto quanto desinspiradas...

Desânimo? Quem sabe esta tenha sido a causa do fim da banda, que se desintegrou no início de 1973.


Não consegui descobrir o paradeiro do baixista Jun Kozuki, cujo nome aparece em alguns lugares como sendo Jhun Kowzuki; o baterista George Wada, também creditado como Joji Wada, aparentemente também desistiu da carreira artística, mas tocou em uma espécie de "recriação" do "Satori", num evento realizado em 19 de setembro de 1998, cujas fotos podem ser vistas neste link. Kuni Kawachi também gravou alguns discos, inclusive com a participação do guitarrista Hideki, e nas minhas pesquisas, descobri que há um astrólogo homônimo pelo visto bastante famoso no Japão - ou seria a mesma pessoa?


Hideki Ishima se aprofundou nos estudos da cítara, e gravou/ participou de vários discos posteriores, tendo se tornado um músico bastante respeitado. Quando comecei a redigir esta matéria, achava que o primeiro integrante do FTB a lançar um solo teria sido o vocalista Joe, mas descobri que a primazia coube ao guitarrista, com um álbum solo chamado "One Day", editado em 1973, sobre o qual eu nunca tinha ouvido falar até me deparar com o relançamento em CD no catálogo da Freak Emporium, onde inclusive consta a capa.

Falando no Joe, em 1974 ele lança o tal solo com a participação de Hideki, primeiro de uma série de álbuns que gravaria em sua longa carreira; posteriormente ele produziria/ registraria discos de Reggae, gênero pelo qual viria a se apaixonar. Algumas fontes ainda afirmam que ele teve uma breve passagem pelo FAR OUT, embora não tenha deixado nada registrado.


Joe é um artista bastante conhecido no Japão, tanto que já em 1975 é editada uma compilação chamada "Times", creditada a JOE WITH FLOWER TRAVELLING BAND, e no decorrer dos anos ele excursionou com freqüência pelo país natal - em uma destas turnês ele teve o auxílio de Tony Levin (KING CRIMSON). Ainda em 1975, Joe subiu ao palco com Felix Pappalardi (MOUNTAIN), durante um festival realizado em Tokyo, produzido e organizado por Yuya Uchida, e algumas gravações deste evento (principalmente a do JEFF BECK) circulam por aí, conforme pode ser visto neste link.

Ele têm um site oficial, pouquíssimo informativo, que sequer menciona sua incursão no cinema em vários filmes, como em "Ulterior Motives" de 1992, lançado no Brasil somente em VHS sob o título "Caçada Internacional", onde Joe Yamanaka faz o papel de... Joe Yamanaka! Uma breve resenha e a capa do vídeo podem ser conferidos aqui.


Mas detentor de uma carreira cinematográfica bastante ativa é Yuya Uchida, que antes mesmo de Joe, ainda nos anos sessenta, vêm atuando nas telas do cinema: dentre os filmes mais famosos que participou estão "Black Rain" ("Chuva Negra"), onde no papel do inspetor Nahida Fake contracena com Michael Douglas e Andy Garcia, e "Merry Christmas Mr. Lawrence", conhecido no Brasil sob o título "Furyo - em Nome da Honra", com David Bowie interpretando o personagem principal e Yuya o comandante de uma prisão militar - mais detalhes (em português) podem ser vistos no webcine.com.br.

E ambos trabalham juntos em um filme de 2002, cuja trilha sonora é nada menos que o "Satori" tocado na íntegra: "Deadly Outlaw Rekka", cujo título em inglês é "Violent Fire", e se trata de uma história de vingança envolvendo a temida Yazuka, cujo enredo, a julgar pela descrição contida neste link é muito interessante, já que usa as músicas do álbum como estrutura para o andamento - o filme começa com um assassinato, emoldurado pelo agudo que Joe solta no início da primeira faixa... quem sabe um dia isto sai no Brasil?


Existe um tributo ao FTB feito por bandas japonesas - na realidade um EP com seis faixas, mas pelo visto é meio obscuro, já que a única referência que encontrei foi no site da Amazon do Japão. E uma espécie de homenagem à banda foi feita por uma espécie de superbanda nipônica formada por integrantes do GHOST e outros, que chegou a lançar em 1999 um álbum chamado "Help Your Satori Mind".

Porém, o fato mais bizarro de todos foi constatar que o MARDUK, uma respeitada banda de Black Metal, usou um trecho de "Satori Part 3" em uma composição chamada "Summers End", lançada no disco "La Grande Danse Macabre", de 2001! Pode ser que eles tenham se inspirado na recriação que o próprio FTB fez deste trecho em "Hiroshima", ou de repente pode até ser que se trate de uma composição erudita que eu desconheço, o fato é que nos créditos do CD consta apenas os nomes de dois integrantes: "Music: M. Steinmeyer Hökansson/ B.War e lyrics by M.S.H."


Piração? Pois bem, então confira este trecho de um minuto de ambas canções (arquivo .rar, 3mb) e depois me diga se é loucura minha ou se eu sem saber atingi o Satori e estou percebendo coisas que a maioria não percebe?

Quem me dera... mas um dia eu chego lá!

Por que destacamos matérias antigas no Whiplash.Net?

5000 acessosQuer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Hardão Setentista

5000 acessosO quê, quando, como, onde e porquê?5000 acessosBuffalo, Rock vulcânico direto da Austrália5000 acessosBang, o Sabbath americano?5000 acessosDust, direto das catacumbas5000 acessosNovember, legendário power-trio sueco5000 acessosBlue Cheer, os inventores do Heavy-Metal?5000 acessosSir Lord Baltimore, o Sirlordão5000 acessosJPT Scare Band, antes tarde que nunca!5000 acessosJosefus, The Dead Man From Texas5000 acessosAeroblus, o maior power trio latino americano5000 acessosBeatniks: LP reúne gravações dos pioneiros do Heavy Rock Lusitano3828 acessosRed Pony & Captain Marryat: o incurável vício da garimpagem de raridades0 acessosTodas as matérias sobre "Hardão Setentista"

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias da seção Matérias0 acessosTodas as matérias sobre "Hardão Setentista"0 acessosTodas as matérias sobre "Flower Travelling Band"

Guns N Roses e TeslaGuns N' Roses e Tesla
A história do "plágio" de "Patience"

FleaFlea
"Já pensei em deixar o RHCP um milhão de vezes"

Boatos no rockBoatos no rock
Satanismo, supositórios, sexo bizarro?

5000 acessosGaleria - Heavy Metal: nem sempre o estilo é sujo, feio e bruto5000 acessosDeath Metal: as 10 melhores (ou piores?) capas do estilo5000 acessosMetallica: Lars Ulrich usando calcinha no Rock in Rio?5000 acessosEx de Malmsteen: nos drogávamos e ele me batia5000 acessosAndre Matos: "Não estava preparado para cantar no Maiden!"2061 acessosShredding: os dez discos essenciais do estilo dos anos 80

Sobre Marcos A. M. Cruz

Editor do Whiplash.Net.

Mais matérias de Marcos A. M. Cruz no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online