Tradução - Murder Ballads - Nick Cave

WHIPLASH.NET - Rock e Heavy Metal!

Tradução - Murder Ballads - Nick Cave


  | Comentários:
Imagem

Song Of Joy

Have mercy on me, sir
Allow me to impose on you
I have no place to stay
And my bones are cold right through
I will tell you a story
Of a man and his family
And I swear that it is true

Ten years ago I met a girl named Joy
She was a sweet and happy thing
Her eyes were bright blue jewels
And we were married in the spring

I had no idea
What happiness and little love could bring
Or what life had in store
But all things move toward their end
All things move toward their their end
On that you can be sure

La la la la la la la la la la
La la la la la la la la la la

Then one morning
I awoke to find her weeping
And for many days to follow
She grew so sad and lonely
Became Joy in name only
Within her breast
There launched an unnamed sorrow
And a dark and grim force set sail
Farewell happy fields
Where joy forever dwells
*Hail horrors hail*

Was it an act of contrition
Or some awful premonition
As if she saw into the heart
Of her final blood-soaked night
Those lunatic eyes, that hungry kitchen knife
Ah, I see sir, that I have your attention!
Well, could it be?
How often I've asked that question
Well, then in quick succession
We had babies, one, two, three

We called them Hilda, Hattie and Holly
They were their mother's children
Their eyes were bright blue jewels
And they were quiet as a mouse
There was no laughter in the house
No, not from Hilda, Hattie or Holly
"No wonder", people said
"poor mother Joy's so melancholy"
Well, one night
There came a visitor to our little home
I was visiting a sick friend
I was a doctor then
Joy and the girls were on their own

La la la la la la la la la la
La la la la la la la la la la

Joy had been bound with electrical tape
In her mouth a gag
She'd been stabbed repeatedly
And stuffed into a sleeping bag
In their very cots
My girls were robbed of their lives
Method of murder much the same as my wife's
Method of murder much the same as my wife's
It was midnight when I arrived home
Said to the police on the telephone
Someone's taken four innocent lives

They never caught the man
He's still on the loose
It seems he has done many many more
Quotes John Milton
On the walls in the victim's blood
The police are investigating
At tremendous cost
In my house he wrote
"his red right hand"
That, I'm told is from Paradise Lost
The wind round here gets wicked cold
But my story is nearly told
I fear the morning will bring quite a frost

And so I've left my home
I drift from land to land
I am upon your step
And you are a family man
Outside the vultures wheel
The wolves howl, the serpents hiss
And to extend this small favor, friend
Would be the sum of earthly bliss
Do you reckon me a friend?
The sun to me is dark
And silent as the moon
Do you, sir, have a room?
Are you beckoning me in?

La la la la la la la la la la
La la la la la la la la la la

Canção da Joy (Alegria)

Tenha piedade de mim, senhor
Permita-me impor a ti
Não tenho onde ficar
E meus ossos estão completamente gelados
Eu lhe contarei uma estória
De um homem e sua família
E eu lhe juro que é verdade

Dez anos atrás eu conheci uma garota chamada Joy
Ela era uma coisa doce e alegre
Seus olhos eram jóias azuis brilhantes
E nos casamos na primavera

Eu não tinha idéia
O que felicidade e um pouco de amor poderiam trazer
Ou o que a vida tinha reservado
Mas todas as coisas movem-se em direção ao seu fim
Todas as coisas movem-se em direção ao seu fim
Quanto a isto pode ter certeza

La la la la la la la la la la
La la la la la la la la la la

Então uma manhã
Eu acordei para encontra-la chorando
E por muitos dias a seguir
Ela crescia tão triste e solitária
Tornando-se Alegria apenas no nome
Dentro de seu peito
Lá lançara uma mágoa sem nome
E uma força escura e soturna zarpou
Adeus campos felizes
Onde a alegria para sempre mora
*Ave horror ave*

Seria um ato de contrição
Ou alguma terrível premonição?
Como se ela enxergasse dentro de seu coração
De sua noite final encharcada de sangue
Aqueles olhos lunáticos, aquela faminta faca de cozinha
Ah, eu vejo senhor, que eu tenho sua atenção!
Bem, poderia ser?
Quão freqüente eu me faço esta pergunta
Bem, então em uma rápida sucessão
Tivemos nenéns, um, dois, três

Nós os chamamos de Hilda, Hattie e Holly
Elas eram as crianças de sua mãe
Seus olhos eram jóias azuis brilhantes
E elas eram silenciosas como um camundongo
Não havia riso na casa
Não, não de Hilda, Hattie ou Holly
“Não me admira”, as pessoas diziam
“a pobre mãe Joy é tão melancólica”
Bem, certa noite
Chegou um visitante ao nosso pequeno lar
Eu estava visitando um amigo doente
Eu era um médico então
Joy e as meninas estavam sós

La la la la la la la la la la
La la la la la la la la la la

Joy foi amarrada com fita elástica
Em sua boca uma mordaça
Ela fora esfaqueada repetidamente
E enfiada em um saco de dormir
Em suas próprias camas
Minhas meninas foram roubadas de suas vidas
Método de assassinato bem o mesmo que minha esposa
Método de assassinato bem o mesmo que minha esposa
Era meia noite quando cheguei em casa
Disse a polícia pelo telefone
Alguém tirou quatro vidas inocentes

Eles jamais apanharam o homem
Ele continua solto
Me parece que ele tem feito muito, muito mais
Cita John Milton
Nas paredes com o sangue das vítimas
A policia está investigando
A um tremendo custo
Em minha casa ele escreveu
“sua mão direita avermelhada”
Isso, eu sou informado é de Paraíso Perdido
O vento por aqui torna-se maldosamente frio
Mas minha história está quase contada
Eu temo que a manhã trará uma boa geada

E então eu deixei minha casa
Eu vou a deriva de terra em terra
Estou diante de sua entrada
E você é um homem de família
Lá fora os urubus rondam
Os lobos uivam, as serpentes silvam
E para estender este pequeno favor, amigo
Seria a soma de uma satisfação terrena
Você me considera um amigo?
O sol para mim é escuro
E silencioso como a lua
Você, senhor, tem um quarto?
Estás me acenando a entrar?

La la la la la la la la la la
La la la la la la la la la la

Stagger Lee

(Trad./Cave, Bargeld, Casey,
Harvey, Savage, Sclovunos, Wydler)

It was back in '32 when times were hard
He had a Colt .45 and a deck of cards
Stagger Lee

He wore rat-drawn shoes
And an old stetson* hat
Had a '28 Ford, had payments on that
Stagger Lee

His woman threw him out in the ice and snow
And told him, "Never ever come back no more"
Stagger Lee

So he walked through the rain
And he walked through the mud
Till he came to a place called
The Bucket Of Blood
Stagger Lee

He said "Mr Motherfucker, you know who I am"
The barkeeper said
"No, and I don't give a good goddamn"
To Stagger Lee

He said, "Well bartender, it's plain to see
I'm that bad motherfucker called Stagger Lee"
Mr. Stagger Lee

Barkeep said
"Yeah, I've heard your name down the way
And I kick motherfucking asses*
Like you every day"
Mr Stagger Lee

Well those were the last words
That the barkeep said
'Cause Stag put four holes
In his motherfucking head

Just then in came a broad
Called Nellie Brown
Was known to make more money
Than any bitch in town

She struts across the bar, hitching up her skirt
Over to Stagger Lee, she starts to flirt
With Stagger Lee

She saw the barkeep, said
"O God, he can't be dead!"
Stag said, "Well, just count the holes
in the motherfucker's head"
She said
"You ain't look like you scored in quite a time
Why not come to my pad?
It won't cost you a dime"
Mr. Stagger Lee

"But there's something I have to say
Before you begin
You'll have to be gone before my man
Billy Dilly comes in
Mr. Stagger Lee"

"I'll stay here till Billy comes in
Till time comes to pass
And furthermore
I'll fuck Billy in his motherfucking ass"
Said Stagger Lee

"I'm a bad motherfucker, don't you know
And I'll crawl over fifty good pussies
Just to get one fat boy's asshole"
Said Stagger Lee

Just then Billy Dilly rolls in and he says
"You must be
That bad motherfucker called Stagger Lee"
Stagger Lee

"Yeah, I'm Stagger Lee
And you better get down on your knees
And suck my dick, because
If you don't you're gonna be dead"
Said Stagger Lee

Billy dropped down and slobbered on his head
And Stag filled him full of lead
Oh yeah

Stagger Lee

(Trad./Cave, Bargeld, Casey,
Harvey, Savage, Sclovunos, Wydler)

Foi lá em 32 quanto os tempos eram difíceis
Ele tinha um Colt 45 e um baralho de cartas
Stagger Lee

Ele usava sapatos desgastados pelos ratos
E um velho chapéu de vaqueiro
Tinha um Ford 28, tinha parcelas a pagar
Stagger Lee

Sua mulher o botou pra fora no gelo e na neve
E lhe disse, “Jamais volte aqui novamente”
Stagger Lee

Então ele caminhou pela chuva
E caminhou pela lama
Até chegar a um lugar chamado
O Balde de Sangue
Stagger Lee

Ele disse, “Sr. Filho da puta, você sabe quem eu sou”
O atendente do bar disse
“Não, e não dou a mínima”
Ao Stagger Lee

Ele disse, “Bem, atendente, é fácil de ver
Sou o maldoso filho da puta chamado Stagger Lee”
Sr. Stagger Lee

O atendente do bar disse
“É, eu ouvi seu nome pelo caminho
E eu chuto bundas de filhos da puta
Como você todos os dias”
Sr. Stagger Lee

Bem estas foram as últimas palavras
Que o atendente do bar disse
Pois Stag abriu quatro buracos
Em sua cabeça filha da puta

Foi então que chegou uma vadia
Chamada Nellie Brown
Era conhecida por fazer mais dinheiro
Que qualquer puta da cidade

Ela rebola pelo bar, levantando sua saia
Para Stagger Lee, ela começa a flertar
Com Stagger Lee

Ela viu o atendente do bar, disse
“Ò Deus, ele não pode estar morto!”
Stag, disse, “Bem, basta contar os buracos
na cabeça desse filho da puta”
Ela disse
“Parece que você não trepa há um bocado de tempo
Porque não vem para o meu quarto?
Não irá te custar uma moeda”
Sr. Stagger Lee

“Mas há algo que preciso dizer
Antes que você comece
Você terá que dar o fora antes que meu homem
Billy Dilly entre
Sr. Stagger Lee”

“Eu ficarei aqui até Billy chegar
Até o tempo passar
E além disso
Eu comerei o filho da puta do Billy na bunda”
Disse Stagger Lee

“Sou um malvado filho da puta, não sabe disso
E eu rastejo por cima de cinqüenta xoxotas
Apenas para pegar um cu de um menino gorducho”
Disse Stagger Lee

Foi então que Billy Dilly entra e diz
“Você deve ser
Aquele malvado filho da puta chamado Stagger Lee”
Stagger Lee

“É, eu sou Stagger Lee
E é melhor você se ajoelhar
E chupar o meu pau, porque
Se não o fizer você estará morto”
Disse Stagger Lee

Billy caiu e babou o cabeção
E Stag lhe encheu de chumbo
Oh yeah

* Stetson – marca registrada para chapéu tradicionalmente associado ao vaqueiro americano.

* kick ass - chutar bunda; expressão idiomática com utilização variada. Neste caso, significa dar uma surra, vencer um duelo físico.

Henry Lee

(Traditional/Cave)

Get down, get down, little Henry Lee
And stay all night with me
You won't find a girl
In this damn world
That will compare with me
And the wind did howl and the wind did blow
La la la la la
La la la la lee
A little bird lit down on Henry Lee

I can't get down and I won't get down
And stay all night with thee
For the girl I have in that merry green land
I love far better than thee
And the wind did howl and the wind did blow
La la la la la
La la la la lee
A little bird lit down on Henry Lee

She leaned herself against a fence
Just for a kiss or two
And with a little pen-knife held in her hand
She plugged him through and through
And the wind did roar and the wind did moan
La la la la la
La la la la lee
A little bird lit down on Henry Lee

Come take him by his lilly-white hands
Come take him by his feet
And throw him in this deep deep well
Which is more than one hundred feet
And the wind did howl and the wind did blow
La la la la la
La la la la lee
A little bird lit down on Henry Lee

Lie there, lie there, little Henry Lee
Till the flesh drops from your bones
For the girl you have in that merry green land
Can wait forever for you to come home
And the wind did howl and the wind did moan
La la la la la
La la la la lee
A little bird lit down on Henry Lee

Henry Lee

(Traditional/Cave)

Desça, desça, pequeno Henry Lee
E fique a noite toda comigo
Você não encontrará uma garota
Neste mundo insignificante
Que se compare a mim
E o vento uivou e o vento soprou
La la la la la
La la la la lee
Um passarinho pousou sobre Henry Lee

Eu não posso descer e não vou descer
E ficar a noite toda contigo
Pois a garota que tenho naquela terra verde e alegre
Eu amo bem mais do que ti
E o vento uivou e o vento soprou
La la la la la
La la la la lee
Um passarinho pousou sobre Henry Lee

Ela se inclinou sobre uma cerca
Só por um ou dois beijos
E com um pequeno canivete em sua mão
Ela o apunhalou firmemente
E o vento rugiu e o vento gemeu
La la la la la
La la la la lee
Um passarinho pousou sobre Henry Lee

Venha leva-lo por suas mãos brancas como lírios
Venha leva-lo pelos pés
E joga-lo neste poço profundo, profundo
Que é mais do que cem pés
E o vento uivou e o vento soprou
La la la la la
La la la la lee
Um passarinho pousou sobre Henry Lee

Ali jaz, ali jaz, o pequeno Henry Lee
Até que a carne solte de seus ossos
Pois a garota que você tem naquela terra verde e alegre
Pode esperar para sempre que você volte para casa
E o vento uivou e o vento gemeu
La la la la la
La la la la lee
Um passarinho pousou sobre Henry Lee

Lovely Creature

(Nick Cave)

There she stands, this lovely creature
There she stands, there she stands
With her hair full of ribbons
And green gloves on her hands

So I asked this lovely creature
Yes, I asked. Yes I asked
Would she walk with me a while
Through this night so fast

She took my hand, this lovely creature
"Yes", she said, "Yes", she said
"Yes, I'll walk with you a while"
It was a joyful man she led

Over hills, this lovely creature
Over mountains, over ranges
By great pyramids and sphinxs
We met drifters and strangers

Oh the sands, my lovely creature
And the mad moaning winds
At night the deserts writhed
With diabolical things

Through the night, through the night
The wind lashed and it whipped me
When I got home
My lovely creature
She was no longer with me

Somewhere she lies, this lovely creature
Beneath the slow drifting sands
With her hair full of ribbons
And green gloves on her hands

Adorável Criatura

(Nick Cave)

Ali se encontra, esta adorável criatura
Ali se encontra, ali se encontra
Com seu cabelo cheio de fitas
E luvas verdes em suas mãos

Então eu pergunto a esta adorável criatura
Sim, eu pergunto. Sim, eu pergunto
Será que ela andaria comigo por um tempo
Através desta noite tão ligeira

Ela pegou minha mão, esta adorável criatura
“Sim”, ela disse, “Sim”, ela disse“
Sim, eu andarei com você por um tempo”
Foi um homem contente que ela conduziu

Sobre as colinas, esta adorável criatura
Sobre as montanhas, sobre as cordilheiras
Pelas grandes pirâmides e esfinges
Nos encontramos errantes e estranhos

Oh as areias, minha adorável criatura
E os ventos que gemeram furiosos
A noite os desertos se contorcem
Com coisas diabólicas

Durante a noite, durante a noite
O vento lanhou e me açoitou
Quando eu cheguei em casa
Minha adorável criatura
Ela não estava mais comigo

Em algum lugar ela está, esta adorável criatura
Debaixo das areias movediças
Com seus cabelos cheios de fitas
E luvas verdes em suas mãos

Where The Wild Roses Grow

(Nick Cave)

They call me The Wild Rose
But my name was Elisa Day
Why they call me it I do not know
For my name was Elisa Day

From the first day I saw her
I knew she was the one
She stared in my eyes and smiled
For her lips were the colour of the roses
That grew down the river
All bloody and wild

When he knocked on my door
And entered the room
My trembling subsided in his sure embrace
He would be my first man
And with a careful hand
He wiped at the tears that ran down my face

On the second day I brought her a flower
She was more beautiful
Than any woman I'd seen
I said
"Do you know where the wild roses grow
So sweet and scarlet and free?"

On the second day
He came with a single red rose
Said:
"Will you give me your loss and your sorrow"
I nodded my head, as I lay on the bed
He said, "If I show you the roses, will you follow?"

On the third day he took me to the river
He showed me the roses and we kissed
And the last thing I heard was a muttered word
As he knelt (stood smiling) above me
With a rock in his fist

On the last day
I took her where the wild roses grow
And she lay on the bank, the wind light as a thief
And I kissed her goodbye, said
"All beauty must die"
And leant down and planted a rose
Between her teeth

Onde As Rosas Silvestres Crescem

(Nick Cave)

Eles me chamam de A Rosa Silvestre
Mas meu nome é Elisa Day
Porque me chamam assim eu não sei
Pois meu nome é Elisa Day

Do primeiro dia que eu a vi
Sabia que ela era aquela
Ela fixava o olhar em meus olhos e sorria
Pois seus lábios eram da cor das rosas
Que cresciam junto ao rio
Todo sangrento e silvestre

Quando ele bateu na minha porta
E entrou no quarto
Minha tremedeira parou em seu abraço seguro
Ele seria o meu primeiro homem
E com uma mão cuidadosa
Ele enxugou as lágrimas que corriam pelo meu rosto

No segundo dia eu comprei flores para ela
Ela era mais bonita
Que qualquer mulher que eu tenha visto
Eu disse
“Você sabe onde as rosas silvestres crescem
Tão docemente e escarlates e livres?”

No segundo dia
Ele chegou com uma solitária rosa vermelha
Disse:
“Você vai me dar sua desgraça e sua tristeza?”
Eu balancei a cabeça, enquanto deitava na cama
Ele disse: “Se eu lhe mostrar as rosas, você seguirá?”

No terceiro dia ele me levou ao rio
Ele me mostrou as rosas e nos beijamos
E a última coisa que ouvi foi uma palavra murmurada
Enquanto ele se ajoelhou (sorrindo) em mim
Com uma pedra em seu punho

No último dia
Eu a levei onde as rosas selvagens crescem
E ela se deitou à margem, o vento leve como um ladrão
E eu a dei um beijo de despedida, disse:
“Toda beleza deve morrer”
E descendi e plantei uma rosa
Entre os seus dentes

The Curse Of Millhaven

(Nick Cave)

I live in a town called Millhaven
And it's small and it's mean and it's cold
But if you come around
Just as the sun goes down
You can watch the whole town turn to gold
It's around about then that I used to go a-roaming
Singing La la la la La la la lie
All God's children they all gotta die

My name is Loretta but I prefer Lottie
I'm closing in on my fifteenth year
And if you think you have seen
A pair of eyes more green
Then you sure didn't see them around here
My hair is yellow and I'm always a-combing
La la la la La la la lie
Mama often told me we all got to die

You must have heard about The Curse Of Millhaven
How last Christmas
Bill Blake's little boy didn't come home
They found him next week in One Mile Creek
His head bashed in and his pockets full of stones
Well, just imagine all the wailing and moaning
La la la la La la la lie
Even little Billy Blake's boy, he had to die

Then Professor O'Rye from Millhaven High
Found nailed to his door his prize-winning terrier
Then next day the old fool
Brought little Biko to school
And we all had to watch
As he buried her
His eulogy to Biko had all the tears a-flowing
La la la la La la la lie
Even God's little creatures, they have to die

Our little town fell into a state of shock
A lot of people were saying things
That made little sense
Then the next thing you know
the head of Handyman Joe
Was found in the fountain of the Mayor's residence
Foul play can really get a small town going
La la la la La la la lie
Even God's children all have to die

Then, in a cruel twist of fate, old Mrs Colgate
Was stabbed but the job was not complete
The last thing she said
Before the cops pronounced her dead, was:
"My killer is Loretta
and she lives across the street!"
Twenty cops burst through my door
Without even phoning
La la la la La la la lie
The young ones, the old ones, they all gotta die

Yes, it is I, Lottie. The Curse Of Millhaven
I've struck horror in the heart of this town
Like my eyes ain't green
And my hair ain't yellow
It's more like the other way around
I gotta pretty little mouth underneath all the foaming
La la la la La la la lie
Sooner or later we all gotta die

Since I was no bigger than a weavil
They've been saying I was evil
That if "bad" was a boot that I'd fit it
That I'm a wicked young lady
But I've been trying hard lately
O fuck it! I'm a monster! I admit it!
It makes me so mad
My blood really starts a-going
La la la la La la la lie
Mama always told me that we all gotta die

Yeah, I drowned the Blakey kid
Stabbed Mrs. Colgate, I admit
Did the handyman
With his circular saw
In his garden shed
But I never crucified little Biko
That was two junior high school psychos
Stinky Bohoon and his friend
With the pumpkin-sized head
I'll sing to the lot, now you got me going
La la la la La la la lie
All God's children have all gotta die

There were all the others
All our sisters and brothers
You assumed were accidents, best forgotten
Recall the children
Who broke through the ice on Lake Tahoo?
Everyone assumed the "Warning" signs
Had followed them to the bottom
Well, they're underneath the house
Where I do quite a bit of stowing
La la la la La la la lie
Even twenty little children, they had to die

And the fire of '91 that razed the Bella Vista slum
There was the biggest shit-fight
This country's ever seen
Insurance companies ruined
Land lords getting sued all
Cause of wee girl with a can of gasoline
Those flames really roared
When the wind started blowing
La la la la La la la lie
Rich man, poor man, all got to die

Well I confessed to all these crimes
And they put me on trial
I was laughing when they took me away
Off to the asylum in an old black Mariah
It ain't home, but you know
It's fucking better than jail
It ain't such bad old place to have a home in
La la la la La la la lie
All God's children they all gotta die

Now I got shrinks that will not rest
With their endless Rorschach tests
I keep telling them they're out to get me
They ask me if I feel remorse and I answer
"Why of course!
There is so much more I could have done
If they'd let me!"
So it's Rorschach and Prozac
And everything is groovy
Singing La la la la La la la lie
All God's children they all have to die
La la la la La la la lie
I'm happy as a lark and everything is fine
Singing La la la la La la la lie
Yeah, everything is groovy and everything is fine
Singing La la la la La la la lie
All God's children they gotta die

A Praga de Millhaven

(Nick Cave)

Eu vivo em uma cidade chamada Millhaven
E ela é pequena, ela é perigosa e ela é fria
Mas se você aparecer por aqui
Assim que o sol se pôr
Você pode assistir a cidade inteira virar ouro
É por volta dessa hora que eu costumo ir vagar
Cantando La la la la La la lie
Todos os filhos de Deus eles têm que morrer

Meu nome é Loretta mas eu prefiro Lottie
Estou chegando ao meu décimo quinto ano
E se você acha que viu
Um par de olhos mais verdes
Então com certeza você não os viu por aqui
Meu cabelo é amarelo e estou sempre penteando
La la la la La la lie
Mamãe me dizia que todos temos que morrer

Você deve ter ouvido sobre A Praga de Millhaven
Como no último Natal
O garotinho de Bill Blake não voltou pra casa
Eles o encontraram na semana seguinte em One Mile Creek
Sua cabeça afundada e seus bolsos cheios de pedras
Bem, imagine só toda a choradeira e gemidos
La la la la la la lie
Até mesmo o garotinho de Billy Blake, teve que morrer

Então o Professor O’Rye da Millhaven High
Encontrou pregado à sua porta, seu terrier (1) premiado
Então no dia seguinte, o velho tolo
Levou o pequeno Biko pra escola
E todos nós tivemos que assistir
Enquanto ele o enterrava
Seu elogio fúnebre a Biko era um rio de lágrimas
La la la la La la lie
Até mesmo as pequenas criaturas de Deus, têm que morrer

Nossa cidadezinha entrou em estado de choque
Um monte de gente estava dizendo coisas
Que não fazia o menor sentido
Então a próxima coisa você sabe,
a cabeça do Zé Faz-de-tudo
Foi encontrada no chafariz da residência do prefeito
Atrocidade pode realmente revoltar uma cidadezinha
La la la La la lie
Até mesmo os filhos de Deus, todos têm que morrer

Então, numa cruel reviravolta do destino, a velha Sra. Colgate
Fora esfaqueada mas o serviço não estava completo
A última coisa que ela disse
Antes que os policiais a declararam morta, foi:
“Minha assassina é Loretta
e ela vive do outro lado da rua”
Vinte policiais arrebentaram minha porta
Sem ao menos interfonar
La la la la La la lie
Os jovens, os velhos, todos eles têm que morrer

Sim, sou eu, Lottie. A Praga de Millhaven
Eu finquei terror no coração desta cidade
Como meus olhos não são verdes
E meu cabelo não é amarelo
É mais para o contrário
Eu tenho uma bela boquinha debaixo de toda espuma
La la la la La la la lie
Mais cedo ou mais tarde, todos nós temos que morrer

Desde quando eu não era maior do que um gorgulho
Eles andam dizendo que sou diabólica
Que se “má” fosse uma bota, ela iria me servirQue eu sou uma maldosa mulher jovem
Mas eu venho me esforçando mais ultimamente
Ah foda-se! Eu sou um monstro! Eu admito isso!
Isso me deixa tão enlouquecida (que)
Meu sangue realmente começa a correr
La la la la La la la lie
Mamãe sempre me dizia que todos nós temos que morrer

É, eu afoguei o guri do Blakey
Esfaqueei a Sra. Colgate, eu admito
Fiz o “faz-de-tudo”
Com sua serra circular
Em sua barraca de ferramentas pro jardim
Mas eu nunca crucifiquei o pequeno Biko
Isto foi dois psicopatas do ginásio
O fedorento Bohoon e seu amigo
Com a cabeça do tamanho de uma abóbora
Eu cantarei para a cambada, agora vocês me provocaram
La la la la La la la lie
Todos os filhos de Deus têm que morrer

Haviam todos os outros
Todas as nossas irmãs e irmãos
Vocês presumiram que foram acidentes, melhor esquecer
Lembra das crianças
Que atravessaram o gelo no Lago Tahoo?
Todas presumiram que os sinais de “Aviso”
Os seguiram pro fundo
Bem, elas estão debaixo da casa
Onde eu faço um bocado de armazenagens
La la la la La la la lie
Até mesmo vintes criancinhas, tiveram que morrer

E o fogo de ’91 que destruiu os cortiços de Bella VistaHouve o maior quebra-pau
Que este país já viu
Companhias de seguros arruinadas
Todos os proprietários de terras sendo processados
Por causa da garotinha com uma lata de gasolina
Aquelas chamas realmente urraram
Quando o vento começou a soprar
La la la la La la la lie
Homem rico, homem pobre, todos têm que morrer

Bem, eu confessei todos esses crimes
E eles me levaram a julgamento
Eu estava rindo quando eles me levaram embora
Para o hospício em um velho camburão preto
Não é um lar, mas você sabe
É bem melhor do que a cadeia
Não é um lugar tão ruim e velho pra ter um lar
La la la la La la la lie
Todos os filhos de Deus eles têm que morrer

Agora eu tenho psiquiatras que não irão descansar
Com seus infinitos testes Rorschach (2)
Eu continuo lhes dizendo que eles querem me pegar
Eles me perguntam se eu sinto remorso e eu respondo
“Mas é claro!
Há muito mais que eu poderia ter feito
Se eles me deixassem!”
Então é Rorschach e Prozac (3)
E tudo é manero
Cantando La la la la La la la lie
Todos os filhos de Deus eles têm que morrer
La la la la La la la lie
Estou feliz como uma cotovia (4) e tudo é agradável
Cantando La la la la La la la lie
Sim, tudo é manero e tudo é agradável
Cantando La la la la La la la lie
Todos os filhos de Deus eles têm que morrer

(1) Terrier = raça de cachorro, de pêlo duro ou áspero.

(2) Rorschach = psiquiatra suíço, criador dos exames de personalidade chamados Testes Rorschach.

(3) Prozac = Um medicamento inibidor de reabsorção de serotonina seletiva geralmente prescrito como um antidepressivo.

(4) Happy as a lark (feliz como uma cotovia) - expressão equivalente ao nosso 'feliz como um pinto no lixo.' Cotovia é um nome comum a várias aves canoras campestres do Velho Mundo, notáveis por seu canto, executado em vôo vertical.

The Kindness Of Strangers

(Nick Cave)

They found Mary Bellows cuffed to the bed
With a rag in her mouth and a bullet in her head
O poor Mary Bellows

She'd grown up hungry, she'd grown up poor
She left her home in Arkansas
O poor Mary Bellows

She wanted to see the deep blue sea
She travelled across Tennessee
O poor Mary Bellows

She met a man along the way
He introduced himself as Richard Slade
O poor Mary Bellows
Poor Mary thought that she might die
When she saw the ocean for the first time
O poor Mary Bellows

She checked into a cheap little place
Richard Slade carried in her old suitcase
O poor Mary Bellows

"I'm a good girl, sir", she said to him
I couldn't possibly permit you in
O poor Mary Bellows

Slade tipped his hat and winked his eye
And turned away without goodbye
O poor Mary Bellows

She sat on her bed and thought of home
With the sea breeze whistling all alone
O poor Mary Bellows

In hope and loneliness she crossed the floor
And undid the latch on the front door
O poor Mary Bellows

They found her the next day cuffed to the bed
A rag in her mouth and a bullet in her head
O poor Mary Bellows

So mothers keep your girls at home
Don't let them journey all alone
Tell them this world is full of danger
And to shun the company of strangers
O poor Mary Bellows
O poor Mary Bellows

A Bondade de Estranhos

(Nick Cave)

Eles encontraram Mary Bellows algemada à cama
Com uma mordaça em sua boca e uma bala na cabeça
Oh pobre Mary Bellows

Ela cresceu faminta, cresceu pobre
Deixou sua casa no Arkansas
Oh pobre Mary Bellows

Ela queria ver o azul profundo do mar
Ela viajou por todo Tennessee
Oh pobre Mary Bellows

Ela encontrou um homem pelo caminho
Ele se apresentou como Richard Slade
Oh pobre Mary Bellows
A pobre Mary Bellows achou que poderia morrer
Quando viu o oceano pela primeira vez
Oh pobre Mary Bellows

Ela se registrou em um lugarzinho barato
Richard Slade carregou pra dentro sua velha mala
Oh pobre Mary Bellows

“Eu sou uma boa moça, senhor”, ela disse a ele
Talvez não poderei deixa-lo entrar
Oh pobre Mary Bellows

Slade tirou seu chapéu e piscou o olho
E se afastou sem se despedir
Oh pobre Mary Bellows

Ela sentou na cama e pensou no lar
Com a brisa do mar uivando tão solitária
Oh pobre Mary Bellows

Na esperança e na solidão ela atravessou a sala
E abriu o trinco da porta da frente
Oh pobre Mary Bellows

Eles a encontraram no dia seguinte algemada à cama
Uma mordaça em sua boca e uma bala na cabeça
Oh pobre Mary Bellows

Então mães, mantenham suas filhas em casa
Não as deixe viajarem sozinhas
Diga-lhes que este mundo é cheio de perigos
E que evitem a companhia de estranhos
Oh pobre Mary Bellows
Oh pobre Mary Bellows

Crow Jane

(Nick Cave, Martin P.Casey)

Crow Jane Crow Jane
Crow Jane
Horrors in her head
That her tongue dare not name
She lives alone by the river
The rolling rivers of pain
Crow Jane Crow Jane
Crow Jane Ah hah huh

There is one shining eye on a hard-hat
The company closed down the mine
Winking on waters they came
Twenty hard-hats, twenty eyes
In her clapboard shack
Only six foot by five
They killed all her whiskey
And poured their pistols dry
Crow Jane Crow Jane
Crow Jane Ah hah huh

Seems you've remembered
How to sleep, how to sleep
The house dogs are in your turnips
And your yard dogs
Are running all over the street
Crow Jane Crow Jane
Crow Jane Ah hah huh

"O Mr. Smith and Mr. Wesson
Why you close up shop so late?"
"Just fitted out a girl who looked like a bird
Measured .32, .44, .38
I asked that girl which road she was taking
Said she was walking the road of hate
But she stopped on a coal-trolley
Up to New Haven
Population: 48"
Crow Jane Crow Jane
Crow Jane Ah hah huh

Your guns are drunk and smoking
They've followed you right back to your gate
Laughing all the way back from the new town
Population, now, 28
Crow Jane Crow Jane
Crow Jane Ah hah huh

Crow Jane

(Nick Cave, Martin P.Casey)

Crow Jane, Crow Jane
Crow Jane
Horrores em sua mente
Que sua língua não ousa mencionar
Ela vive sozinha perto do rio
Os rios que rolam a dor
Crow Jane, Crow Jane
Crow Jane, Ah hah huh

Há um brilho no olho do operário (1)
A companhia fechou a mina
Tremulando sobre as águas eles vieram
Vinte operários, vinte olhos
No seu barraco de madeira
De seis pés por cinco (2)
Eles assassinaram todo o seu uísque (3)
E entornaram suas pistolas (até) secar
Crow Jane, Crow Jane
Crow Jane, Ah hah huh

Parece que você se recorda
De como dormir, de como dormir
Os cães da casa estão em seus nabos
E seus cães de quintais
Estão correndo por toda a rua
Crow Jane, Crow Jane
Crow Jane, Ah hah huh

“Oh Sr. Smith e Sr. Wesson
Por que vocês fecham a loja tão tarde?”“
Acabamos de medir uma garota que parecia um pássaro, Medida .32, .44, .38
Eu perguntei àquela garota qual estrada ela pegava
Disse ela que estava andando pela estrada do ódio
Mas ela acabou em um bonde movido à carvão
Subindo a New Haven
População: 48”
Crow Jane, Crow Jane
Crow Jane, Ah hah huh

Suas armas estão embriagadas e fumegantes
Elas te seguiram até o seu portão
Rindo durante todo o percurso de volta da nova cidade
População, agora, 28
Crow Jane, Crow Jane
Crow Jane, Ah hah huh

(1) Hard-hat – capacete, modo popular de se referir a um operário. (2) Foot (Pé) é uma medida de comprimento equivalente a doze polegadas ou 30,48 cm. 5 por 6 pés, é um espaço equivalente a 1,83 m X 1,52 m

(3) Killed all her whiskey – assasinaram todo o uísque dela. Beberam todo o uísque dela.

O'Malley's Bar

(Nick Cave)

I am tall and I am thin
Of an enviable height
And I've been known to be quite handsome
In a certain angle and in certain light

Well I entered into O'Malley's
Said, "O'Malley I have a thirst"
O'Malley merely smiled at me
Said "You wouldn't be the first"

I knocked on the bar and pointed
To a bottle on the shelf
And as O'Malley poured me out a drink
I sniffed and crossed myself

My hand decided that the time was nigh
And for a moment it slipped from view
And when it returned, it fairly burned
With confidence anew

Well the thunder from my steely fist
Made all the glasses jangle
When I shot him, I was so handsome
It was the light, it was the angle

Huh! Hmmmmmm

"Neighbours!" I cried, "Friends!" I screamed
I banged my fist upon the bar
"I bear no grudge against you!"
And my dick felt long and hard

"I am the man for which no God waits
But for which the whole world yearns
I'm marked by darkness and by blood
And one thousand powder-burns"

Well, you know those fish
With the swollen lips
That clean the ocean floor
When I looked at poor O'Malley's wife
That's exactly what I saw

I jammed the barrel under her chin
And her face looked raw and vicious
Her head it landed in the sink
With all the dirty dishes

Her little daughter Siobhan
Pulled beers from dusk till dawn
And amongst the townfolk
She was a bit of a joke
But she pulled the best beer in town

I swooped magnificent upon her
As she sat shivering in her grief
Like the Madonna
Painted on the church-house wall
In whale's blood and banana leaf

Her throat it crumbled in my fist
And I spun heroically around
To see Caffrey rising from his seat
I shot that mother fucker down

Mmmmmmmmmm Yeah Yeah Yeah

"I have no free will", I sang
As I flew about the murder
Mrs. Richard Holmes, she screamed
You really should have heard her

I sang and I laughed, I howled and I wept
I panted like a pup
I blew a hole in Mrs. Richard Holmes
And her husband stupidly stood up

As he screamed, "You are an evil man"
And I paused a while to wonder
"If I have no free will then how can I
Be morally culpable, I wonder"

I shot Richard Holmes in the stomach
And gingerly he sat down
And he whispered weirdly, "No offense"
And then lay upon the ground

"None taken", I replied to him
To which he gave a little cough
With blazing wings I neatly aimed
And blew his head completely off

I've lived in this town for thirty years
And to no-one I am a stranger
And I put new bullets in my gun
Chamber upon chamber

And I turned my gun on the bird-like Mr. Brookes
I thought of Saint Francis and his sparrows
And as I shot down the youthful Richardson
It was St. Sebastian I thought of, and his arrows

Hhhhhhhhhh Mmmmmmmmmmmm

I said, "I want to introduce myself
And I am glad that all you came"
And I leapt upon the bar
And shouted out my name

Well Jerry Bellows, he hugged his stool
Closed his eyes and shrugged and laughed
And with an ashtray as big as
A fucking really big brick
I split his head in half

His blood spilled across the bar
Like a steaming scarlet brook
And I knelt at its edge on the counter
Wiped the tears away and looked

Well, the light in there was blinding
Full of God and ghosts of truth
I smiled at Henry Davenport
Who made an attempt to move

Well, from the position I was standing
The strangest thing I ever saw
The bullet entered through the top of his chest
And blew his bowels out on the floor

Well I floated down the counter
Showing no remorse
I shot a hole in Kathleen Carpenter
Recently divorced

But remorse I felt and remorse I had
It clung to every thing
From the raven's hair upon my head
To the feathers on my wings

Remorse squeezed my hand
In its fradulent claw
With it's golden hairless chest
And I glided through the bodies
And killed the fat man Vincent West

Who sat quietly in his chair
A man become a child
And I raised the gun up to his head
Executioner-style

He made no attempt to resist
So fat and dull and lazy
"Did you know I lived in your street?" I said
And he looked at me as though I were crazy

"O", he said, "I had no idea"
And he grew as quiet as a mouse
And the roar of the pistol when it went off
Near blew that hat right off the house

Hmmmmmm Uh Uh

Well, I caught my eye in the mirror
And gave it a long and loving inspection
"There stands some kind of man", I roared
And there did, in the reflection

My hair combed back
Like a raven's wing
My muscles hard and tight
And curling from the business end of my gun
Was a query-mark of cordite

Well I spun to the left, I spun to the right
And I spun to the left again
"Fear me! Fear me! Fear me!"
But no one did cause they were dead

Huh! Hmmmmmmmmm

And then there were the police sirens wailing
And a bull-horn squelched and blared
"Drop your weapons and come out
With your hands held in the air"

Well, I checked the chamber of my gun
Saw I had one final bullet left
My hand, it looked almost human
As I raised it to my head

"Drop your weapon and come out!
Keep your hands above your head!"
I had one long hard think about dying
And did exactly what they said

There must have been fifty cops out there
In a circle around O'Malley's bar
"Don't shoot", I cried, "I'm a man unarmed!"
So they put me in their car

And they sped me away from that terrible scene
And I glanced out of the window
Saw O'Malley's bar, saw the cops and the cars
And I started counting on my fingers

Aaaaaah
One Aaaaaah
Two Aaaaaah
Three Aaaaaaah
Four
O'Malley's bar O'Malley's bar

O Bar de O’Malley

(Nick Cave)

Eu sou alto e sou esbelto
De uma invejável estatura
E eu tenho uma reputação de ser um boa-pinta
Em um certo ângulo e uma certa luz

Bem, eu entrei no O’Malley’s
Disse: “O’Malley eu tenho uma sede”
O’Malley simplesmente sorriu pra mim
Disse “Você não seria o primeiro”

Eu bati no balcão e apontei
Para uma garrafa na prateleira
E enquanto O’Malley me servia um drinque
Eu dei uma cafungada e me benzi

Minha mão decidiu que a hora estava próxima
E por um instante ela sumiu de vista
E quando retornou, ela queimou brandamente
Com a confiança renovada

Bem, o trovão do meu punho de aço
Fez todos os copos retinir
Quando atirei nele, eu estava tão boa-pinta
Era a luz, era o ângulo

Huh! Hmmmmmm

"Vizinhos!" eu clamei, "Amigos!" Eu gritei
Eu bati meu punho no balcão
"Eu não guardo nenhum rancor contra vocês!"
E meu pau se sentiu comprido e duro

"Eu sou o homem pelo qual nenhum Deus espera
Mas que o mundo inteiro anseia
Eu sou marcado pelas trevas e por sangue
E mil queimaduras de pólvora"

Bem, você conhece aqueles peixes
Com os lábios inchados
Que limpam o fundo do oceano
Quando olhei para a pobre esposa do O'Malley
É exatamente isso que vi

Eu meti o cano debaixo de seu queixo
E seu rosto parecia cru e depravado
Sua cabeça acabou aterrissando na pia
Junto com todos as louças sujas

Sua pequena filha Siobhan
Tirava chopp do anoitecer até o amanhecer
E entre o povoado da cidade
Ela era motivo de piada
Mas ela tirava o melhor chopp na cidade

Eu me precipitei magnífico sobre ela
Enquanto ela se sentava tremendo em sua dor
Como a Madonna
Pintada na parede da igreja
Em sangue de baleia e folha de bananeira

Sua garganta se esfarelou em meu punho
E eu girei heroicamente ao redor
Para ver Caffrey levantar do seu assento
Eu atirei naquele filho da puta

Mmmmmmmmmm Yeah Yeah Yeah

"Não tenho nenhum livre arbítrio", eu cantei
Enquanto eu voava sobre o assassinato
Sra. Richard Holmes, ela gritou
Você realmente deveria tê-la ouvido

Eu cantei e ri, eu uivei e chorei
Eu ofeguei como um cachorrinho
E abri um buraco na Sra. Richard Holmes
E seu marido estupidamente se levantou

Enquanto ele gritava, "Você é um homem mau"
Eu parei um instante pra pensar
"Se eu não tenho nenhum livre arbítrio então como Posso ser moralmente culpado, eu ponderei"

Atirei em Richard Holmes no estômago
E cuidadosamente ele se sentou
E sussurrou estranhamente, "Não leve a mal"
E então se atirou ao chão

"Não levei", eu lhe respondi
O qual ele deu um pequeno tossido
Com asas flamejantes eu mirei com precisão
E estourei seus miolos completamente

Eu vivi nesta cidade durante trinta anos
E não sou um estranho a ninguém
E eu pus balas novas em minha arma
Câmara por câmara

E virei minha arma para o Sr. Brookes cara-de-pássaro
Pensei em São Francisco e seus pardais
E enquanto eu atirava no jovial Richardson
Era em São Sebastião que eu pensava, e suas flechas

Hhhhhhhhhh Mmmmmmmmmmmm

Eu disse, "eu quero me apresentar
E estou contente que todos vocês vieram"
E eu pulei sobre o balcão
E gritei meu nome

Bem Jerry Bellows, ele abraçou sua banqueta
Fechou os olhos, encolheu os ombros e riu
E com um cinzeiro tão grande quanto
Uma porra de um tijolo realmente grande
Eu rachei sua cabeça ao meio

Seu sangue derramou pelo bar
Como um riacho escarlate vaporoso
E eu me ajoelhei na ponta do balcão
Enxuguei as lágrimas e olhei

Bem, a luz lá dentro estava de cegar
Cheio de Deus e fantasmas da verdade
Eu sorri para Henry Davenport
Que tentou se mover

Bem, da posição que eu estava
A coisa mais estranha que já vi
A bala entrou pelo alto do seu peito
E estourou suas tripas no chão

Bem eu flutuei pelo balcão abaixo
Demonstrando remorso algum
Abri um buraco em Kathleen Carpenter
Recentemente divorciada

Mas remorso eu senti e remorso eu tive
Se prendia em tudo
Do pêlo do corvo em minha cabeça
Até as penas em minhas asas

O remorso espremeu minha mão
Em suas garras fraudulentas
Com seu peito dourado e sem pêlos
E eu deslizei em meio aos corpos
E matei o homem gordo Vincent West

Que se sentou calmamente em sua cadeira
Um homem se torna uma criança
E eu levantei a arma até sua cabeça
Estilo carrasco

Ele não ofereceu nenhuma resistência
Tão gordo e enfadonho e preguiçoso
"Você sabia que eu morei na sua rua?" Eu disse
E ele olhou para mim como se eu estivesse louco

"Oh", ele disse, "eu não fazia idéia"
E ele foi ficando quieto como um camundongo
E o estrondo da pistola quando disparou
Quase jogou aquele chapéu para fora da casa

Hmmmmmm Uh Uh

Bem, eu me peguei me olhando no espelho
E dei uma longa e carinhosa inspeção
"Eis aqui um tipo de homem", eu urrei
E assim se mostrou, no reflexo

Meus cabelos penteados para trás
Como a asa de um corvo
Meus músculos fortes e rígidos
E rodopiando do lado sério da minha arma
Estava um marco de indagação de cordite*

Bem eu girei pra esquerda, girei pra direita
E girei pra esquerda novamente
"Temam a mim! Temam a mim! Temam a mim!"
Mas ninguém temeu pois eles estavam mortos

Huh! Hmmmmmmmmm

E então surgiu a sirene da polícia
E um megafone silenciou e bradou
"Largue suas armas e saia
Com suas mãos para o alto"

Bem, eu chequei a câmara de minha arma
Vi que me restava uma última bala
Minha mão, parecia quase humana
Enquanto eu apontava para minha cabeça

"Largue sua arma e saia!
Mantenha suas mãos sobre a cabeça!"
Eu tive um longo pensamento sobre morrer
E fiz exatamente o que eles disseram

Devia ter cinqüenta policiais lá fora
Em volta do bar de O'Malley
"Não atire", eu gritei, "eu sou um homem desarmado!"
Então eles me puseram no carro

E me levaram para longe daquela cena terrível
E eu espiei da janela
Vi o bar de O'Malley, vi os policiais e os carros
E comecei a contar nos dedos

Aaaaaah
Um Aaaaaah
Dois Aaaaaah
Três Aaaaaaah
Quatro
O bar de O'Malley, o bar de O'Malley

* Cordite = pólvora sem fumaça, à base de nitrocelulose.

Death Is Not The End

(Bob Dylan)

When you're sad and when you're lonely
And you haven't got a friend
Just remember that death is not the end

And all that you held sacred
Falls down and does not mend
Just remember that death is not the end
Not the end, not the end
Just remember that death is not the end

When you're standing on the crossroads
That you cannot comprehend
Just remember that death is not the end

And all your dreams have vanished
And you don't know what's up the bend
Just remember that death is not the end
Not the end, not the end
Just remember that death is not the end

When the storm clouds
gather round you
And heavy rains descend
Just remember that death is not the end

And there's no-one there to comfort you
With a helping hand to lend
Just remember that death is not the end
Not the end, not the end
Just remember that death is not the end

For the tree of life is growing
Where the spirit never dies
And the bright light of salvation
Up in dark and empty skies
When the cities are on fire
With the burning flesh of men
Just remember that death is not the end

When you search in vain to find
Some law-abiding citizen
Just remember that death is not the end
Not the end, not the end
Just remember that death is not the end
Not the end, not the end
Just remember that death is not the end

Morte Não É O Fim

(Bob Dylan)

Quando estiver triste e quando estiver solitário
E não tiver nenhum amigo
Apenas lembre-se que a morte não é o fim

E tudo aquilo que você acreditou ser sagrado
Cair por terra e não se recompor
Apenas lembre-se que a morte não é o fim
Não é o fim, não é o fim
Apenas lembre-se que a morte não é o fim

Quando estiver parado numa encruzilhada
Que você não consegue compreender
Apenas lembre-se que a morte não é o fim

E todos os seus sonhos sumiram
E você não sabe o que estar por vir adiante
Apenas lembre-se que a morte não é o fim
Não é o fim, não é o fim
Apenas lembre-se que a morte não é o fim

Quando as nuvens de tempestades
se aglomeram ao seu redor
E a chuva forte cair
Apenas lembre-se que a morte não é o fim

E não há ninguém aí para te confortar
Com uma mão amiga para ajudar
Apenas lembre-se que a morte não é o fim
Não é o fim, não é o fim
Apenas lembre-se que a morte não é o fim

Pois a árvore da vida está crescendo
Onde o espírito nunca morre
E a luz clara da salvação
No alto em céus escuros e vazios
Quando as cidades estiverem em chamas
Com a queima da carne dos homens
Apenas lembre-se que a morte não é o fim

Quando você procura em vão encontrar
Algum cidadão cumpridor de leis
Apenas lembre-se que a morte não é o fim
Não é o fim, não é o fim
Apenas lembre-se que a morte não é o fim
Não é o fim, não é o fim
Apenas lembre-se que a morte não é o fim

End (fim) - Tanto no inglês quanto no português, a palavra pode ser empregada de duas formas, no sentido de final (término, desfecho) como também de finalidade, intenção, propósito. Subentende-se portanto que a frase Death Is Not The End é uma afirmação de que a morte não é final e tampouco deve ser levada como um propósito.








Criado em 1996, Whiplash.Net é o mais completo site sobre Rock e Heavy Metal em português. Em março de 2013 o site teve 1.258.407 visitantes, 2.988.224 visitas e 8.590.108 pageviews. Redatores, bandas e promotores podem colaborar pelo link ENVIAR MATERIAL no topo do site.

Esta é uma matéria antiga do Whiplash.Net. Por que destacamos matérias antigas?


  | Comentários:

Todas as matérias da seção Traduções
Todas as matérias sobre "Nick Cave"

Nick Cave: protagonizando filme a sair em 2014
Nick Cave & The Bad Seeds: vídeo do show no Glastonbury Festival
Metacritic: os discos mais aguardados de 2013
Nick Cave & Kylie Minogue: reunidos para regravação
Coldplay: sangue de Chris Martin em disco do Flaming Lips
Nick Cave: confirmando novo disco dos Bad Seeds
Grinderman: assista novo videoclipe ao vivo do grupo
Grinderman: Nick Cave e banda tocam em programa de TV
Grinderman: ouça o novo disco completo de Nick Cave
Nick Cave: músico participa de trilha sonora de "Pinocchio"
Nick Cave And The Bad Seeds: 2º álbum de banda paralela
Nick Cave: novo álbum anunciado para março
Nick Cave em trilha de Western hollywoodiano
Nasce Nick Cave (Bad Seeds)
Nick Cave lança DVD com shows em Londres

Os comentários são postados usando scripts do FACEBOOK e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Pense antes de escrever; os outros usuários e colaboradores merecem respeito;
Não seja agressivo, não provoque e não responda provocações com outras provocações;
Seja gentil ao apontar erros e seja útil usando o link de ENVIO DE CORREÇÕES;
Lembre-se de também elogiar quando encontrar bom conteúdo. :-)

Trolls, chatos de qualquer tipo e usuários que quebram estas regras podem ser banidos sem aviso. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Sobre Márcio Ribeiro

Nascido no ano do rato. Era o inicio dos anos sessenta e quem tirou jovens como ele do eixo samba e bossa nova foi Roberto Carlos. O nosso Elvis levou o rock nacional à televisão abrindo as portas para um estilo musical estrangeiro em um país ufanista, prepotente e que acabaria tomado por um golpe militar. Com oito anos, já era maluco por Monkees, Beatles, Archies e temas de desenhos animados em geral. Hoje evita açúcar no seu rock embora clássicos sempre sejam clássicos.

Mais matérias de Márcio Ribeiro no Whiplash.Net.

Sobre Fernando P. Silva

Fernando Silva é membro do Whiplash! e responsável pela seção de traduções. Colaborando com o site há mais de 5 anos, é quem organiza e revisa todas as traduções que são publicadas nesta seção, contando também com o auxílio de amigos e colaboradores do site. Eclético, curte desde o blues e um bom rock n' roll até o melhor do hard e do heavy, sendo o Metallica (até a eternidade) sua banda preferida. Correções de material postado anteriormente, críticas ou sugestões para novas traduções podem ser feitas através do contato direto com o autor. Email: [email protected].

Mais matérias de Fernando P. Silva no Whiplash.Net.

Link que não funciona para email (ignore)

QUEM SOMOS | ANUNCIAR | ENVIAR MATERIAL | FALE CONOSCO

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em março: 1.258.407 visitantes, 2.988.224 visitas, 8.590.108 pageviews.


Principal

Resenhas

Seções e Colunas

Temas

Bandas mais acessadas

NOME
1Iron Maiden
2Guns N' Roses
3Metallica
4Black Sabbath
5Megadeth
6Ozzy Osbourne
7Kiss
8Led Zeppelin
9Slayer
10AC/DC
11Angra
12Sepultura
13Dream Theater
14Judas Priest
15Van Halen

Lista completa de bandas e artistas mais acessados na história do site

Matérias mais lidas