Halford: um culto ao Deus do Metal em São Paulo

Resenha - Halford (Carioca Club, São Paulo, 24/10/2010)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Fernão Silveira, Fonte: Fernão Silveira
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Imagem
O templo estava mais para capela do que para catedral, mas de que isso importa se deus estava lá, em pessoa (junto a seus discípulos), pregando seu divino metal a plenos pulmões?? A capela: Carioca Club, em São Paulo. A celebracão: um domingo (24/10), claro. A esta altura, talvez o deus em questão dispense maiores apresentações... Que Deus abençoe Rob Halford, o primeiro e único Deus do Metal, que finalmente trouxe a sua banda HALFORD para um show na capital paulista.
Blend Guitar: em vídeo, as dez maiores bandas de Heavy MetalGrammy: mortes ignoradas, gravadoras desprezam o Metal

Confesso que, inadvertidamente, cheguei a pensar que o templo escolhido para o show de HALFORD não estivesse à altura da importância da banda. Felizmente, ledo engano. Apesar do palco apertadinho e do ar condicionado incapaz de refrescar os milhares de metaleiros – inclusive a banda - presentes, até que a casa respondeu muito bem ao desafio de receber o Deus do Metal e seu séquito de fiéis seguidores. Ademais, shows em clubes só aproximam mais artistas e fãs, o que por si só já é um grande barato.

E o que falar da proximidade entre Rob Halford e seus fãs nesta noite de domingo? Quem foi ao Carioca Club teve o privilégio de ver uma banda muito à vontade, feliz e disposta a recompensar o público com um show sólido - embora muito curto (só 1h25 de duração) – calcado em porradas deste grande projeto chamado HALFORD.

Uma felicidade visível no êxtase de Roy Z (guitarra) a cada solo diante de um público que ele conhece tão bem. Evidente nas trombadas de brincadeira que "Metal" Mike Chlasciak (guitarra) e Mike Davis (baixo) trocavam sobre o palco tão miúdo. Até Rob Halford não demorou a derreter (quase literalmente) com o calor do público. Sisudo e "durão" nas primeiras músicas, bastou cumprimentar a galera para que o frontman se soltasse e passasse a interagir de maneira muito legal com fãs e banda - conversando, fazendo piadas, dançando de forma hilária nas músicas mais agitadas e declarando inúmeras vezes seu amor aos fãs brasileiros.

Para deixar claro o clima de emoção e cumplicidade, vale destacar a bonita homenagem feita por Rob Halford a um colega tão brilhante e querido, que Deus tirou do nosso convívio este ano. Ao voltar para o bis, com bandeira do Brasil nos ombros, o frontman recebeu da platéia uma camiseta da banda DIO. Ao perceber de quem se tratava, Rob não demorou a exibir a peça para o público, pedindo aplausos para outro titã do metal: o imortal Ronnie James Dio. A casa veio abaixo.

Já que estamos falando de homenagens, o que se viu no Carioca Club foi um belo (porém curto) tributo ao Deus do Metal e seus 40 anos de rock pesado – como o próprio frontman fez questão de exaltar ao público. Fundeado por uma banda afiadíssima, com Roy, Metal Mike, Mike Davis e o excelente Bobby Jarzombek (bateria) matando a pau, Rob apresentou grandes canções de ontem e de hoje do HALFORD (que acaba de lançar novo álbum: "Made of Metal") e alguns poucos petardos de FIGHT e JUDAS PRIEST que fizeram valer cada centavo do ingresso.

"Resurrection", "Made In Hell" e "Locked and Loaded" abriram a festa e anteciparam o excelente show que estava por vir. Ainda do repertório do HALFORD, destaques especiais para a sempre explosiva "Golgotha" e para duas faixas do novo disco que prometem manter em alta a história do projeto paralelo de Rob: a faixa-tema, "Made in Hell", e a brutal (mas brilhante) "Fire and Ice".

Numa noite de homenagens, Rob Halford reproduziu dois covers eternizados pelo JUDAS PRIEST: "The Green Manalishi (With the Two-Prong Crown)", do FLEETWOOD MAC, e "Diamonds and Rust", de JOAN BAEZ – duas canções , aliás, que ficaram muito melhor nas cópias do que nos originais. Do JUDAS PRIEST mesmo, só "Jawbreaker". Foi pouco. Isso sem mencionar que apenas uma canção do FIGHT foi executada: "Nailed to the Gun" (uma das melhores da noite, aliás). Ok, é verdade que a noite era mesmo do HALFORD, mas facilmente caberiam alguns outros clássicos cantados por Rob à frente do JUDAS e do FIGHT. Obviamente, ficou o "gostinho de quero mais".

Que o Deus do Metal tenha piedade de nós e decida vir mais vezes ao Brasil para abençoar, pessoalmente, seus fiéis seguidores. Amém.

HALFORD – Carioca Club, São Paulo, 24/10/2010

Resurrection
Made In Hell
Locked and Loaded
Drop Out?
Made of Metal
Undisputed
Nailed to the Gun
Golgotha
Fire and Ice +
The Green Manalishi (With the Two-Prong Crown)
Diamonds and Rust
Jawbreaker
There's no Tomorrow
Thunder and Lightning
Cyber World
(BIS)
Heart of a Lion
Saviour

Quer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Outras resenhas de Halford (Carioca Club, São Paulo, 24/10/2010)

Halford: não é fácil ser deus e se manter no topo

Rock e Metal
Doze ótimos álbuns para iniciantes

Blend Guitar: em vídeo, as dez maiores bandas de Heavy MetalJudas Priest: oficialmente em estúdio gravando novo álbumComedy Central: Halford, Sambora, Bach e outros em sérieTodas as matérias e notícias sobre "Judas Priest"

Megatallica
Mashup do Iron Maiden com Judas Priest

Heavy Metal
Os 11 melhores álbuns da década de 70

Heavy Metal
Os 10 melhores solos de guitarra de todos os tempos

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Rob Halford"Todas as matérias sobre "Judas Priest"

Grammy
Mortes ignoradas, gravadoras desprezam o Metal

Guns N' Roses
Slash relembra Use Your Illusion e crise da banda

Nightwish
Anette conta como foi a seleção para cantar na banda

Noisecreep: dez melhores canções de Metal (e Hard) dos 80sIndústria: quanto $$$ ganham as bandas do "Time B" do Metal?Bruce Dickinson: vocalista elege seus 5 álbuns preferidosBruce Dickinson: foi difícil evitar as drogas durante toursAerosmith: "Comparações com os Stones costumavam nos chatear!"Vocalistas: as vozes mais agudas do Metal segundo o Noisecreep

Sobre Fernão Silveira

Paulistano, são-paulino, nascido nos "loucos anos 70" (1979 ainda é década de 70, certo?) e jornalista. Sua profissão já o levou a cobrir momentos antológicos da história da humanidade, como o título paulista do São Caetano, a conquista da Copa do Brasil pelo Santo André, a visita de Paris Hilton a São Paulo e shows de bandas como Judas Priest, Whitesnake, W.A.S.P., Megadeth, Slayer, Scorpions, Slipknot, Sepultura e por aí vai. Ainda tem muito gás para o nobre ofício jornalístico, mas acha que não vai muito mais longe depois de ter entrevistado Blackie Lawless, Glenn Tipton, Rogério Ceni e, claro, Paris Hilton.

Mais matérias de Fernão Silveira no Whiplash.Net.

Link que não funciona para email (ignore)

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online