Resenha - Evanescence (Parque Antártica, São Paulo, 21/04/2007)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Carol Oliveira
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

O Evanescence despontou como revelação em 2004 fazendo aquilo que bandas como Nightwish e After Forever já faziam por muito tempo. Se por um lado a novidade já não é tão nova assim por outro fez com que o estilo caísse nas graças da mídia e do grande público. O resultado disso: dois álbuns bem sucedidos, alguns prêmios, incluindo 2 Grammys, e uma turnê internacional. No último sábado, dia 21/04, foi a vez de São Paulo conferir tudo isso de perto.

Amy Lee: ouça "Speak To Me", da trilha "Voice From The Stone"Metal: 10 passos para você se tornar um verdadeiro metalhead

A abertura ficou por conta das bandas Luxúria e Silicon Fly (Uruguai). A primeira levantou a galera com “Ódio” e “Cinderella Compulsiva”. Rock nacional de qualidade e com uma vocalista que bota muita dessas roqueiras “geração Pitty” no chinelo. Pra quem não conhece a banda vale muito á pena conferir! Já a segunda caiu nas graças do Evanescence após ganhar o último Grammy latino mas parece que não surtiu o mesmo efeito com o público brasileiro.

A chuva bem que tentou atrapalhar, começou no início da tarde e insistiu em cair até o final da primeira música “Sweety Sacrifice”, e depois de destruir a chapinha e maquiagem das fãs adolescentes resolveu dar uma trégua. O show seguiu com “Weight of the World”, “Going Under”, “The only one” e “Lithium”

A vocalista e pianista Amy Lee brilha absoluta no palco fazendo de John LeCompt (Guitarra), Tim McCord (Baixo), Terry Balsamo (Guitarra) e Rocky Gray (Bateria) meros coadjuvantes. O som, que estava muito baixo, levantou suspeitas a cerca da voz da cantora, mas a dúvida foi se diluindo ao longo do show. A garota provou ter uma voz potente e afinada, além de muito charme e ótima presença de palco. Um pouco fria é verdade! Amy trocou poucas palavras com o público ao pedir que todo mundo desse dois passos para trás porque as pessoas estavam sendo esmagadas na grade, e ao final, quando o resto da banda voltou para jogar baquetas, palhetas e se despedir dos fãs a moça nem deu o ar da sua graça no palco.

Com exceção dos hits “Call me when You’re sober”, “Goin Under” e “Bring me to Life” (excelente música por sinal) todas as canções soam monótonas e praticamente iguais e só fã mesmo pra distinguir quando uma acaba e a outra começa.

Outro hit, “My Imortal” ficou para o final. Após 1 hora e 20 minutos “Your Star” encerrou o espetáculo.

Quer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Evanescence
"Bring Me To Life" não representa o que sinto hoje, diz Amy Lee

Amy Lee: ouça "Speak To Me", da trilha "Voice From The Stone"Evanescence: ouça faixa inédita lançada em nova compilaçãoAmy Lee: "Love Exists" é o novo single soloEvanescence: sempre quis provar ser mais que um rostinho bonitoTodas as matérias e notícias sobre "Evanescence"

Evanescence
Majura pega pesado com Phil após episódio racista

Fotos de Infância
Amy Lee, do Evanescence, muito antes da fama

Evanescence
Amy Lee conta qual a música mais difícil de cantar ao vivo

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Evanescence"

Metal
10 passos para você se tornar um verdadeiro metalhead

Sem imaginação?
Os nomes de bandas mais estúpidos da história

Slash
Ele teve aulas de guitarra com Myles Kennedy

Ultraje a Rigor: Roger diz que foi tratado como lixo pela equipe dos StonesCristina Scabbia: "Símbolo sexual? Fico surpresa com isto!"Eddie: a foto que supostamente inspirou Derek RiggsLista: 15 covers de Iron Maiden por bandas famosasFoo Fighters: Taylor Hawkins na noite paulistanaSebastian Bach: a "Escola de Grito" do vocalista

Sobre Carol Oliveira

Seu primeiro contato com o metal foi em 1993, quando, na época com 13 anos de idade, driblou a censura do Parque Antártica para assistir a apresentação do Metallica. Desde então gasta horas do seu dia e boa parte do seu salário vasculhando o que há de melhor entre os vários estilos musicais. Curte dos clássicos setentistas, passando pelo hard rock “farofa”, heavy metal e até mesmo indie e britpop. Formada em Radio e TV, já trabalhou em veículos como a Rádio Transamérica e o SBT, hoje é uma das sócias da MiG-18, a primeira agência de comunicação voltada pro mercado musical.

Mais matérias de Carol Oliveira no Whiplash.Net.

Link que não funciona para email (ignore)

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online