Sir Lord Baltimore, o Sirlordão

WHIPLASH.NET - Rock e Heavy Metal!

Sir Lord Baltimore, o Sirlordão


  | Comentários:

Ahá!!! Pensaram que eu tivesse sido riscado do mapa? Pois é, compromissos pessoais, excesso de serviço e otras cositas acabaram fazendo com que eu fosse obrigado a deixar a coluna de lado, pois se trata de algo feito nas horas vagas (coisa que se tornou para mim mais rara que muitos discos), embora cada vez que me deparasse com o nome "Hardão Setentista" na lateral esquerda do site me sentisse acometido de uma desagradável sensação de ausência do dever cumprido...

Imagem
Na realidade, este texto serve para matar dois cajados com uma coelhada, pois além de me forçar a ser um pouco mais constante nos meus projetos (quem me conhece sabe que sou um enrolado de marca maior), nele também aproveito para responder alguns leitores que volta e meia me escrevem pedindo mais informações sobre determinadas bandas, como é o caso do SIR LORD BALTIMORE, cujo álbum "Kingdom Come" é considerado uma das grandes influências de muitas bandas hoje em dia, principalmente na esfera "Stoner", caso do ATOMIC BITCHWAX, que teria feita sua primeira apresentação sob o nome "Helium Head", título de uma das faixas do disco.

Por sinal, tenho recebido uma boa quantidade de emails até hoje, respondi boa parte mas uma formatação no HD (leia-se "Hard Disk", não "Harley Davidson") me fez perder vários, por isso não sei quem foi que perguntou o quê.

Falando nos emails, a maioria se trata de usuários pedindo mais informações sobre bandas obscuras; alguns foram respondidos, outros anotados como sugestões para futuras matérias, e há aqueles que estão pendentes por eu não dispor de maiores dados, tal qual ocorre com o "Sir Lordão", tanto que o texto que vai seguir abaixo na prática se trata basicamente de uma compilação de informações diversas, falo pouco em si da história da banda.

Minha idéia seria fazer este retorno falando sobre o JPT SCARE BAND, mas como o pessoal da Planeta Stoner está para soltar uma matéria (com direito a entrevista) com os caras, resolvi guardar a minha por algum tempo.

Diga-se de passagem que este lance de bandas obscuras dos anos 70 a cada dia que passa me deixa mais estupefacto, pois não há semana em que eu não descubra algo do qual nunca tinha ouvido falar! Claro que nem tudo é uma Brastemp, mas pelo menos 50% do que têm surgido para mim nos últimos tempos é muito interessante, ou seja, ainda tenho muuuuita coisa para descobrir.

Bem, deixemos de ensebação e vamos ao que interessa:


Existem certas coincidências e correlações que, por mais bizarras que possam parecer, acontecem vez por outra: uma delas rolou comigo por volta dos dez anos de idade, época em que morava numa cidadezinha chamada Paty do Alferes, próximo à Miguel Pereira, interior do Estado do Rio; perto de casa havia uma senhora, Dona Elza, que morava só com algumas dezenas de gatos, e numa ocasião estávamos eu e minha mãe na casa dela, que nos mostrou um monte de fotos, algumas junto a personalidades tais como Carmem Miranda (Dona Elza havia sido atriz de teatro), outras com pessoas que aparentavam não ser de nosso país, devido à elegância - e não eram mesmo, pois quando jovem ela viajara mundo afora.

Uma das fotos me chamou a atenção, por mostrar um "cavalheiro" com direito à fraque, cartola e bengala. Não foi necessário perguntar quem era, pois a Dona Elza se antecipou e, meio suspirante, disse que se tratava do "senhor fulano de tal" (logicamente não lembro o nome), um legítimo Lorde de Oklahoma!

Quando fomos embora, comentei com a mamãe sobre a tal foto, e ela, confessando estar surpresa, perguntou-me: "Você percebeu?"

"Percebi o quê?", respondi.

"Ué, que ele foi uma grande paixão da Dona Elza!", disse mamãe.

"Paixão???", pensei espantado. Era criança, não havia sacado a coisa, podia ser metido a esperto e inteligente (eu era mesmo, CDF de marca maior), mas não tinha ainda malícia para notar certas coisas, foi necessário que a mamãe me despertasse para o suspiro da Dona Elza.

"Não mãe, 'tou falando que têm alguma coisa errada, pois os Lordes são ingleses, e não americanos", disse-lhe, me referindo ao fato óbvio de Oklahoma ficar nos EUA. Mamãe se limitou a dar de ombros, estava mais fascinada pela história que envolvia um romance do que pela suposta idiossincracia geográfica que eu apontara...

Imagem
Anos mais tarde, numa de minhas garimpagens vinílicas dou de cara com a capa ao lado, e arregalo os olhos, pensando em voz alta: "Ué, que raios será isto? Um Lorde em Baltimore?", tendo o vendedor respondido, por achar que eu lhe fizera uma pergunta: "Sir Lordão? Isto aí é Hardão dubão, pode levar que não têm erro não", sem se dar conta da rima bizonha que havia feito.

Claro que, após negociar um prazinho no cheque, voltei para casa feliz e contente com o disquinho na sacola, ao mesmo tempo em que relembrava aquele episódio na casa da Dona Elza, e pensava como na vida existem ligações pitorescas entre situações disparatadas...


Imagem
Antes do SLB, o guitarrista Louis Dambra, assinando como Louis Caine, tocou no KOALA, banda que lançou um disco em 1968, curiosamente distribuído nos EUA como sendo originário da Austrália! Aparentemente se tratava de uma estratégia da gravadora (Capitol Records) para promover o grupo de Nova Iorque, que praticava uma espécie de "punk de garagem", típico do final dos anos sessenta (é o que dizem, nunca ouvi este disco).

Imagem
Notaram que eu falei Nova Iorque? Pois é, ao contrário do que possa parecer, o trio formado pelo já citado Louis Dambra, juntamente com Gary Justin no baixo (foto ao lado) e John Garner na bateria e vocal, na realidade é originário do Brooklin, e não de Baltimore ou região. Muito estranho, concordam comigo?

Imagem
Pois é, isto torna ainda mais curioso o fato de terem adotado este nome - talvez tenha alguma relação com Sir George Calvert, conhecido como "The First Lord Baltimore" (seu filho e neto foram, respectivamente, "segundo" e "terceiro" Lord Baltimore), nobre britânico que fundou Maryland, grande incentivador da colonização dos EUA, tido como o primeiro a estabelecer os princípios de "liberdade civil e religiosa" que posteriormente serviriam de inspiração para a própria Constituição Americana.

(Tão pensando o quê? "Hardão Setentista" também é cultura...) :o)

Caso se confirme esta hipótese, até pelo fato da capa trazer o desenho estilizado de um navio (alusão aos colonizadores?), faltaria alguém explicar o porquê da banda ter escolhido este nome.

O trio consegue despertar atenção de Mike Appel e Jim Cretecos, que já haviam angariado uma certa fama com THE PARTRIDGE FAMILY (no Brasil conhecidos como "A Família Dó-Ré-Mi"), e recomendam o grupo para Dee Anthony, na época trabalhando como executivo para a gravadora Mercury Records, com a qual assinam contrato.

(Appel e Cretecos posteriormente trabalhariam com BRUCE SPRINGSTEEN, e Anthony seria um dos responsáveis pela ascensão de PETER FRAMPTON).

Sob a produção de Appel e Cretecos, juntamente com o lendário Eddie Kramer (engenheiro de som e produtor de confiança de JIMI HENDRIX, dentre outros), gravam um álbum, alternando-se entre o Electric Lady Studios de Nova Iorque e o Vantone Studios de New Jersey.

Imagem
Lançado no final de 1970 (algumas fontes dizem que teria sido em fevereiro de 1971), o "Kingdom Come" (clique aqui para ouvir trechos das faixas) trazia uma sonoridade bastante pesada para a época, graças aos riffs e solos de Dambra, a marcação precisa do baixo de Justin e o trabalho de bateria e vocais agressivos de Garner (foto ao lado), a ponto de ser considerado por alguns como o primeiro álbum de "Heavy-Metal" da história!

Pode não ter sido de fato primeiro do gênero a ser gravado, mas provavelmente foi o primeiro a ser chamado como tal! Acontece que, apesar de normalmente se atribuir a primazia ao uso da expressão (surgida na década de quarenta como "apelido" para um catalisador da reação atômica do Urânio, e posteriormente usado pelo escritor William S. Burroughs em seus livros) para a clássica canção "Born To Be Wild" do STEPPENWOLF, lançada em 1968, na realidade o "trovão de metal pesado" relatado na letra se trata do ronco de uma Harley, e não de uma determinada vertente do Rock.

Imagem
Por outro lado, se formos considerar somente a associação do têrmo com a música, o pioneiro foi um grupo chamado HAPSHASH & THE COLOURED COAT, que lançou em 1967 um disco chamado "Featuring The Human Host And The Heavy Metal Kids" (certo, Thiago?)

Existem muitas teorias, algumas dizendo que o primeiro a fazer uso da expressão para descrever um gênero musical teria sido o lendário crítico musical americano Lester Bangs (aquele retratado no filme "Quase Famosos") num texto de 1970, outras que um jornalista teria usado para relatar um show do BLUE OYSTER CULT para um jornal de Nova Iorque em 1971, e até quem afirme que já em 1968 alguém se referira ao MC5 usando o têrmo!

Imagem
Porém comprovado mesmo é o texto de autoria de outro crítico musical chamado Mike Saunders, publicado originalmente na edição de maio de 1971 da CREEM (publicação americana sobre música), onde ele, que passaria a ser conhecido posteriormente como "Metal Mike", ao resenhar o "Kingdom Come", chama o SLB de "Heavy Metal" - curiosamente, nesta mesma edição da revista surgiria a expressão "Punk Rock", ou seja, embora seja difícil de ser admitido por alguns, com base nisto podemos dizer que ambos gêneros são literalmente irmãos gêmeos...


Em 19 e 20 de fevereiro de 1971 o SLB toca no lendário Fillmore East, juntamente com o J. GEILS BAND e o BLACK SABBATH; entretanto, ao que parece, eles desagradam imensamente o dono do local, Bill Graham, que literalmente "expulsa" a banda do palco, alegando que sua apresentação era "horrível" ("hordas de adolescentes gritando tresloucadamente e uma barulheira infernal no palco" teria comentado Graham, não exatamente com estas palavras).

Imagem
Não vou chegar ao ponto de dizer que o segundo álbum, intitulado somente "Sir Lord Baltimore" seja horrível, mas comparado ao primeiro, realmente deixa bastante a desejar, pois ao invés do "peso" do anterior, neste eles resolveram investir numa sonoridade mais rebuscada, quase "progressiva", embora (na minha opinião) sem muita inspiração.

Mas vale lembrar que nesta ocasião eles já haviam rompido com Appel e Cretecos, e em seu lugar estava o produtor John Linde, que assim como a dupla, também é co-autor de todas as faixas, portanto pode ser que ele é quem tenha sido o responsável pela mudança de direcionamento musical.

Imagem
Por outro lado, neste disco, que foi o canto de cisne da banda, eles contam com um quarto integrante, Joey Dambra, irmão de Louis, tecladista e também guitarrista, que ainda por cima ajuda em alguns vocais.


Não se sabe o que aconteceu com Louis Dambra e Gary Justin; o irmão de Louis, Joey, foi para uma banda chamada COMMUNITY APPLE, e depois participaria do 44TH STREET FAIRIES, grupo composto por ninguém menos que JOHN LENNON, além de May Pang, Lori Burton e Joey, que se tornaria famoso por atuar como backing vocal na canção "No. 9 Dream", que Lennon editaria no álbum "Walls And Bridges" (e ao que consta, foi só isto que fizeram).

Imagem
Já John Garner supostamente toca no auto-intitulado álbum do BLOODY MARY, de 1974 (embora seu nome não conste nos créditos), e anos mais tarde iria tocar junto a Vince Martell (VANNILA FUDGE), tendo posteriormente ingressado no THE LIZARDS, que já lançou dois bons CDs, numa "praia" um pouco mais bluesy - visite thelizardswebsite.com para conferir alguns MP3, vale à pena.


Imagem
Engana-se quem acha que o SLB nunca foi lançado no Brasil! Esta compilação ao lado, intitulada "Crazy, Baby, Crazy!!", editada em 1971, traz a faixa "Hard Rain Fallin'", juntamente com temas do LUCIFER'S FRIEND, BLUE CHEER, COLOSSEUM, JUICY LUCY, WARHORSE, MAY BLITZ e várias outras bandas/artistas!

Seria um disco maravilhoso, não fosse o fato de NENHUMA música estar completa, todas possuem cerca de dois minutos de duração apenas! Na realidade, este álbum faz parte de uma coleção trazendo nomes como "Groove, Baby, Groove!!", "Cool, Baby, Cool!!", "Brasa, Bicho, Brasa!!" e outros, contendo faixas de artistas de tudo quanto é vertente, desde BEATLES até ELLA FITZGERALD, passando por CLAUDETTE SOARES, PAUL MAURIAT, CACIQUE DE RAMOS(!), etc. Um dos volumes ("Beat, Baby, Beat!!") mistura CACTUS, MC5, SHOTGUN LTD. e WILSON PICKETT!

Os dois álbuns do SLB foram relançados em CD em formato 2X1 pela Polygram, além de existirem em edições "piratas" européias, que eu desaconselho, pois foram extraídas de velhos LPs - para se ter idéia, existe uma prensagem do "Kingdom Come" que chega a trazer um pulo numa faixa!

O único senão deste 2X1 é que traz as músicas totalmente fora de ordem, de acordo com o produtor, com objetivo de "propiciar uma melhor audição"...

Imagem
Eis a seqüencia correta, caso o leitor queira "montar" os álbuns conforme foram editados originalmente:

"Kingdom Come"
Lado A: "Master Heartache"/ "Hard Rain Fallin'"/ "Lady of Fire"/ "Lake Isle of Innersfree" e "Pumped Up".
Lado B: "Kingdom Come"/ "I Got a Woman"/ "Hell Hound"/ "Helium Head (I Got a Love)" e "Ain't Got Hung On You".

"Sir Lord Baltimore"
Lado A: "Man From Manhattan" e "Where Are We Going".
Lado B: "Chicago Lives"/ "Loe and Behold"/ "Woman Tamer" e "Caesar LXXI".


Desde junho deste ano (2003) está rolando um boato que dá conta do retorno das atividades do SIR LORD BALTIMORE, que contaria com John Garner e Louis Dambra, juntamente com algum outro baixista, pois Gary Justin não teria topado fazer parte da reunião.

Não é a primeira vez que isto ocorre, já em 1976 foi noticiado que o grupo iria gravar um novo disco, que até hoje não apareceu, portanto é difícil saber se é verdade ou não. Particularmente fico com um pé atrás em relação a essas coisas, podem me chamar de retrógrado e conservador, mas prefiro ficar com meu bolachão do "Kingdom Come", ao mesmo tempo em que contemplo a capa e tento entender como pode um Lorde ser americano e mesmo assim ser tão imponente e majestoso...

Imagem
P.S.: dedico este texto à memória de minha grande companheira canina, que me acompanhou durante muitos anos. RIP Lassing!

Criado em 1996, Whiplash.Net é o mais completo site sobre Rock e Heavy Metal em português. Em março de 2013 o site teve 1.258.407 visitantes, 2.988.224 visitas e 8.590.108 pageviews. Redatores, bandas e promotores podem colaborar pelo link ENVIAR MATERIAL no topo do site.

Esta é uma matéria antiga do Whiplash.Net. Por que destacamos matérias antigas?


  | Comentários:

Todas as matérias da seção Hardão Setentista
Todas as matérias sobre "Sir Lord Baltimore"

Sir Lord Baltimore: obrigatório na coleção de qualquer roqueiro
Black Sabbath: Sir Lord Baltimore relembra turnê e sabotagem
Sir Lord Baltimore se reúne após 35 anos
Sir Lord Baltimore, o Sirlordão
Power-Trios: o Hard é o gênero "onde o bicho mais pega"

Os comentários são postados usando scripts do FACEBOOK e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Pense antes de escrever; os outros usuários e colaboradores merecem respeito;
Não seja agressivo, não provoque e não responda provocações com outras provocações;
Seja gentil ao apontar erros e seja útil usando o link de ENVIO DE CORREÇÕES;
Lembre-se de também elogiar quando encontrar bom conteúdo. :-)

Trolls, chatos de qualquer tipo e usuários que quebram estas regras podem ser banidos sem aviso. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Sobre Marcos A. M. Cruz

Link que não funciona para email (ignore)

QUEM SOMOS | ANUNCIAR | ENVIAR MATERIAL | FALE CONOSCO

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em março: 1.258.407 visitantes, 2.988.224 visitas, 8.590.108 pageviews.


Principal

Resenhas

Seções e Colunas

Temas

Bandas mais acessadas

NOME
1Iron Maiden
2Guns N' Roses
3Metallica
4Black Sabbath
5Megadeth
6Ozzy Osbourne
7Kiss
8Led Zeppelin
9Slayer
10AC/DC
11Angra
12Sepultura
13Dream Theater
14Judas Priest
15Van Halen

Lista completa de bandas e artistas mais acessados na história do site

Matérias mais lidas