Matérias Mais Lidas

imagemMarcello Pompeu, em busca de emprego, pede ajuda a seguidores

imagemPaul McCartney lista os cinco músicos que formariam sua banda dos sonhos

imagemRegis Tadeu explica porque o vinil e o Spotify vão despencar e o CD vai bombar

imagemBill Hudson comenta sobre falta de público de Angra e outras bandas nos EUA

imagemGene Simmons faz passagem de som antes de show do Kiss com roupa inusitada

imagemMax Cavalera e o conselho dado por Ozzy Osbourne: "ambos nos sentimos traídos"

imagemJames Hetfield se emociona profundamente no show de BH e é amparado pelos amigos e fãs

imagemMax Cavalera é criticado por ucranianos pelo apoio a Rússia em 2014

imagemDave Mustaine mostra a forma curiosa como se aquece antes de um show do Megadeth

imagemConheça a "melhor banda com as melhores músicas" para Robert Smith, do The Cure

imagemDez grandes músicas do Iron Maiden escritas pelo vocalista Bruce Dickinson

imagemAbba e a imensa importância do Deep Purple na sonoridade de suas músicas clássicas

imagemPink Floyd: Roger Waters relembra o dia que conheceu John Lennon - e se arrependeu

imagemQueen e a artimanha infantil de Roger Taylor pra ganhar mais dinheiro que os outros

Marcello Pompeu: ele conta por que não se posiciona politicamente, apesar de cobranças


Resenha - Kiss (Arena do Grêmio, Porto Alegre, 26/04/2022)

Por Rudson Xaulin
Em 01/05/22

O KISS passou por Porto Alegre, continuando a perna da turnê pela América Latina, abrindo o roteiro de shows no Brasil. No começo, tudo normal para um show deste porte: Ruas recebendo as pessoas com suas camisetas pretas, com logos de todo o tipo de bandas, muita gente vendendo souvenir, barraquinhas e suas fumaças e claro, por ser o KISS, muitos fãs mascarados e a caráter. O famoso exército do KISS, também marcou presença em peso, claro. Mesmo que a capital quisesse ter a chuva, que acabou não vindo, o que não faltou foi uma chuva de empolgação por quem cantou com o KISS, do começo ao fim do show.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Foto: Liny Oliveira
Foto: Liny Oliveira

Os portões abriram pontualmente, para gritaria do público que adentrou a Arena do Grêmio, na capital gaúcha. Boa recepção também por parte dos atendentes dos bares internos da Arena, das pessoas orientando, dando informações e também dos caixas móveis. Foi muito bacana conhecer pessoas que me conheciam, mesmo no meio da correria, dei total atenção como pude, tiramos algumas fotos e eu disse que falaria disso na resenha. Foi legal perceber que através das resenhas, e até dos meus livros, muitas pessoas sabiam quem eu era e que viria de mim a resenha mais intimista e fora do protocolo de canais convencionais, de novo, eu agradeço.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

A banda de abertura, HIT THE NOISE, até que uma banda "nova" de Porto Alegre, subiu ao placo e foi bem recebida. Claro que, o som para os meninos nem tão meninos, não era coeso e nítido para o público, normal, mas realmente malhar demais o som dos caras, sem deixá-lo sair mais limpo, principalmente os vocais, ocasionou dificuldade do público entender o vocalista, não só cantando, bem como apenas falando ao microfone. A banda era afiada, lembrando na cozinha um pouco de Metallica, logo parecia o Led e por fim, mesmo parecendo uma mistura de muitas bandas, o que é normal, pois esses caras tem suas referências, eles mostraram sua cara, e a segunda música do set deles, era sensacional.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Depois do show de abertura, muitas pessoas vão ao banheiro, fazem muitas fotos e compram algo para comer e beber. A Arena é bem atendida por bares fixos, são abundantes, e realmente o pessoal andando entre as cadeiras, com aquelas sacolas enormes, pingando água em todo mundo, não é muito legal, fora o preço praticado por esses vendedores "oficiais". Outra coisa que chama a atenção, é que muitos e muitos especialistas do KISS brotaram nas cadeiras e na pista, era tanta informação errada sendo passada para quem nunca tinha ouvido falar dos caras, tanta gente explicando coisas sem fundamento, principalmente adolescentes e seus pais, alguns pintados, outros não, mas percebi uma "menina" de uns vinte e cinco anos, que se dizia a dona da vida dos caras, que sabia tudo, que falou tanta coisa sem noção ao pobre senhor do meu lado, que fiquei com pena dele. E ela lá, de cara pintada, muitos stories e sendo a falsa Wikipédia da banda, tentando ser a bio oficial. Meio estranho, para não dizer outra coisa.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Após muitos e muitos copos de cerveja, justamente para garantir os copos personalizados do evento, com logo do KISS, data do show e logo da patrocinadora (patrocinadora que não me patrocina, então...), era hora do KISS subir ao palco, e já assistindo eles ao vivo no telão, pelos corredores da Arena, chegando ao palco, foi uma gritaria que não acabou mais, e lá estava a banda mascarada, uma lenda, era o KISS, e eles abriram seguindo um set quase que protocolar, era DETROIT ROCK CITY, e a Arena veio abaixo. Muitas e muitas faixas viriam naquele set, SHOUT IT OUT LOUD soa demais ao vivo, e foi uma que se destacou, logo de cara, claro. PAUL STANLEY, que falou bastante com o público, disse o nome de Porto Alegre umas 40 vezes durante a noite e anunciou quase todas as faixas, como DEUCE, WAR MACHINE e HEAVEN’S ON FIRE, outra que soou muito bem ao vivo. PAUL STANLEY, que não para quieto, já vele metade do ingresso, que grande figura, que grande artista, que doação. Ele canta, ele toca, ele pula, ele dança, ele conversa, ele vai para todo o lugar, não para um segundo, e nunca esquecendo que ele está com um salto plataforma, "maior do que o da sua garota"...

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Uma das que eu mais queria ouvir, era I LOVE IT LOUD, uma das minhas favoritas, onde eu tinha ela em VHS, gravada da MTV, naquela "chiadeira" braba, e devo ter visto esse vídeo milhares de vezes. Essa mexe comigo, pois sempre cantava com um amigo meu quando moleque, já falecido, foi muito cedo, vítima de suicídio, mas eu gritei tão alto, que ele deve ter me ouvido lá de cima. E aqui, ainda com espaço para GENE SIMMONS, cuspir fogo, e é muito engraçado ver ele naquela sua máscara, saltos e fantasia, pois ele é muito alto, e cara, desengonçado, é divertido assistir, é como se um personagem de histórias em quadrinhos, estivesse bem na sua frente. O baixista se mostra com rigor, fazendo o que pode e como pode, e rouba a cena, por inúmeras vezes no show. Vamos dizer que o show rouba a cena do show, pois toda hora é fogo no placo, explosões, canhões, fumaça, mais fogo, mais explosões e o telão sempre mesclando coisas atuais e modernas, com imagens antigas da banda, num claro e melancólico show que está sim te dando adeus. Triste, eu sei, mas você não pode perder um segundo do show, pois o KISS realmente sabe fazer um, é tanta informação ao mesmo tempo, e se você piscar, você perde alguma coisa.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Outra mais "moderna", SAY YEAH, anunciada com um PAUL STANLEY gritando o nome da música, cantarolando a cappella seu início, sozinho, até ela começar, é outra que ao vivo, foi muito, mas muito bem executada pela banda. Destaque para os backing vocals, e TOMMY THAYER, que brilharia logo depois em seu solo (brilha muito também sua fantasia), se mostrou um membro extremamente fundamental para segurar o arco da banda ao vivo, para que GENE e PAUL, os carros chefes, brilhem muito, mas mesmo após as tragédias da banda, trocas de formação de alguns membros, TOMMY é o cara que veio para ficar, ficou e vai até o final nessa jornada. Competente, carismático e essencial.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

E não é que LICK IT UP, sim "aquela daquele clipe", ao vivo é muito, mas muito melhor? As guitarras quase te jogam do seu lugar, ótimo trabalho dos vocais e o baterista ERIC SINGER brilha lá em cima (num pedestal muito mais elevado que o palco, repleto de luzes vermelhas), essa jogou a cabeleira (ou o que sobrou dela) de geral para todo lado! CALLING DR. LOVE, com GENE SIMMONS nos vocais, e seus trejeitos, roubam a cena de novo. As caretas, a língua (que não é um implante de vaca, senhores...), as poses, tudo, desde os anos setenta, ainda estão lá. Eles podem estar velhinhos, mas para nós, é rejuvenescedor... Logo depois PAUL STANLEY anuncia TEARS ARE FALLING, sim, eu vi, muitas e muitas lágrimas caírem em Porto Alegre, justamente como diz a letra dessa canção, aqui, minha voz já tinha me deixado e a rouquidão assumiu, mas cara, é o KISS! E essas guitarras, meu amigo? Outra que ao vivo, é muito, mas muito melhor. A bateria trucidando seu peito, vocais altos, PAUL frenético, que banda! Muito mais que uma banda, o KISS é uma entidade, o show não é só "show", é um espetáculo completo! É show de rock n’ roll, é circense, é teatral, o KISS é uma coisa viva, algo inexplicável e inesquecível.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Falando em circo, era hora de PSYCHO CIRCUS, que chegou a galope e não pediu licença para pôr tudo abaixo! Onde o telão rouba a cena, trabalho lindo! Mais uma paulada ao vivo, e o ao vivo, não é o ao vivo dos vídeos de Youtube, é lá, é monstruoso! Você é surrado pela bateria, as guitarras te ensurdecem, GENE não para, PAUL não para, o público canta e grita, filma, pula, acende isqueiros, grita mais, PAUL fala "Porto Alegre" de novo e de novo, que sensacional! Falando também do telão, GOD OF THUNDER foi animal nos efeitos, aí, GENE vai lá, sobe há uns trinta metros de altura numa plataforma, toca, canta, cospe sangue, faz caras e bocas, parece o demônio e ri depois, porque sabe que está fazendo um bom trabalho. Intocável, irreparável e avassalador!

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Mas é claro, que PAUL STANLEY não deixa por menos, lá está ele, logo depois voando por cima do público, cabos de aço, ele vai até outra base perto do apoio de luzes e som do palco, bem mais para o centro da plateia e é de lá que vemos o dançarino, que nas horas vagas toca guitarra, canta e fala "Porto Alegre", levando a Arena abaixo com LOVE GUN, outra pedrada, uma paulada e uma das mais esperadas por muitos ali! Um hino e um manto sagrado musical. Espaço para I WAS MADE FOR LOVIN’ YOU, linda canção, linda letra, linda ao vivo, sem mais muito o que dizer. BLACK DIAMOND, pesada como só ela sabe ser, é mais uma que te espanca ao vivo! Talvez, BETH, foi aquela que nos fez acalmar um pouco, destacando ainda mais a competência do baterista ERIC SINGER, que assume os vocais e um lindo piano de calda todo cintilante, a cara do KISS.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Tivemos ainda DO YOU LOVE e tantas outras que aqui não citei, claro. Tentando passar o que foi estar lá, para prestigiar uma das maiores bandas de rock n’ roll da história, que está dando seu adeus, ainda com dignidade, com senhores na idade do seu avô, que mal acende um fogão a lenha ou caminha até o mercadinho na esquina. Se tem uma banda que merece o reconhecimento, essa banda é o KISS, e sair de cena assim, é um trunfo, e é hora mesmo de voltar para casa e descansar, só dizer obrigado e infelizmente, como sempre deixo em toda resenha, desta vez, não posso dizer que esperamos sua volta ou até a próxima. O próprio PAUL falou sobre a despedida ao microfone, é triste, mas é um típico final emocionante de um filme, pois o KISS é bem isso, é uma história que merece ser contada e ao vivo. A pena fica para uma Arena nem tão lotada, muito abaixo de tantos outros shows desse porte que vi, mas com tantos shows na cidade esse ano, crise, dólar e pós pandemia (que nem acabou), a culpa não é do público, e aqui, fica espaço para falar dos preços dos ingressos, já altos, em qualquer setor, não existe mais o "ingresso mais barato", todos são caros. As taxas online são quase que abusivas, para não dizer outra coisa... Se o preço fosse mais perto da realidade, a quantidade vendida seria extremamente maior, e os espaços vazios seriam apenas nos corações de quem se despede da banda. Mas, vou bater muito ainda sobre as tais "taxas" que estamos tendo que pagar, absurdamente caras, temos muito shows esse ano, e eu estarei em todos eles. Hoje, eu disse isso lá e falarei aqui, onde eu ganho quase um salário mínimo há cada dois ou três dias, sim, bem isso, vendendo livros no Brasil. Sendo alguém lutando contra a maré, indo em frente levando meus livros, resenhas e até as minhas produções de shows, sempre um pouco mais longe, mas deixando claro que, se essas produtoras que estão gingando com os gigantes: Eles são poucos, está tudo acabando, e espaços vazios serão cada vez mais comuns e maiores nos shows de vocês! Tomem cuidado, olhem esses preços...

De coração, obrigado a todo mundo que eu encontrei, para quem pediu foto e para todo atendente que brincou, que sorriu e que atendeu todo mundo bem, isso é louvável e são essas pessoas que fazem a coisa acontecer, dos seguranças até quem te serve a cerveja, os barões, bom, estão por aí, eu até troquei mensagens com um deles, e disse, ainda perto das cinco da tarde, "isso não vai lotar" e não lotou. Ou quem sabe GENE SIMMONS esteja certo em dizer que o "rock morreu"? Claro, eu sei de inúmeras bandas que estão por aí, muito afiadas, novas e competentes, mas, elas jamais vão encher um estádio, é isso, é o fim mesmo da estrada.

Ah, claro, ROCK AND ROLL ALL NITE fechou tudo, com chave de ouro, tudo o que eu disse aqui de explosões e fogos, foi ainda maior nela, e certamente, não tinha outro jeito de dar adeus a Porto Alegre, mas que poderia ser a noite inteira, poderia, eu ainda estaria lá. Então é isso, KISS, isso é o KISS, e KISS, OBRIGADO!!!

- Rudson Xaulin é escritor, autor e produtor.
- Mais de 130 livros escritos.
- Publicados em Portugal, Brasil, Argentina e Inglaterra.

http://www.rudsonxaulin.com

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Stamp


publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp