Paul McCartney: todos deviam ver um show como esses

Resenha - Paul McCartney (Allianz Parque, São Paulo, 26/03/2019)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Diego Camara
Enviar Correções  

Não sou grande fã dos Beatles. Ouvi algo aqui e ali, mas já fazem fácil uns 7 anos que não escuto nada da banda. Mesmo assim, é obviamente impossível dizer que não há importância real na construção musical da banda. Pode-se taxa-la de diversas maneiras, mas não se pode incorrer no erro de dizer que os Beatles não são importantes na construção do gênero. É por isto que essa resenha começa da maneira que começa: todos deveriam ver pelo menos uma vez na vida o último grande Beatle vivo: Paul McCartney, um compositor basilar do rock.

Manowar: você acha as fotos da década de 80 ridículas?

Lemmy: sob investigação, em 2008, por exibir insígnia nazista

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Em primeiro lugar pois são quase 40 músicas. Que artista hoje tem o fôlego de tocar tanto assim, quase chegando a 3 horas de show, para um público que, obviamente, aceitaria ouvir metade disso e deixar o estádio com um sorriso de orelha a orelha? Não há explicações para isso, além do fato de ser apenas a vontade do músico de realmente cobrir toda a sua carreira, cada centímetro de suas composições, sem deixar um sucesso fora da lista, sem deixar um único fã triste pois "a música X" ou "a música Y" não foram tocadas. O comprometimento com os fãs é o que faz, não importa quantas vezes esse cara pise no país, que seus shows sejam esgotados.

Paul é um músico raro nos dias de hoje. Não só porque gosta de fazer música – tanto que continua compondo, e suas novas músicas são até bem legais – e de tocar música – afinal poderia estar em casa contando os royalties que ganha com suas composições – mas que faz isso com uma grande alegria. Tocando tudo isso, ele mostra que respeita não só os fãs, mas como respeita sua própria história e sua carreira. O legado dos Beatles, um dos expoentes do rock mundial, vive por meio de seus shows.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

E que shows! Uma obra prima do início ao fim foi a apresentação na capital paulista na semana passada. Começou com 15 minutos de atraso, e apesar do estádio estar totalmente esgotado, a pista não estava realmente atulhada de gente. As pessoas tinham espaço para transitar e bastante tranquilidade. O show foi aberto com "A Hard Day’s Night", já deixando o público muito contente, cantando a música do início ao fim. A qualidade do som, por sinal, estava ótima, sem muito exagero mesmo de frente das caixas de som, o que significa que talvez o som estivesse baixo em outras áreas nas pistas, como de frente para o palco.

O público aplaudiu bastante e curtiu muito todas as músicas. Os Beatles, por óbvio, eram os destaques da apresentação, aquelas músicas que o público veio para ver. Foi uma bela surpresa, assim, que logo no início ele já tenha encaixado "All My Loving", outro de seus sucessos, com uma belíssima apresentação nas guitarras. Em um estilo bastante country, com um toque de bucolismo, veio logo em seguida "Who Cares", uma de suas músicas solo. "Let me Roll It", do Wings, veio com um lindíssimo e emocionante solo de guitarra, em uma bela homenagem ao guitarrista Jimi Hendrix.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Apesar da toada do show ser muito boa, ele começou a ficar mesmo sério lá para o seu segundo terço, quando Paul substitui um repertório mais alternativo por um composto cada vez mais com seus sucessos. Veio assim "I’ve Just Seen a Face", "Blackbird", "Love me Do", "Lady Madonna" e "Eleanor Rigby", todas muito bem recebidas e cantadas a plenos pulmões por todo o público presente, deixando Paul ainda mais contente e sorridente com seus fãs.

No meio dessas, a banda lançou algumas músicas novas, com destaque para a romântica "My Valentine", em homenagem a Linda, sua esposa, "Dance Tonight", que transformou a pista do Allianz Parque em uma grande danceteria, e "Back in Brazil", feita em homenagem aos brasileiros pelas suas (constantes) passagens por nossa terra.

A parte final do show era reservada para os principais sucessos da banda, para a dança e a emoção do público presente. Destaque para "Ob-La-Di, Ob-La-Da", onde Paul pede que todo o público cante para ele e para sua banda, e "Let it Be", tocada no piano, de uma forma bastante crua, emocionando o público com sua apresentação minimalista e a iluminação das lanternas dos celulares do público, que encantaram todos os presentes, que se dividiam entre iluminar o estádio e filmar a cena com seus celulares. "Hey Jude" veio no fim, fazendo o público cantar a plenos pulmões, em uma das músicas mais esperadas da noite.

No bis, o grande destaque de sucesso sem dúvidas foi "Helter Skelter", sem dúvidas a mais pesada das músicas da carreira do quarteto britânico: um pequeno esporo do início (de um dos inícios, para sermos francos) do heavy metal. Forte nas guitarras, o público cantou bastante e curtiu muito a música. Quando se aproximava já da meia noite, Paul tocava "The End" para o público presente, fechando mais um espetáculo em São Paulo, iniciando uma nova turnê pelo Brasil. Após ver o show, é fácil então ver o motivo dos shows serem tão lotados mesmo que ele apareça tanto por essas terras: Paul é Paul, e enquanto estiver tocando, terá todo o público que desejar.

Setlist:
1. A Hard Day's Night (música dos Beatles)
2. Junior's Farm (música do Wings)
3. All My Loving (música dos Beatles)
4. Letting Go (música do Wings)
5. Who Cares
6. Got to Get You Into My Life (música dos Beatles)
7. Come On to Me
8. Let Me Roll It (música do Wings) (com "Foxy Lady" de Jimi Hendrix)
9. I've Got a Feeling (música dos Beatles)
10. Let 'Em In (música do Wings)
11. My Valentine
12. Nineteen Hundred and Eighty-Five (música do Wings)
13. Maybe I'm Amazed
14. I've Just Seen a Face (música dos Beatles)
15. In Spite of All the Danger (música do Quarrymen)
16. From Me to You (música dos Beatles)
17. Dance Tonight
18. Love Me Do (música dos Beatles)
19. Blackbird (música dos Beatles)
20. Here Today
21. Queenie Eye
22. Lady Madonna (música dos Beatles)
23. Eleanor Rigby (música dos Beatles)
24. Back in Brazil
25. Fuh You
26. Being for the Benefit of Mr. Kite! (música dos Beatles)
27. Something (música dos Beatles)
28. Ob-La-Di, Ob-La-Da (música dos Beatles)
29. Band on the Run (música do Wings)
30. Back in the U.S.S.R. (música dos Beatles)
31. Let It Be (música dos Beatles)
32. Live and Let Die (música do Wings)
33. Hey Jude (música dos Beatles)

Bis:
34. Hi, Hi, Hi (música do Wings)
35. Sgt. Pepper's Lonely Hearts Club Band (Reprise) (música dos Beatles)
36. Helter Skelter (música dos Beatles)
37. Golden Slumbers (música dos Beatles)
38. Carry That Weight (música dos Beatles)
39. The End (música dos Beatles)




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Manowar: você acha as fotos da década de 80 ridículas?Manowar
Você acha as fotos da década de 80 ridículas?

Lemmy: sob investigação, em 2008, por exibir insígnia nazistaLemmy
Sob investigação, em 2008, por exibir insígnia nazista


Sobre Diego Camara

Nascido em São Paulo em 1987, Diego Camara é jornalista, radialista e blogueiro. Seu amor pelo metal e rock começou há 6 anos. Um amante da nova geração, é um grande fã de Arjen Lucassen, Andre Matos e bandas como Nightwish, Hammerfall, Sonata Arctica, Edguy e Kamelot. Também não deixa de ter amor pelos clássicos, como Helloween, Gamma Ray e Iron Maiden e do Rock de bandas como Oasis, Queen e Kings of Leon. Atualmente seus textos podem ser lidos no blog OCrepusculo.com sobre assuntos diversos, além de planos para criação de um projeto totalmente voltado aos blogs de Rock e Metal.

Mais informações sobre Diego Camara

Mais matérias de Diego Camara no Whiplash.Net.

Goo336x280 GooAdapHor Goo336x280 Cli336x280 GooInArt