Edu Falaschi: resenha e fotos do Temple of Shadows in Concert em POA

Resenha - Edu Falaschi (Bar Opinião, Porto Alegre, 16/03/2019)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Guilherme Dias
Enviar Correções  

Fotos: Liny Oliveira

Lágrimas nos olhos: 25 músicas para chorar

Mustaine: por que ele perdeu seu emprego no Metallica?

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Com o sucesso da turnê "Rebirth of Shadows", onde Edu Falaschi tocou os clássicos de seus anos de Angra, o músico resolveu fazer uma nova turnê, dessa vez tocando o álbum "Temple of Shadows" na íntegra. A turnê teve início em Caxias do Sul, um dia antes do show na capital do Rio Grande do Sul, Porto Alegre. O lugar da apresentação foi novamente o bar Opinião, localizado no coração da cidade, na Cidade Baixa.

Por volta das 20 horas, Edu Falaschi entrou no palco do bar Opinião acompanhado de Aquiles Priester (bateria) e Fabio Laguna (teclados), que também estiveram presentes no álbum "Temple of Shadows", além de Diogo Mafra (guitarra), Roberto Barros (guitarra), Raphael Dafras (baixo) que também participaram da turnê anterior e um quarteto de cordas, que foi a novidade para a turnê, chamada de "Temple of Shadows – In Concert". O início da apresentação iniciou como esperado: "Spread Your Fire", "Angels and Demons" e "Waiting Silence".

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

"Não tenho palavras para descrever esse momento. Muito obrigado por virem. Tem gente aqui que não era nem nascida quando gravamos o álbum. Agora vamos tocar uma balada. Gravamos o clipe dessa música em 2004 em um lugar longe pra caramba e não ficou tão bom como queríamos, mas vamos embora então..." disse Edu referindo-se a bela balada "Wishing Well". Edu convocou a primeira participação da noite dizendo: "Eu quero chamar um cara, um dos maiores vocalistas do Brasil e do Power Metal: Iuri Sanson" . Iuri Sanson (ex- Hibria) foi chamado para fazer as vozes de Kai Hansen em "Temple of Hate". A versão ficou tão boa que Edu chegou a dizer "Você não pode ficar junto com a gente a turnê toda Iuri? Canta demais, muito bom!".

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Com um violão, Roberto Barros tocou a introdução de "Shadow Hunter". Ao final Edu disse "Por que eu fui cantar tão agudo? Na próxima encarnação eu vou cantar Bossa Nova", gerando risadas entre o público. Para "No Pain for the Dead" Edu chamou a segunda participação especial da noite, a cantora Ariana Gatto. E em seguida uma terceira participação especial para "Winds of Destination", Douglas Marques, da banda Lamarquez. Ambos foram escolhidos por Edu após passar por uma seletiva para participarem da apresentação. Ambos corresponderam de uma maneira surpreendente interpretando as vozes de Sabine Edelsbacher e Hansi Kürsch.

Na última canção do álbum a participação especial não estava em cima do palco, mas sim na plateia. Foram os fãs que cantaram a parte destinada a Milton Nascimento em "Late Redemption". Nesse momento muitos na plateia pediram a clássica versão de "Pegasus Fantasy" do Cavaleiros do Zodíaco cantada por Edu, que dessa vez negou e não cantou. Edu aproveitou a ocasião para apresentar os colegas de palco. Como esperado, Aquiles se dirigiu ao microfone para apresentar o dono da noite, Edu Falaschi.

No ano passado Edu lançou um EP intitulado "The Glory of the Sacred Truth", contendo duas músicas inéditas. A faixa-título e "Streets of Florence", ambas presentes no repertório e muito bem recebidas pelos fãs. Edu descreveu as músicas como um presente para os fãs de Angra, tendo como inspiração a época do álbuns "Rebirth" e o próprio "Temple of Shadows". A apresentação foi encerrada com as também já esperadas "Rebirth" e "Nova Era".

Os shows de Edu Falaschi tocando Angra se tornaram rotineiros, e poucas são as novidades apresentadas. Dessa vez o quarteto de cordas foi acrescentado, porém foi muito difícil de ouvir as cordas durante o show. Foi possível ouvir com clareza apenas nas faixas que possuem trechos orquestrados sem o restante do instrumental e em alguns momentos confundia-se as cordas com os teclados de Laguna. Outro ponto a ser notado é a extravagância de Aquiles, começando pelo tamanho da bateria, completamente desproporcional ao do tamanho do palco, ocupando muito espaço.

Ainda sobre Aquiles nota-se que a sua agressividade encontra-se muito presente em momentos desnecessários, seja em músicas mais calmas ou em simples marcações de tempo. Destaque total para Edu Falaschi, que está cantando extremamente bem. Fazia tempo que não se via Edu com uma voz tão afinada e alcançando os tons mais altos de suas próximas músicas, é um momento de brilho para esse cantor.
A turnê anterior teve duas passagens em Porto Alegre. Caso esse show retorne para a capital gaúcha, o fã do power metal nacional que não pôde comparecer ao evento, pode comprar o seu ingresso com tranquilidade que assistirá uma performance muito agradável.




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Lágrimas nos olhos: 25 músicas para chorarLágrimas nos olhos
25 músicas para chorar

Mustaine: por que ele perdeu seu emprego no Metallica?Mustaine
Por que ele perdeu seu emprego no Metallica?


Sobre Guilherme Dias

Fanático por heavy metal e hard rock desde os 12 anos de idade. Coleciona CDs e LPs, principalmente do Helloween e seus derivados. Colabora com o site desde 2013. Nasceu em Porto Alegre, capital do Rio Grande do Sul.

Mais matérias de Guilherme Dias no Whiplash.Net.

Goo336x280 GooAdapHor Goo336x280 Cli336x280 GooInArt GooLinksQuad