RECEBA NOVIDADES ROCK E METAL DO WHIPLASH.NET NO WHATSAPP

Matérias Mais Lidas

imagemA música de Raul Seixas que salvou a carreira de Chitãozinho e Xororó

imagemPor que Lemmy odiava tocar "Ace of Spades" nos shows do Motörhead

imagemPaul McCartney quase foi atropelado ao tentar recriar famosa cena de capa de disco

imagemA atitude punk da Legião Urbana que causou irritação e deu trabalho na gravação

imagemOmelete diz que heavy metal pertence agora à nova geração e não ao tiozão headbanger

imagemO Raul Seixas não era nada daquilo que ele falava, diz ex-parceiro musical

imagemO hit dos Beatles que talvez seja sobre drogas e que "Jesus" acompanhou gravação

imagemQuatro músicas de artistas brasileiros que citam Os Paralamas do Sucesso

imagemO conselho realista de John Petrucci para bandas que estão começando agora

imagemO brasileiro com a voz parecida com a de Axl Rose que viralizou no TikTok

imagemQual era a opinião de Tony Iommi sobre Ozzy Osbourne solo e Randy Rhoads em 1984?

imagem"Quem não gosta de Beatles bom sujeito não é", diz João Gordo

imagemDeep Purple: David Coverdale revela quem quis como substituto de Ritchie Blackmore

imagem5 motivos para assistir ao novo RockGol 2023 que estreia em fevereiro

imagemAndi Deris tem problemas de saúde e shows do Helloween são adiados


Stamp

Solid Rock: festival entregou o que prometeu

Resenha - Solid Rock (Allianz Parque, São Paulo, 10/11/2018)

Por Daniel Abreu
Postado em 22 de novembro de 2018

No último sábado, dia 10 de novembro, quem se aproximava da região da Pompeia se deparava com uma cena diferente do habitual na região. Nas estreitas ruas próximas a nova arena do Palmeiras a cor preta predominava nos trajes. A cerveja, vendida por diversos ambulantes em ritmo de carnaval, também estava presente. O clima, claro, era de festa. Mas qual a ocasião especial em um sábado qualquer de novembro sem jogo de futebol? O festival Solid Rock.

Em sua segunda edição, o festival trouxe dois nomes já bem conhecidos do público brasileiro, o rock alternativo do Alice In Chains e o heavy metal do Judas Priest, além da banda Black Star Riders, pela primeira vez no país, fechou o cast deste ano.

Com os portões sendo abertos as 16:30, a primeira banda a entrar em cena as 18:15, ainda com o dia claro por conta do horário de verão, foram os estreantes em Brasil Black Star Riders. Para quem não conhece o quinteto, o grupo formado em 2012 pelo guitarrista Scott Gorham do Thin Lizzy tem como grande virtude o hard rock clássico. Tocando apenas 10 músicas, o time de Scott mostrou que é ótimo ao vivo, principalmente com as duas homenagens ao Lizzy, "Jailbreak" e "The Boys Are Back in Town". O que pegou mal para a produção foi o terrível som que deixaram para os meninos, porém eles seguraram a bronca e fizeram um grande show.

Após o público ter calibrado seus (vários) copos de cerveja e matado a fome com sanduiches, cachorros-quentes e mini pizzas a preços desproporcionais ao praticados do lado de fora, por volta das 19:30 o Alice In Chains entrou no palco e fez um dos melhores shows de 2018. O grupo, formado no fim dos anos oitenta em Seattle, ganhou notoriedade com a explosão do grunge no início da década seguinte. Com a morte do vocalista Layne Staley em 2002, Jerry Cantrell e companhia recrutaram o talentosíssimo William DuVall. Em 2018 lançaram o sexto disco do quarteto, "Rainier Fog", o terceiro com DuVall nos vocais.

A banda levou todo o público do Allianz Parque ao delírio com quase uma hora e meia de show. Cantrell mostrou por qual motivo é um dos melhores guitarristas de sua geração, desfilando riffs e solos antológicos. Mas o que mais chamou a atenção foi a voz de Mister Wiliam DuVall. O cara não tenta emular o saudoso Layne, muito pelo contrário, ele coloca o seu estilo e arrebenta tanto nas músicas novas como nos clássicos. Um dos principais momentos e mais emocionantes foram os refrãos de "Man in the Box" e "Would?", cantados a plenos pulmões pelos mais de 30 mil pagantes. Épico!

Como programado, as 21:20 começou a soar pelo estádio o hino do Black Sabbath "War Pigs". Para quem conhece o Judas Priest sabe que era hora de mais uma missa do metal em solo brasileiro começar, com Rob Halford como pastor. O grupo, que lançou neste ano o bom disco "Firepower", está com uma grande baixa. O guitarrista Glenn Tipton se ausentou dos palcos por conta do Mal de Parkinson. Quem está substituindo ele, com grande competência, é Andy Sneap, que é conhecido no mundo do metal pelos seus trabalhos nas bandas Hell e Sabbat, além de ter produzido bandas como Accept, Megadeth e Saxon. O próprio "Firepower" foi ele quem produziu. Então tudo em casa.

Com uma superprodução, com direito até uma Harley Davidson no meio do palco, o Judas fez um show bem típico da banda, com os grandes sucessos mesclados com as novas canções do novo trabalho. Boa apresentação, que provavelmente agradou aos devotos do grupo. Vale destacar a homenagem dos britânicos ao piloto brasileiro Ayrton Senna, já que no dia seguinte seria disputada em Interlagos o Grande Prémio do Brasil.

Apesar do grande público que foi conferir o festival, algo chamou a atenção e merece uma reflexão. Quando o evento foi anunciado pela conhecida Time For Fun, os ingressos variavam entre R$ 160,00 e R$ 570,00. Nas semanas que precederam o dia 10 de novembro, os ingressos tiveram descontos de 60% e 70% em todos os setores. Isso se deu muito provavelmente por conta da baixa procura.

Sendo assim, não seria mais inteligente da parte dos fãs boicotarem os grandes eventos em um primeiro momento, o que obrigaria as grandes produtoras a fazerem "promoções" como a citada acima e dessa forma os próprios fãs, que vivem reclamando dos preços irreais que são praticados, desembolsariam um preço mais justo? Talvez seja ilusório e utópico da minha parte pensar assim, mas vale a reflexão.

[an error occurred while processing this directive]

Compartilhar no FacebookCompartilhar no WhatsAppCompartilhar no Twitter

Siga e receba novidades do Whiplash.Net:
Novidades por WhatsAppTelegramFacebookInstagramTwitterYouTubeGoogle NewsE-MailApps




publicidadeAdemir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | André Silva Eleutério | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Euber Fagherazzi | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Henrique Haag Ribacki | José Patrick de Souza | Julian H. D. Rodrigues | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Sergio Luis Anaga | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Sobre Daniel Abreu

Jornalista formado pela Universidade Paulista (UNIP). Apaixonado por cultura desde moleque, começou a escrever sobre música na internet em 2014. Anos depois fundou o Literatura do Rock no Instagram, Facebook e Youtube, tratando apenas de livros sobre rock. Em 2019 fundou o Geleia Mecânica com a proposta de falar sobre cinema, arte e, principalmente, música da melhor qualidade. Atualmente, trabalha com levantamento de dados na Secretaria da Educação do Estado de São Paulo. Também é redator do Whiplash.Net, o maior site de rock e heavy metal do Brasil.
Mais matérias de Daniel Abreu.