Resenha: MGMT (Circo Voador, Rio de Janeiro, 14/11/2018)

Resenha - MGMT (Circo Voador, Rio de Janeiro, 14/11/2018)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Gabriel von Borell
Enviar correções  |  Ver Acessos






Fotos: Manoel Félix

Quatro anos depois de sua última passagem pelo Rio de Janeiro, o MGMT voltou a se apresentar na Cidade Maravilhosa nesta quarta-feira (14), véspera de feriado. O show aconteceu no Circo Voador, na Lapa, tradicional lona de espetáculos carioca.

Se a performance da banda norte-americana não empolgou lá em 2012, dentro do line-up do extinto festival Circuito Banco do Brasil, dessa vez, em show solo e em um espaço menor, criando um clima mais intimista, o resultado foi bem menos morno.

Com 15 minutos de atraso, Andrew Vanwyngarden (vocal e guitarra), Ben Goldwasser (vocal e teclado), Simon Doom (baixo), James Richardson (guitarra e percussão) e Will Berman (bateria) surgiram no palco às 22h45, levando os fãs a se agitarem bastante. Para abrir a apresentação, o grupo escolheu a envolvente "When You Die", faixa presente no mais recente álbum do MGMT, "Little Dark Age", lançado neste ano.

Na sequência, a banda indie tocou o sucesso "Time to Pretend", do disco de estreia "Oracular Spectacular" (2007). Depois da reação efusiva da plateia, Andrew e cia agradeceram com sorrisos e acenos de cabeça tímidos.

O show seguiu com "Alien Days", do CD "MGMT" (2013), e "Little Dark Age", cantada em coro pelos fãs. O cantor revelou que estava muito feliz em voltar ao Brasil e que este retorno era bastante aguardado por ele, pois considera o público brasileiro o melhor do mundo.

Em dia de intesno calor no Rio, a execução das suaves faixas "The Youth" e "James" serviram para acalmar os fãs e deixá-los recuperar o fôlego. O repertório da apresentação continuou com "Flash Delirium", do disco "Congratulations", de 2013, puxando batidas de palmas da plateia conforme o ritmo da canção.

Em "She Never Works Out", uma bicicleta ergométrica foi colocada à frente do palco e Andrew subiu nela para pedalar. Mas, ao que parecia, o aparelho não funcionou como deveria e o vocalista desistiu de pedalar depois de algumas tentativas frustradas, permanecendo em cima da bicicleta para cantar a música.

Após receber um quadro de presente de um fã mais próximo do palco, em um dos raros momentos de interação com o público, Andrew cantou a "setentista" "Weekend Wars", acompanhado a cada verso pelas vozes da plateia.

Logo depois, a banda tocou a progressiva "Siberian Breaks", baixando um pouco a temperatura do show. No entanto, a dobradinha de "Kids" e "Electric Feel" fez os fãs se animarem novamente, enquanto Andrew, que não costuma se movimentar muito no palco, arriscava algumas dancinhas e passos desengonçados.

Antes de "Me and Michael", o vocalista anunciou que aquela seria a última canção do setlist, para lamúria do público. Durante a música, uma das preferidas da plateia, Andrew balançava os braços para um lado e para o outro, sinalizando para que todos fizessem o mesmo.

Na volta para o bis, por volta de 00h10, o grupo tocou a bela "TSLAMP" e "The Handshake", fechando a apresentação com aproximadamente 1h40 de duração. Pela terceira vez no país, o MGMT mostrou de novo que, apesar da qualidade e técnica, eles ainda aparentam desconforto em cima do palco.

A energia entre o público brasileiro e a banda não consegue atingir a mesma medida e fica aquela sensação de que algo está faltando. Porém, é preciso levar em consideração que o show no Circo Voador foi menos travado que o anterior, na Praça da Apoteose. Que da próxima vez a banda se solte mais.

Setlist:

1- "When You Die"
2- "Time to Pretend"
3- "Alien Days"
4- "Little Dark Age"
5- "The Youth"
6- "James"
7- "Flash Delirium"
8- "She Works Out Too Much"
9- "Weekend Wars"
10- "Siberian Breaks"
11- "Kids"
12- "Electric Feel"
13- "Me and Michael"

Bis:

14- "TSLAMP"
15- "The Handshake"



GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato. Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Denuncie os que quebram estas regras e ajude a manter este espaço limpo.


Todas as matérias da seção Resenhas de Shows

Iron Maiden: em 1985, show secreto com Adrian no vocalIron Maiden
Em 1985, show "secreto" com Adrian no vocal

Top 500: as melhores músicas de todos os tempos segundo a Rolling StoneTop 500
As melhores músicas de todos os tempos segundo a Rolling Stone

Mônica Guedes: seus heróis morreram de overdose, os meus morrem na estrada, trabalhandoMônica Guedes
"seus heróis morreram de overdose, os meus morrem na estrada, trabalhando"

Iron Maiden: versões pesadas para clássicos do RockIron Maiden
Versões pesadas para clássicos do Rock

Humor: Quais são os rockstars mais chatos do mundo?Humor
Quais são os rockstars mais chatos do mundo?

Oh, play them Blues: os caminhos do BluesOh, play them Blues
Os caminhos do Blues

Korn: Não nos chame de Nu Metal!Korn
"Não nos chame de Nu Metal!"


Sobre Gabriel von Borell

Gabriel von Borell, nascido em 30/03/85, jornalista. Não vive sem música e também não se apega a rótulos musicais. Acredita que todo preconceito é burro, inclusive o musical. Escuta de tudo um pouco, considerando que um jornalista deve estar aberto pra conhecer e comentar sobre qualquer músico ou banda. Pode ser encontrado no Twitter em @gabrielborell.

Mais matérias de Gabriel von Borell no Whiplash.Net.