Queens of The Stone Age: resenha do show em Porto Alegre/2014

Resenha - Queens of The Stone Age (Pepsi On Stage, Porto Alegre, 27/09/2014)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Brunelson T., Fonte: Rock in The Head
Enviar Correções  

Com a turnê marcada a passar pelo Brasil em Fevereiro/Março de 2018 junto com o FOO FIGHTERS, que tal relembrar a apresentação do QUEENS OF THE STONE AGE em 2014 no Pepsi on Stage, Porto Alegre/RS?

Mick Jagger: em cerimônia na escola do filho em São Paulo

Metal Sucks: os melhores álbuns de metal do século 21

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Presenciado "in loco" por este que vos fala, a banda havia terminado a sua apresentação fazia alguns minutos e um zumbido insistente pairava nos ouvidos. Só depois que eu fui entender o significado do título do 3º álbum de estúdio do grupo, "Songs For The Deaf" (2002).

A sonoridade emanava das caixas de som, mas também ecoava nos ouvidos das mais de 7.000 mil pessoas que compareceram ao Pepsi on Stage numa noite de Sábado (27/09/2014). Era como que um resquício do pacto sônico exigido pelo QUEENS OF THE STONE AGE, que estavam pela 1ª vez fazendo uma turnê particular em território tupiniquim – sim, eles haviam se apresentado no Rock in Rio em 2001 e 2015, no Lollapalooza Festival em 2013 e no SWU Festival em 2010, ambos em São Paulo.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Logo nas primeiras notas da música que abriu o show, "You Think I Ain't Worth a Dollar But I Feel Like a Millionaire", ficou claro que a banda não estava ali para brincadeira e nem para entreter a plateia com efeitos pirotécnicos com malabarismos. A questão era só e somente a única coisa que importava: a música.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

A missão de Josh Homme (vocalista/guitarrista) e do seu quarteto era encher os consultórios médicos dos otorrinos e ortopedistas, com tímpanos triturados, pescoços contorcidos, pernas e braços moídos e costas em petição de miséria.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

A frente dessa máquina de moer gente, um bem humorado e comunicativo Josh Homme procurou agradar aos antigos fãs e aos recém convertidos, mas sempre focando na sua maioria com as músicas de sucesso e alguns lados-b. Quem se apaixonou pela banda com o seu último álbum, "Like Clockwork" (6º disco, 2013), se fartou com as canções: " My God is The Sun", "The Vampyre of Time and Memory", "If I Had a Tail", "I Sat by The Ocean", "Fairweather Friends", "Kalopsia" e "Smooth Sailing".

Fãs do álbum mais famoso do grupo, "Songs For The Deaf", não tiveram do que reclamar com a música que abriu o show - citada no começo dessa matéria - mais as canções: "No One Knows", "Go With The Flow", "A Song For The Dead", "Hangin’ Tree" e "Do it Again".

Quem não deixou de acompanhar a banda durante toda a sua carreira também foi premiado com as músicas "Burn The Witch", "In My Head" e "Little Sister" (todas lançadas no 4º álbum de estúdio "Lullabies to Paralyze", 2005). Ainda apresentaram as canções "Turnin’ on The Screw", "Sick Sick Sick", "Misfit Love" e "Make it Wit Chu" (todas lançadas no 5º disco "Era Vulgaris", 2007).

Ficaram de fora para decepção dos seguidores mais fiéis, as músicas do 1º álbum da banda, "Queens of The Stone Age" (1998), mas 02 petardos do 2º disco, "Rated R" (2000), levantou qualquer defunto com as canções "The Lost Art of Keeping a Secret" e o hino "Feel Good Hit of The Summer" - esta última entoada em uníssono por todo o público.

Mais do que uma experiência musical - do que pode ser um dos últimos suspiros de criatividade e força do rock atual - o QUEENS OF THE STONE AGE proporciona uma catarse física em suas apresentações ao vivo. Cabeças começaram a bater automaticamente logo na introdução do show e assim foi até o final, com rodas de quebra-quebra pela plateia também se abrindo na última música do show, cuja canção apresentou um solo de bateria no meio da música - inédita até então.

Ou seja, literalmente a banda colocou o público dentro de uma turbina de um jato supersônico.

Apresentação memorável, levando-se em conta que os shows antecedentes no México e em São Paulo foram realizados com um total de 18 músicas, sendo que na cidade de Porto Alegre o setlist contou com 22 canções - além de 04 músicas que não vinham sendo tocadas no setlist da banda, como: "Burn The Witch", "Turnin’ on The Screw", "Misfit Love" e "Hangin’ Tree".

Ao final de quase 02 horas disso tudo, um zumbido no ouvido até que ficou barato...

Segue o setlist do show logo abaixo:

1. You Think I Ain't Worth a Dollar But I Feel Like a Millionaire
2. No One Knows
3. My God is The Sun
4. Burn The Witch
5. Smooth Sailing
6. In My Head
7. Kalopsia
8. Feel Good Hit of The Summer
9. The Lost Art of Keeping a Secret
10. The Vampyre of Time and Memory
11. If I Had a Tail
12. Little Sister
13. Turnin’ on The Screw
14. Fairweather Friends
15. I Sat by The Ocean
16. Misfit Love
17. Make it Wit Chu
18. Sick Sick Sick
19. Go With The Flow

ENCORE BREAK:

20. Hangin’ Tree (com Alain Johannes na 3ª guitarra, que foi o artista solo que abriu o show)
21. Do it Again
22. A Song For The Dead


Outras resenhas de Queens of The Stone Age (Pepsi On Stage, Porto Alegre, 27/09/2014)

Queens of the Stone Age: resenha e fotos do show em Porto Alegre




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Pagando mico: 10 maneiras de ser expulso ou humilhado em um showPagando mico
10 maneiras de ser expulso ou humilhado em um show

Conceituais: 7 álbuns que fizeram história contando uma históriaConceituais
7 álbuns que fizeram história contando uma história


Mick Jagger: em cerimônia na escola do filho em São PauloMick Jagger
Em cerimônia na escola do filho em São Paulo

Metal Sucks: os melhores álbuns de metal do século 21Metal Sucks
Os melhores álbuns de metal do século 21


Sobre Brunelson T.

Vocalista/guitarrista da banda Terrakiuz.

Mais matérias de Brunelson T. no Whiplash.Net.

WhiFin Goo336 GooAdHor Cli336 Goo336 Goo336