Nile: trazendo a ira de Rá para São Paulo

Resenha - Nile (Manifesto Bar, São Paulo, 26/08/2017)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Diego Camara
Enviar correções  |  Ver Acessos

Ver um show do Nile é sempre certeza de encontrar uma banda extremamente técnica e concentrada. É impossível contestar a capacidade musical da banda, com notas sempre perfeitas e um som impecável. O público da banda esta diminuindo aqui no Brasil - fazendo shows cada vez em lugares menores - mas os fãs continuam fanáticos e acolhedores, recebendo estes caras sempre de braços abertos. Confiram abaixo os principais detalhes do show de excelente produção da Dark Dimensions, com as imagens de Fernando Yokota.

Nile: confira a nova música "Vile Nilotic Rites"Rock e Heavy Metal: E se as capas dos álbuns fossem honestas?

O show começou com 30 minutos de atraso para um Manifesto bastante cheio. Não estava lotado, mas o público ocupava toda a área da pista da casa. O público aguardou com paciência, enquanto os integrantes da banda aguardavam o início do show. Não demorou muito para que Sanders e companhia tomassem seus lugares e a intro "Ushabti Reanimator" começasse a tocar no local. A banda finalizaria a intro tocando, e já encaixando com "Sacrifice Unto Sebek".

O som do show estava forte, com as guitarras soando potentes como sempre. A bateria de Kollias, porém, estava muito alta durante boa parte do show, eclipsando os outros instrumentos, em especial o som dos pratos. Os vocais sumiam bastante, mais do que as cordas. Porém, era visível que a técnica da banda brilhava mais uma vez, e o público aplaudiu com vontade a pancada no ouvido que eles entregavam.

Parris, ostentando uma belíssima camiseta do KRISIUN, disse com orgulho que é muito bom para a banda retornar a São Paulo. Tocaram então "Kafir!", um dos grandes sucessos da banda do excelente "Those Whom the Gods Detest". A abertura nas guitarras é primorosa, com o som limpo e radiante. O público grita, acompanhando com vontade os vocais, e o interlúdio da música é como sempre emocionante.

Os efeitos por sinal soavam ótimos nas caixas do Manifesto. Os tambores primais de "Hittite Dung Incantation" dão o tom musical da banda, na mistura de um death metal extremamente técnico e minucioso com os sons do Oriente Próximo, além da enorme influência norte africana. Essa é a assinatura que faz o Nile diferente no playground do Metal.

Entre outros destaques, o coro cantado pelo público em "In the Name of Amun" foi muito legal, além do retorno ao clássico "Amongst the Catacombs of Nephren-Ka" com o death metal cru de "The Howling of the Jinn", que fez o público gritar e bater cabeça de satisfação.

Fechando o show, a banda trouxe dois dos seus maiores sucessos. Primeiro "Unas Slayer of Gods", a mais pedida da noite pelos fãs. O público curtiu demais a música, em uma apresentação mais que perfeita da banda. O som folclórico oriental se mistura de maneira excelente com as guitarras da banda. Para fechar, Kingsland soltou um lindíssimo solo de guitarra, arrancando aplausos efusivos do público.

Para fechar veio "Black Seeds of Vengeance". Sanders elogiou o público, agradeceu sua presença mais uma vez e fechou o show com seu melhor. Um show curto, de pouco mais de 1 hora, padrão do Nile: a banda entra, toca forte dando 100% todo o tempo, sem interações exageradas, sem firulas, somente música. E então eles se vão, como uma tempestade de areia no deserto, deixando o silêncio da noite.

Nile é:
Karl Sanders - Guitarra e vocal
Brad Parris - Baixo e vocal
Brian Kingsland - Guitarra e vocal
George Kollias - Bateria

Setlist:
Intro: Ushabti Reanimator
1. Sacrifice Unto Sebek
2. Defiling the Gates of Ishtar
3. Kafir!
4. Hittite Dung Incantation
5. Call to Destruction
6. In the Name of Amun
7. The Fiends Who Come to Steal the Magick of the Deceased
8. The Howling of the Jinn
9. Kheftiu Asar Butchiu
10. Sarcophagus
11. Unas Slayer of the Gods
12. Black Seeds of Vengeance
Outro: Khetti Satha Shemsu




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato. Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Denuncie os que quebram estas regras e ajude a manter este espaço limpo.


Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Nile"


Nile: confira a nova música "Vile Nilotic Rites"Nile: confira capa, tracklist e uma música do novo álbum Vile Nilotic Rites

Death Metal: as 10 melhores bandas de acordo com a AOLDeath Metal
As 10 melhores bandas de acordo com a AOL

Geologia: Os 5 lugares mais Metal do planetaGeologia
Os 5 lugares mais "Metal" do planeta

Nile: eles diziam que eu não podia tocar sobre o EgitoNile
"eles diziam que eu não podia tocar sobre o Egito"


Rock e Heavy Metal: E se as capas dos álbuns fossem honestas?Rock e Heavy Metal
E se as capas dos álbuns fossem honestas?

Gosto Musical: artistas falam do que devia ser banido para sempreGosto Musical
Artistas falam do que devia ser banido para sempre

Donald Trump: os roqueiros que apoiam o presidente eleitoDonald Trump
Os roqueiros que apoiam o presidente eleito

Halloween: dez clássicos do Heavy Metal para curtir a dataHalloween
Dez clássicos do Heavy Metal para curtir a data

Ghost: uma foto assustadora dos bastidores do Rock In RioGhost
Uma foto assustadora dos bastidores do Rock In Rio

Rock Argentino: as dez baladas mais clássicasRock Argentino
As dez baladas mais clássicas

Guns N' Roses: o melhor cover de Sweet Child O'Mine?Guns N' Roses
O melhor cover de "Sweet Child O'Mine"?


Sobre Diego Camara

Nascido em São Paulo em 1987, Diego Camara é jornalista, radialista e blogueiro. Seu amor pelo metal e rock começou há 6 anos. Um amante da nova geração, é um grande fã de Arjen Lucassen, Andre Matos e bandas como Nightwish, Hammerfall, Sonata Arctica, Edguy e Kamelot. Também não deixa de ter amor pelos clássicos, como Helloween, Gamma Ray e Iron Maiden e do Rock de bandas como Oasis, Queen e Kings of Leon. Atualmente seus textos podem ser lidos no blog OCrepusculo.com sobre assuntos diversos, além de planos para criação de um projeto totalmente voltado aos blogs de Rock e Metal.

Mais informações sobre Diego Camara

Mais matérias de Diego Camara no Whiplash.Net.

adGoo336|adClio336