Animals as Leaders: uma pancada no ouvido do público brasileiro

Resenha - Animals as Leaders (Carioca Club, São Paulo, 26/07/2017)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Diego Camara
Enviar correções  |  Ver Acessos

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Este é o tipo de show onde comentários podem estragar a sublimidade que é ter contato com a música. Talvez o melhor seria só colar as fotos, o setlist aqui e deixar as imagens falassem pelo show. É difícil descrever obras de arte, especialmente quando o trabalho é extremamente e bem construído, nota a nota, sem nenhuma falha, sem nenhuma ponta solta. O show do Animals as Leaders, que ocorreu neste último final de semana, é mostra exatamente de um espetáculo deste nível. Confiram abaixo alguns detalhes (se dá pra ter detalhes neste show) com as imagens de Fernando Yokota.

Iron Maiden: as 20 melhores músicas da "Era de Ouro"Marilyn Manson: 7 coisas que você não sabia sobre ele

Parecia que seria um show de pouco público, pois faltando em torno de 20 minutos para o início o público ocupava apenas metade do Carioca Club. Mas os fãs deixaram para chegar na última hora, e minutos antes do início do show a casa estava bastante cheia, digna da banda que iria se apresentar. O show começou com seis minutos de atraso. A banda abriu o show já com uma bela sonoridade. O som do palco estava muito bom, a bateria soava perfeita e os graves estavam lindos na construção da base de "Arithmophobia".

A banda tocou em seguida "Ectogenesis", mais cadenciada que sua anterior, mas ainda com muita expressão. Belo destaque para o som mais agudo das guitarras, que cortaram a linha de "baixo" e a bateria com a precisão de uma linha. A música ainda tem outra bela demonstração de técnica, com o solo de bateria de Matt Garstka, que arranca suspiros da plateia. "Cognitive Contortions" veio em seguida, com uma pancada da bateria e mais uma salva de palmas para a banda, que encantava todos os presentes.

O som animalesco da banda contrastava com a extrema calma dos integrantes, especialmente de Abasi que demonstra frieza extrema na execução das músicas. Ele não parece sentir esforço ou cansaço, não parecia nem suar enquanto tocava músicas tão intrincadas e complexas. Os integrantes parecem estar em uma "jam", enquanto tocam músicas tão profundas em som e técnica que parecem fazer o prelúdio do fim dos tempos.

O show seguiu desta mesma maneira, com nada fora do lugar, nem sequer uma nota. A sequência contrastou músicas com extrema força nas cordas e pegadas fortes na bateria, como em "Wave of Babies", do som limpo das guitarras em "Do Not Go Gently" e "Nephele" e da estrondosa bateria de "Ka$cade". Independente da maneira que a banda fizesse sua inflexão, a força e a qualidade eram a mesma, mostrando como os três formam uma simbiose espetacular, onde quem ganha é o público.

"Physical Education" foi outro belíssimo destaque do show. O público curtiu bastante, fazendo o coro na música a plenos pulmões (em um dos pouquíssimos momentos de interação entre os fãs e a banda - que foi deixava livre para executar as músicas sem a interação do público). A pegada animada da música, que se contrasta um pouco com o estilo mais "sério" que a banda expõe no decorrer do show, mostrou variações impressionantes de som e a animação dos integrantes.

"Brain Dance" viria em seguida, com o som de uma guitarra que se aproxima do violão, extremamente emocionante. Um show de técnica dos dois guitarristas - se ainda podemos falar de surpresas nesta altura.

Quando todo mundo menos esperava, Abasi puxou o microfone para anunciar o fim do show, agradecer ao público e anunciar "CAFO", a última música da noite. Sem dúvidas fecharam com o que tem de melhor, uma música potente e forte do início ao fim e com direito a acompanhamento do público nas palmas, sem perder o ritmo.

Com o término da música, os fãs continuaram ali parados, a espera de um bis. Gritaram pelo Animals, pediram mais uma música, mesmo enquanto um dos roadies já começava a mexer na bateria, para desmonta-la. Não tiveram resposta, o show havia mesmo terminado, e ninguém tinha muito mais escolha do que sair como o nosso fotógrafo Fernando Yokota, extremamente indignado de como estes caras podem tocar tanto sem nem fazer esforço.

Animals as Leaders é:
Tosin Abasi - Guitarra
Javier Reyes - Guitarra
Matt Garstka - Bateria

Setlist:
1. Arithmophobia
2. Ectogenesis
3. Cognitive Contortions
4. Wave of Babies
5. Do Not Go Gently
6. Tooth and Claw
7. Nephele
8. Tempting Time
9. Ka$cade
10. Physical Education
11. The Brain Dance
12. Inner Assassins
13. The Woven Web
14. CAFO




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Animals As Leaders"


Iron Maiden: as 20 melhores músicas da Iron Maiden
As 20 melhores músicas da "Era de Ouro"

Marilyn Manson: 7 coisas que você não sabia sobre eleMarilyn Manson
7 coisas que você não sabia sobre ele

Separadas no nascimento: Amy Lee (Evanescence) e Shione Cooper (atriz pornô)Separadas no nascimento
Amy Lee (Evanescence) e Shione Cooper (atriz pornô)

Slash: Um dia Michael Jackson ficou puto com ele?Fotos: confira 10 das mais curiosas no mundo do Rock - Parte 1Slayer: a trágica e não revelada história do fim de Jeff HannemanResenha - Marilyn Manson (Maximus Festival, São Paulo, 07/09/2016)

Sobre Diego Camara

Nascido em São Paulo em 1987, Diego Camara é jornalista, radialista e blogueiro. Seu amor pelo metal e rock começou há 6 anos. Um amante da nova geração, é um grande fã de Arjen Lucassen, Andre Matos e bandas como Nightwish, Hammerfall, Sonata Arctica, Edguy e Kamelot. Também não deixa de ter amor pelos clássicos, como Helloween, Gamma Ray e Iron Maiden e do Rock de bandas como Oasis, Queen e Kings of Leon. Atualmente seus textos podem ser lidos no blog OCrepusculo.com sobre assuntos diversos, além de planos para criação de um projeto totalmente voltado aos blogs de Rock e Metal.

Mais informações sobre Diego Camara

Mais matérias de Diego Camara no Whiplash.Net.

adGoo336|adClio336