Tarja Turunen: trazendo novamente ao Brasil uma boa turnê solo

Resenha - Tarja Turunen (Tom Brasil, São Paulo, 20/05/2017)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Diego Camara
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Em menos de dois anos, Tarja Turunen retorna ao Brasil com mais uma de suas turnês solo. Com “The Shadow Self”, seu novo disco lançado em 2016, debaixo do braço, ela trouxe um setlist extremamente renovado para o novo show, tocando mais da metade de seu novo disco ao vivo – mostrando confiança em seu novo trabalho. O show teve seus altos e baixos, de momentos esplendorosos a alguns onde se sentiu que podia ser melhor, mas no geral agradou bastante ao público. Confira abaixo os principais detalhes, com as fotos de Fernando Yokota.

5000 acessosMotley Crue: Atriz pornô comenta sua relação com Tommy Lee5000 acessosEm 16/01/1993: o Nirvana fazia um show catastrófico no Brasil

O show começou praticamente no horário. Quando começou a soar a introdução no áudio da casa, os fãs ficaram em total insanidade, especialmente com a entrada de sua musa. O público, apesar de não ser dos maiores – a pista normal especialmente estava bastante vazia – fez muito barulho durante boa parte do espetáculo, gritando e aplaudindo. Tarja abriu o show com “Demons in You”, música de seu novo disco, muito bem recepcionada pelos fãs. No final, mostrou seu amor ao público, agradecendo a todos os fãs por estarem novamente com ela.

O novo disco, apesar de ser bastante similar em estilo aos anteriores, agradou muito os fãs. “No Bitter End”, com uma abertura a capella de Tarja, foi extremamente emocionante. Coroada também por um excelente solo de guitarra, que levantou o público. O som da casa esteve, como sempre, impecável durante todo o show. Bastante forte e potente na medida certa, ele favoreceu bastante a voz de Turunen, sem fazer com que o acompanhamento da banda perdesse o rumo ou sentido. Isso ficou bastante claro na música seguinte, “Lucid Dreamer”.

Outro excelente destaque do show ficou para a música “Supremacy”, cover do MUSE que foi gravado também no novo disco. Ficou em destaque a excelente abertura da banda, com as guitarras potentes que mimicaram muito bem o som original dos britânicos. A voz de Tarja destoa, de uma boa maneira, criando um elemento novo para a música, que a tornou bastante autêntica.

Como em todos os shows, Tarja não costuma deixar seus fãs do Nightwish totalmente desamparados. Apesar de claramente evitar tocar músicas de sua antiga banda nos seus shows – claro que por óbvios motivos – ela sempre traz algo diferente em suas apresentações. Desta vez, Nightwish virou um longo medley, com a abertura egípcia e enigmática de “Tutankhamen”, seguida pelo sucesso “Ever Dream”, “The Riddler” e finalizando com um belíssimo solos de guitarra no final com “Slaying the Dreamer”. Não preciso dizer que esta foi sem dúvidas uma das mais comemoradas pelos fãs, que gritaram com vontade e pularam como nunca.

A sessão acústica é simples, sem muito sal, como um descanso para a banda de todas as pancadas que soltam durante o show. Mas não deixa de ser emocionante para os fãs. O grande destaque ficou para seu fechamento, com os fãs cantando aos plenos pulmões o refrão de “I Walk Alone” com Tarja. “Undertaker” e “Victim of Ritual” foram os destaques do final do show, com o público bastante cantante. O que achei estranho, no caso, foi o excesso de voice over na última música, deixando ela em alguns momentos um pouco mecanizada demais, o que é meio desnecessário para um show que deve primar pela qualidade da voz – afinal é para isso que os fãs estão lá.

O destaque do bis fica por conta de “Until my Last Breath”, que ainda é um grande resumo da excelência da carreira solo de Turunen – e sem dúvidas ainda a preferida do público. No resultado geral, o show foi muito bom, e o público pareceu sair da casa com mais um gosto de quero mais. A grande pena foi a remoção de “The Phantom of the Opera” do setlist. É uma música que pede os vocais de Tarja.

Setlist:
1. Demons in You
2. 500 Letters
3. No Bitter End
4. Lucid Dreamer
5. Shameless
6. Calling from the Wild
7. Supremacy (cover do Muse)
8. Tutankhamen / Ever Dream / The Riddler / Slaying the Dreamer (medley do Nightwish)
9. Set Acústico (Until Silence / The Reign / Mystique Voyage / House of Wax / I Walk Alone)
10. Love to Hate
11. Undertaker
12. Too Many
13. Victim of Ritual
Bis:
14. Innocence
15. Die Alive
16. Until My Last Breath

Comente: Estava lá? Como foi?

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de Tarja Turunen (Tom Brasil, São Paulo, 20/05/2017)

1337 acessosTarja Turunen: Como foi a apresentação da cantora em São Paulo

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 24 de maio de 2017

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Nightwish"

Arch Enemy e NightwishArch Enemy e Nightwish
Muito além das diferenças

HumorHumor
E se uma brasileira assumisse o vocal do Nightwish?

Floor JansenFloor Jansen
Ela acha Slayer horrível e entediante

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de Shows0 acessosTodas as matérias sobre "Tarja Turunen"0 acessosTodas as matérias sobre "Nightwish"

Motley CrueMotley Crue
Atriz pornô comenta sua relação com Tommy Lee

NirvanaNirvana
Lendário show no Hollywood Rock completa 20 anos

MotorheadMotorhead
Destaques do funeral de Lemmy Kilmister

5000 acessosRolling Stone: revista elege melhores faixas de álbuns ruins5000 acessosSeparados no nascimento: Phil Lynott e Tiririca5000 acessosPra convencer: dez álbuns de metal para quem não gosta de metal5000 acessosMegadeth: era para deixar a barba crescer e mudar o logo4457 acessosTeoria musical: os elementos básicos de uma canção5000 acessosAudiofilia: fones da Apple são pior meio para se ouvir música

Sobre Diego Camara

Nascido em São Paulo em 1987, Diego Camara é jornalista, radialista e blogueiro. Seu amor pelo metal e rock começou há 6 anos. Um amante da nova geração, é um grande fã de Arjen Lucassen, Andre Matos e bandas como Nightwish, Hammerfall, Sonata Arctica, Edguy e Kamelot. Também não deixa de ter amor pelos clássicos, como Helloween, Gamma Ray e Iron Maiden e do Rock de bandas como Oasis, Queen e Kings of Leon. Atualmente seus textos podem ser lidos no blog OCrepusculo.com sobre assuntos diversos, além de planos para criação de um projeto totalmente voltado aos blogs de Rock e Metal.

Mais informações sobre Diego Camara

Mais matérias de Diego Camara no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em junho: 1.119.872 visitantes, 2.427.684 visitas, 5.635.845 pageviews.

Usuários online