RECEBA NOVIDADES ROCK E METAL DO WHIPLASH.NET NO WHATSAPP

Matérias Mais Lidas

imagemFatboy Slim confessa ter se arrependido de conhecer David Bowie pessoalmente

imagemA influente banda que acabou causando a "separação" do Guns N' Roses

imagemQuando Roberto Carlos foi alfinetado por Raul Seixas, mas o Rei gostou do que ouviu

imagemO megahit dos Beatles inspirado em desenho de amiguinha do filho de John Lennon

imagemOzzy Osbourne é contemplado com dois Grammy na edição de 2023 do evento

imagemO grande amor de Renato Russo que durou pouco mas marcou sua vida para sempre

imagemAs polêmicas escolhas do Nirvana para o "MTV Unplugged in New York"

imagemAs 5 bandas confirmadas no Summer Breeze Brasil que não tocarão em outras cidades

imagemO hit da Legião Urbana que Renato Russo considerava "pretensioso e babaca"

imagemA única música tocada no Festival de Woodstock que atingiu o primeiro lugar nas paradas

imagemQuando o Lynyrd Skynyrd irritou Mick Jagger ao abrir o show dos Rolling Stones

imagemNovo álbum do Angra será o melhor da era Fabio Lione, segundo Felipe Andreoli

imagemLendário empresário do Kiss se manifesta sobre acusações de playback de Paul Stanley

imagemKiss: Segundo Gene Simmons, Ace Frehley votou pela demissão de Peter Criss, em 1980

imagemMax Cavalera escolhe seus álbuns "não metal" preferidos


Stamp

Grave Digger: Fazendo mais um show consistente no Brasil

Resenha - Grave Digger (Carioca Club, São Paulo, 26/03/2017)

Por Diego Camara
Postado em 30 de março de 2017

É difícil falar algo diferente do GRAVE DIGGER. Eles já tem uma mão cheia de passagens pelo país, e sempre que vem ao Brasil levam boas plateias em todos os shows que se apresentam, mostrando um público cativo e bastante apaixonado por estes mestres do heavy metal épico. Desta vez, vieram com um novo disco debaixo do braço: "Healed by Metal", lançado em janeiro deste ano pela Napalm Records. Confiram abaixo os principais pontos do show, com as fotos de Kennedy Silva.

O show contou com a abertura dos brasileiros do ARMAHDA. Uma banda que une um som de heavy metal com bons elementos musicais nacionais e ótimas letras sobre momentos da história do Brasil. Foram 40 minutos de espetáculo, e a banda foi muito bem recebida pelos fãs, que curtiram bastante o show. A qualidade do som estava ótima, marca do respeito da produtora com as bandas de abertura. Dou como destaques a música "Canudos", que tem uma excelente ligação com o estilo musical do cangaço, e "Paiol em Chamas", uma música potente e rápida cantada em português.

Não demorou muito, após o Armahda, para o Grave Digger subir ao palco. Uma espera de menos de 20 minutos mostrou o excelente trabalho da equipe de som mais uma vez, já estava tudo pronto para o espetáculo principal. A banda subiu ao palco às 20h em ponto para um Carioca Club bastante cheio. Foram muito bem recepcionados e abriram com a ótima "Healed by Metal", do novo disco. O público cantou com vontade junto com Boltendahl, que animou bastante os fãs da banda.

Depois da abertura, a banda sacou um dos seus velhos clássicos que dificilmente fogem do repertório. O público curtiu muito "Witch Hunter". O som estava realmente ótimo, perfeito. Era possível ouvir todos os instrumentos da música. Foi um excelente trabalho da equipe técnica e da produtora, que pelo visto cumpriram muito bem com o que um show como o do Grave Digger pede.

"Ballad of a Hangman" teve o bom e velho clichê de brincar com o público, que entoou o coro da música com prazer para Boltendahl. "Lionheart" também foi um ótimo destaque, com um refrão cantado a plenos pulmões pelos fãs. "The Round Table" marcou um excelente solo de guitarra de Axel Ritt, que emocionou o público e garantiu aplausos da plateia. A bateria foi um grande destaque em "The Dark of the Sun", e a plateia se encantou com "Morgan le Fay".

Fechando o show, a banda trouxe a pancada de heavy metal que é "Excalibur". Infelizmente, a música desta vez não veio junto com "Knights of the Cross", que fez falta desta vez no setlist. Para fechar, a banda trouxe como sempre seu maior clássico "Rebellion (The Clans are Marching)", onde como sempre a plateia é destaque e ofusca a banda. Primeiro cantam juntos com o vocalista, depois sozinhos, em uma afinação perfeita com o som do Digger. O solo de Ritt, mais uma vez, é perfeito e limpo, e a marcha dos escotos faz tremer o Carioca Club.

[an error occurred while processing this directive]

No bis, a banda mostrou que não perdeu o ritmo conquistado em mais de uma hora de show. Abriram com "The Last Supper", que não pode faltar no setlist da banda. O ótimo solo de piano na introdução da música deu o tom para um bis que não perdeu o ritmo da parte principal da apresentação.

[an error occurred while processing this directive]

A banda ainda teria fôlego para voltar ao palco mais uma vez, afinal não seria logo aqui que eles não fechariam o show com "Heavy Metal Breakdown". A banda deu seu tudo para fechar nesta música. O público cantou com vontade, emocionando a banda, que parecia não querer acabar o show. Fez uma pausa, mais uma boa brincadeira com os fãs, para logo em seguida continuar a música. A satisfação no rosto do público no fim do show era evidente, apesar que muitos realmente poderiam ter encarado ainda mais uma hora de espetáculo facilmente.

Grave Digger é:
Chris Boltendahl – Vocal
Axel Ritt – Guitarra
Jens Becker – Baixo
Marcus Kniep – Teclados
Stefan Arnold – Bateria

[an error occurred while processing this directive]

Setlist:
1. Healed By Metal
2. Lawbreaker
3. Witch Hunter
4. Killing Time
5. Ballad of a Hangman
6. Season of the Witch
7. Lionheart
8. The Round Table (Forever)
9. Tattooed Rider
10. The Dark of the Sun
11. Hallelujah
12. Morgane le Fay
13. Keyboard Solo
14. Excalibur
15. Rebellion (The Clans Are Marching)
Bis:
16. The Last Supper
17. Call For War
Bis 2:
18. Highland Farewell
19. Heavy Metal Breakdown

[an error occurred while processing this directive]

[an error occurred while processing this directive]

Comente: Estava lá? Como foi?

Compartilhar no FacebookCompartilhar no WhatsAppCompartilhar no Twitter

Siga e receba novidades do Whiplash.Net:

Novidades por WhatsAppTelegramFacebookInstagramTwitterYouTubeGoogle NewsE-MailApps


Def Leppard Motley Crue 2

Anos 90: 10 shows pouco comentados

Kai Hansen: escolhendo as dez maiores bandas de metal da Alemanha

Capas: as 10 mais bonitas lançadas em 2014 eleitas por blog


publicidadeAdemir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | André Silva Eleutério | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Euber Fagherazzi | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Henrique Haag Ribacki | José Patrick de Souza | Julian H. D. Rodrigues | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Sergio Luis Anaga | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Sobre Diego Camara

Nascido em São Paulo em 1987, Diego Camara é jornalista, radialista e blogueiro. Seu amor pelo metal e rock começou há 6 anos. Um amante da nova geração, é um grande fã de Arjen Lucassen, Andre Matos e bandas como Nightwish, Hammerfall, Sonata Arctica, Edguy e Kamelot. Também não deixa de ter amor pelos clássicos, como Helloween, Gamma Ray e Iron Maiden e do Rock de bandas como Oasis, Queen e Kings of Leon. Atualmente seus textos podem ser lidos no blog OCrepusculo.com sobre assuntos diversos, além de planos para criação de um projeto totalmente voltado aos blogs de Rock e Metal.
Mais matérias de Diego Camara.