Aristocrats: música instrumental para humanos

Resenha - Aristocrats (Carioca Club, São Paulo, 15/11/2016)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Fernando Yokota
Enviar correções  |  Ver Acessos

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

O velho Aristóteles nos lembra que a aristocracia é, como indica sua etimologia, é o "governo dos melhores". Se o sábio estagirita estivesse escrevendo o livro terceiro da sua Política em pleno fim do úmido feriado da proclamação da república em São Paulo, não hesitaria em trazer, a título de alegoria, a lembrança de três rapazes engraçados que, certamente, eram os melhores naquilo que faziam.

As regras do Punk RockRaul Seixas: Em carta psicografada, o alerta sobre a Sociedade Alternativa e as drogas?

Guthrie Govan, Bryan Beller e Marco Minnemann passaram por São Paulo e a última preocupação deles era a de escrever um tratado sobre as formas de governo. O intuito da inédita vinda dessa joia da música instrumental em solo brasileiro era a de promover seu último trabalho, Tres Caballeros, e demonstrar o uso de toda a caixa de ferramentas musical à disposição do impressionante trio (vale lembrar que os dois últimos são também a cozinha da banda de JOE SATRIANI e voltam ao país no mês que vem acompanhando o icônico guitarrista).

Diferentemente da grande maioria dos shows de música instrumental, a apresentação desses três cavalheiros acaba por não produzir o efeito modorrento que acomete boa parte da concorrência. A grande virtude do trio é a de entregar ao público o gordo saco de virtuosismo numa embalagem de bom humor e das histórias que circundam a composição dos temas.

Mas que o leitor não se engane aqui: os ARISTOCRATS não são apenas um trio "engraçadinho" com boas histórias. Além do domínio sui generis de seus instrumentos, as composições são excelentes. Mesmo quando Beller, o baixista, apresenta Louisville Stomp como um "jazzinho de merda", ou Texas Crazypants como um nome que ele tirou depois de um episódio maluco quando se mudava de Nashville para a Califórnia, o que a banda oferece vai além de meras camas harmônicas que servem de desculpa para que eles possam fritar seus instrumentos.

Além da boa música e da execução melhor ainda, a apresentação dos ARISTOCRATS da ainda espaço para uma dose de conhecimentos gerais com a chuva de carniça vomitada por abutres no Kentucky do século XIX que inspirou Govan, o guitarrista, a escrever The Kentucky Meat Shower; a referência a fenômenos culturais atuais como Breaking Bad; a "desculpa" para Beller escrever a grudenta e espaguética Smuggler's Coorridor (que poderia ser a trilha sonora de qualquer filme de Tarantino, Jarmusch ou Aki Kaurismäki); a tragicomédia de Minnemann ao contar sobre quando quase foi levado por um tornado (ao apresentar Desert Tornado); ou, mais importante, a reflexão acerca do choque cultural que um trio formado por um americano, um inglês e um alemão não poderia exemplificar de forma melhor como podemos ser tão diferentes e tão iguais ao mesmo tempo (Culture Clash).

De um encontro com a aristocracia musical, em que nenhuma nota fora deixada para trás, chega a ser irônico pensar que a mais forte recordação que se possa levar dessa noite é a empatia entre a pista e o palco, a estranha e prazerosa sensação de que em meio àquela música tão complexa e precisamente executada o elemento humano ainda prevalece. De maneira até simbólica, isso fica latente nos momentos em que eles largam seus instrumentos e empunham seus porcos e galinha de borracha. Ao invés do espanto com a técnica, eles passam a produzir o riso da plateia.

Os ARISTOCRATS têm a sagacidade de perceber que se o que atrai o público é o aspecto quase mítico da técnica de seus integrantes, o que cativa as pessoas ainda é o lado humano e nada perfeito: no fim, para estabelecer contato com as pessoas, a música deixa de ser fim para ser apenas meio. A magia, enfim, acontece justamente nesse instante em que a aristocracia desce à ágora (ou, no caso, ao Largo da Batata) e mostra que é gente como eu ou você: os seres humanos, lembra Aristóteles, ainda são animais políticos.

(com o agradecimento à 4 Fun Fest pelo credenciamento)

Setlist:

Stupid 7
Jack's Back
Texas Crazypants
Pressure relief
Louisville Stomp
Culture Clash
Pig's day off
Desert Tornado
Smuggler's Corridor
The Kentucky Meat Shower
Get it Like That

Os ARISTOCRATS são:

Guthrie Govan: guitarra
Bryan Beller: baixo
Marco Minnemann: bateria




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "The Aristocrats"


Punk RockPunk Rock
Seja feio, beba muito, e nunca penteie o cabelo

Raul SeixasRaul Seixas
O alerta sobre as drogas em carta psicografada?

Osama Bin LadenOsama Bin Laden
O que havia na sua coleção de cassetes?

Rock: 25 fotos pra fazer você continuar acreditando na músicaSinceridade: e se as capas de discos dissessem a verdade?Heavy Metal: as 10 melhores músicas de metal sobre o metalDave Grohl: "Chris não se comparava com o resto dos maníacos de Seattle"

Sobre Fernando Yokota

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

adGooILQ