Circuito Banco do Brasil 2014: a última etapa no Rio de Janeiro

Resenha - Circuito Banco do Brasil (Rio de Janeiro, 08/11/2014)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Gabriel von Borell
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.













Neste sábado (8), aconteceu no Rio de Janeiro a última etapa do Circuito Banco do Brasil 2014, que entre o final de outubro e início de novembro já havia realizado as edições de Belo Horizonte, Brasília e São Paulo. Se no ano passado o festival na Cidade Maravilhosa teve sede no Parque dos Atletas e contou com Red Hot Chili Peppers e Yeah Yeah Yeahs como headliners, desta vez o Circuito Banco do Brasil no RJ ocorreu na Praça da Apoteose, no Centro da cidade, e teve como atrações principais MGMT, Paramore e Kings of Leon. Já a música nacional no evento foi representada pelo Frejat e a baiana Pitty. As apresentações transcorreram sem atrasos ou quaisquer problemas técnicos, embora a chuva tenha irrompido nos céus pouco antes do grupo liderado por Hayley Williams subir ao palco montado no Sambódromo.

Por volta de 17h, Pitty e seus companheiros de banda aqueceram o público quando o tempo ainda estava seco e as pessoas começavam a chegar ao local. Depois, às 19h, foi a vez de Frejat animar a galera na edição carioca do CBB 2014. Quando foi a hora do quinteto indie MGMT surgir no palco, pouco depois de 20h, o público já comparecia em bom número na Praça da Apoteose. Embora os fãs do grupo estivessem empolgados para o show de Andrew VanWyngarden e cia, a banda não correspondeu às expectativas. Sem interação com a plateia, o vocalista e o restante do grupo se apresentaram de forma mecânica, enquanto o telão projetava interessantes efeitos psicodélicos. O único momento em que o VanWyngarden parecia se divertir era quando botava as suas mãos na câmera GoPro perto dele para filmar o próprio rosto e os dos outros integrantes. Aliás, o cantor só conversou com a plateia para anunciar qual seria a última música executada pelo grupo, “Brian Eno”. Então o MGMT saiu de cena discretamente, sem fazer o menor esforço para empolgar seus fãs.

No entanto, se faltou energia para a banda do Brooklyn, EUA, o Paramore, que se apresentou a partir de 21h30, tinha disposição de sobra. O popular trio, que conta, ao lado de Hayley, com o guitarrista Taylor York e o baixista Jeremy Davis, sacudiu a Apoteose com muitas faixas de sucesso, agitação, presença de palco e interação com o público. Sempre que vem ao Brasil, é preciso dizer, a cantora de 25 anos prova que sabe como ninguém “vender o seu peixe”. E assim a cada ano o Paramore monta um “exército” ainda maior de fãs, que costuma gritar “We are Paramore” junto com o grupo. O carisma da banda também inegável, como quando uma fã chamada Thaís foi convidada ao palco por Hayley para cantar um trecho de “Misery Business” com ela. Em determinado momento, a adolescente levou um baita tombo de costas ao descer de uma caixa de som e rapidamente o trio se jogou no chão ao lado dela, contornando a situação embaraçosa e evitando o constrangimento da jovem. Algumas faixas depois, o Paramore encerrou sua apresentação de forma memorável com uma versão estendida de “Ain’t it Fun”, que não deixou ninguém parado e fez os fãs perceberem mais o suor em seus rostos do que a própria chuva, que naquela altura já caía com certa intensidade.

Para fechar a noite, o Kings of Leon comandou o público carioca quando o relógio marcava 23h15. Era nítido que àquela altura boa parte da galera já havia ido embora, mas quem continuou na Praça da Apoteose certamente não se arrependeu. Nove anos depois de tocar no Rio de Janeiro pela primeira vez (no extinto Tim Festival), como bem anunciou o vocalista Caleb Followill durante o show, o Kings of Leon, embora tenha um comportamento discreto no palco, estava animado em retornar à capital fluminense. Ao lado de seus irmãos Jared (baixo) e Nathan (bateria), e do primo deles, Matthew Followill (guitarra), Caleb percorreu todas as fases do grupo, desde o estouro do Kings of Leon com “Molly’s Chambers”, do disco de estreia “Youth and Young Manhood” (2003), até faixas do álbum mais recente, “Mechanical Bull” (2013), como “Don’t Matter”. Enquanto isso, o momento mais emocionante do show ficou por conta da balada “Cold Desert”, do CD “Only By the Night”. Mais tarde, “Sex on Fire”, também do disco de 2008, encerrou a apresentação do Kings of Leon com a Praça da Apoteose incendiada, quando até a chuva já tinha parado para não estragar aquele encerramento.

Fotos: Eduardo Magalhães e Diego Padilha/ Divulgação CBB/

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Paramore"

ParamoreParamore
O que acontece quando você ouve uma música a 33rpm?

KerrangKerrang
Os 50 discos mais importantes dos anos 2000

Aquecimento vocal pré-showAquecimento vocal pré-show
O exemplo de James Hetfield

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de Shows0 acessosTodas as matérias sobre "Paramore"0 acessosTodas as matérias sobre "Kings Of Leon"

The VoiceThe Voice
Candidato canta Slipknot e passa para a próxima fase

MetallicaMetallica
Joguem este processo no lixo, dizem para banda cover

MetallicaMetallica
James Hetfield elege as suas dez músicas favoritas

5000 acessosRatos de Porão x Iron Maiden: resposta de Jão à entrevista de Bruce Dickinson5000 acessosAtores de Hollywood no mundo da música5000 acessosAngra e Detonator: "Sem nenhuma dúvida, esse cara comprou a mídia!"5000 acessosVanusa e Black Sabbath: a notável coincidência nos riffs5000 acessosShow das Poderosas: pre-pare-se para uma versão metal3224 acessosGuns N' Roses: o duelo entre "Sweet Child" e "WTTJ" no cinema

Sobre Gabriel von Borell

Gabriel von Borell, nascido em 30/03/85, jornalista. Não vive sem música e também não se apega a rótulos musicais. Acredita que todo preconceito é burro, inclusive o musical. Escuta de tudo um pouco, considerando que um jornalista deve estar aberto pra conhecer e comentar sobre qualquer músico ou banda. Pode ser encontrado no Twitter em @gabrielborell.

Mais matérias de Gabriel von Borell no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em junho: 1.119.872 visitantes, 2.427.684 visitas, 5.635.845 pageviews.

Usuários online