Aerosmith: emocionando o público no Rio de Janeiro

Resenha - Whitesnake e Aerosmith (Praça da Apoteose, Rio de Janeiro, 18/10/2013)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Gabriel von Borell
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.















Depois de trazer suas últimas turnês apenas para São Paulo, o Aerosmith finalmente voltou a incluir o Rio de Janeiro em sua rota de excursão. Steven Tyler e cia não se apresentavam na Cidade Maravilhosa desde 1994, quando foi uma das atrações do extinto Hollywood Rock.

E nem a chuva que insistia em cair na capital fluminense na sexta-feira (18) diminuiu a empolgação dos fãs cariocas que se dirigiam para a Praça da Apoteose naquela noite para encontrar (ou reencontrar) aqueles figurões do hard rock, que até hoje conseguem se manter em alta na insdústria musical.

A abertura do show ficou por conta do Whitesnake, outra banda de hard rock extremamente popular. Sem atrasos, David Coverdale e seus companheiros de grupo subiram ao palco pontualmente às 21h, quando boa parte do público, cerca de 18.000 pessoas, ainda chegava à Praça da Apoteose, já que a chuva que caía na cidade atrapalhava o trânsito e complicava o roteiro dos fãs.

O Whitesnake, que há pouco mais de dois anos também abriu o show do Judas Priest no Rio de Janeiro, mais uma vez fez uma memorável apresentação de abertura. E o repertório do grupo mudou pouca coisa de 2011 para cá. No show Coverdale não dispensou clássicos com "Love Ain't No Stranger", "Is This Love', "Still of the Night" e 'Here I Go Again". E também mandou sucessos do álbum mais recente do grupo, "Forevermore" (2011), como "Love Will Set You Free" e "Steal Your Heart Away".

David Coverdale e banda aqueceram o público, mesmo debaixo de forte chuva, por cerca de 1h10 de show e depois os cariocas precisaram aguentar, aproximadamente, mais uma hora para ficar cara a cara com Steven Tyler. Tudo pelo Aerosmith. E quando o vocalista entrou no palco, com suas roupas mega chamativas e seu microfone coberto de lenços compridos e coloridos, ao lado de Joe Perry (guitarra), David Hull (baixo), substituto de Tom Hamilton, que não pôde vir ao Brasil por motivos de saúde, Joey Kramer (bateria) e Russ Irwin (teclado), todo o incômodo provocado pela chuva passou e os fãs só queriam saber de aproveitar aquele momento ao máximo.

Em excelente forma vocal e física, Steven comandou a plateia a todo momento com suas dancinhas, firulas, berros, gritos, caras e bocas, e seu talento musical, óbvio. Sem deixar de sensualizar por um instante, até para a câmera, e com muita simpatia, inclusive, o cantor começou o show do Aerosmith por volta de 23h10 e de cara mandou a chuva se f****. Então a banda executou "Back in the Saddle Again", do álbum "Rocks" (1976), para incendiar a Praça da Apoteose e fazer o público esquecer de vez a chuva.

"Love in an Elevator" e "Toys in the Attic" pareciam ter a mesma missão de criar uma atmosfera super quente em contraste com o mau tempo. Depois veio a nova "Oh Yeah", presente no CD "Music From Another Dimension!", lançado em 2012. E à medida que o Aerosmith mandava seus clássicos, como "Janie's Got a Gun", "Dude (Looks Like a Lady e "Rag Doll", a animação da plateia carioca aumentava.

Mas foi com "Cryin" que a apresentação do grupo atingiu seu ponto máximo de conexão com o público. Enquanto Tyler cantava os conhecidos versos da canção, os fãs acompanhavam com coro, gritos, pulos, choros e abraços coletivos. Uma loucura. Depois a apresentação seguiu com "Last Child", "Rag Doll" e o cover de Fleetwood Mac "Stop Messin' Around".

Já em "What it Takes", o vocalista jogou para galera e o público cantou a primeira parte da música, à capela. Depois Tyler assumiu os vocais de volta e a banda entrou junto na canção. Em seguida, já sem chuva, veio "Livin' on the Edge" e "I Don't Want to Miss a Thing", outra que causou extrema comoção na plateia. Mais tarde, "Come Together", cover dos Beatles, e "Walk this Way", que fez todo mundo dançar com o suíngue da música, fecharam o set do Aerosmith à 00h40. Logo depois um piano entrou no palco e Steven Tyler apareceu para emocionar o público com uma interpretação inspirada de "Dream On".

O retorno da banda foi completado por "Sweet Emotion" e "Mama Kin", e então novamente o Aerosmith saiu de cena, pouco depois de 1h. No segundo bis, os fãs pediram "Crazy" em uníssono e, sendo já previsto ou não, a banda executou o primeiro trecho da música, para delírio da plateia carioca. Depois Tyler e cia emendaram no cover de Tiny Bradshaw "Train Kept A-Rollin'", fechando duas horas de apresentação. Ainda houve tempo para o grupo de Boston, Massachusetts, se despedir prolongadamente dos fãs do Rio de Janeiro. E claro que Tyler não iria embora sem sensualizar com a câmera pela última vez. Agora fica somente o desejo dos cariocas de que não demore outros 19 anos para que o Aerosmith apareça novamente na cidade onde ele, empolgado ao extremo, até beijou uma fã de língua e quase botou as partes íntimas para fora.

Setlist:

1- "Back in the Saddle"
2- "Love in an Elevator"
3- "Toys in the Attic"
4- "Oh Yeah"
5- "Janie's Got a Gun"
6- "Dude (Looks Like a Lady)"
7- "Rag Doll"
8- "Cryin'"
9- "Last Child"
10- "Jaded"
11- Stop Messin' Around" (cover de Fleetwood Mac)
12- "What It Takes"
13- "Livin' on the Edge"
14- "I Don't Want to Miss a Thing"
15- "No More No More"
16- "Come Together" (cover de The Beatles)
17- "Walk This Way"

Bis 1:

18- "Dream On"
19- "Sweet Emotion"
20- "Mama Kin"

Bis 2:

21- "Crazy"/ "Train Kept A-Rollin'"

Fotos: Alessandra Tolc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de Whitesnake e Aerosmith (Praça da Apoteose, Rio de Janeiro, 18/10/2013)

2006 acessosWhitesnake e Aerosmith: Mais uma noite de rock na Apoteose


Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.


266 acessosBlend Guitar: em vídeo, dez maiores duos de guitarras no Rock469 acessosRio Rock City: Por que há poucas parcerias no Rock e no Metal?14 acessosEm 06/11/2012: Aerosmith lança o álbum Music From Another Dimension2017 acessosDivórcios: as separações mais marcantes do Rock!870 acessosFoo Fighters: cover dos Beatles com Liam Gallagher e Joe Perry74 acessosEm 20/10/1998: Aerosmith lança o álbum ao-vivo A Little South Of Sanity0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Aerosmith"

AerosmithAerosmith
Novo patamar em erros na impressão de CDs piratas

AerosmithAerosmith
"É como num relógio, todos são importantes"

Joe PerryJoe Perry
Ele pensou em pedir aula de guitarra para Johnny Depp

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de Shows0 acessosTodas as matérias sobre "Aerosmith"0 acessosTodas as matérias sobre "Whitesnake"


Axl RoseAxl Rose
A carta que não entrou em "Chinese Democracy"

AngraAngra
Rafael Bittencourt solta desabafo sobre apresentação no Carnaval

Black SabbathBlack Sabbath
O acidente que tirou as pontas dos dedos de Iommi

5000 acessosCláudia Leite: musa do Axé adora Led Zeppelin e Iron Maiden5000 acessosSociedade Alternativa: Fama proporcional à escassez teórica5000 acessosSepultura: Andreas Kisser explica por que nunca rolará reunião4871 acessosIced Earth: Jon Schaffer fala sobre troca de vocalistas5000 acessosMetallica: Kirk conta como banda ganhou a reputação de beberrona5000 acessosIron Maiden: o maior colecionador de camisetas da banda

Sobre Gabriel von Borell

Gabriel von Borell, nascido em 30/03/85, jornalista. Não vive sem música e também não se apega a rótulos musicais. Acredita que todo preconceito é burro, inclusive o musical. Escuta de tudo um pouco, considerando que um jornalista deve estar aberto pra conhecer e comentar sobre qualquer músico ou banda. Pode ser encontrado no Twitter em @gabrielborell.

Mais matérias de Gabriel von Borell no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em junho: 1.119.872 visitantes, 2.427.684 visitas, 5.635.845 pageviews.

Usuários online