Morbid Angel: resenha e galeria de fotos do show em Porto Alegre

Resenha - Morbid Angel (Opinião, Porto Alegre, 21/05/2013)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Zé Henrique
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Pela primeira vez a MORBID ANGEL aportou em terras gaúchas, para o delírio dos fãs que esperaram por muito tempo para assistir esta que é a banda mais influente e idolatrada pelos apreciadores do Death Metal. A abertura ficou por conta da excelente banda gaúcha IN TORMENT, com 16 anos de estrada e com uma grande bagagem inclusive com turnês internacionais.

5000 acessosRock e Metal: os dez maiores Deuses dos Riffs5000 acessosDesde cedo: bebês e suas relações emocionais com o Rock

Morbid Angel – Lenda do Death Metal arrasa em Porto Alegre

Fotos por Liny Rocks® (https://www.facebook.com/photoslinyrocks)

A escolha não poderia ter sido melhor, pois é uma das melhores bandas nacionais do estilo, com agressividade e muita técnica executada pelos músicos Alex Zucchi (vocal), Alexandre Graessler (guitarra), Rafael Giovanoli (guitarra), Bruno Fogaça (baixo), e Dio (bateria). Destaques no set list seriam difíceis de apontar, pois as músicas de padrão elevado são muito homogêneas entre elas , mas destacamos a “Into Abyssal Landscapes”, registrada em vídeo recentemente.

Após um intervalo de 30 minutos, precisamente às 20h45min a lenda MORBID ANGEL sobe ao palco para delírio dos presentes. Iniciaram com uma trinca de clássicos: “Immortal Rites” do mais que clássico disco de estréia Altars of Madness (1989), ”Fall from Grace” do “Blessed are the Sick” (1991) e “Rapture” a abertura do disco “Covenant” (1993).

Ao final desta, David Vincent (vocal), se comunica pela primeira vez com o público, com um sorriso de satisfação, aprovando a reação da platéia e as rodas insanas que haviam se formado na pista. O que mais impressiona no desempenho de David Vincent (vocal), Trey Azagthoth (guitarra), Destructhor (guitarra) e Tim Yeung (bateria), este com a difícil tarefa de substituir o mestre Pete Sandoval, é que, em meio a brutalidade das composições , a destacada técnica de cada um dos instrumentistas.

Com um set list que apresentou músicas de quase toda a discografia da banda, foram se seguindo “Maze Of Torment”, “Existo Vulgoré”, do polêmico e controverso último lançamento da banda “Illud Divinum Insanus” (2011). Outros destaques foram “Lord of All Fevers and Plagues “ e “Chapel of Ghouls”, nesta inclusive Vincent a anunciou dizendo que, quem não conhecesse a letra, provavelmente estava em um lugar errado.

Após um curto solo de Azagthoth, o show foi se encaminhando para o final, com “Dawn of the Angry”, e “Where the Slime Lives” do “Domination” (1995). Interessante a inclusão de “Bil Ur Sag” única música do “Formulas Fatal to the Flesh” (1998) , da fase em que David Vincent esteve afastado do MORBID ANGEL. Finalizando o set, duas do “Covenant”, “God Of Emptyness” e “World Of Shit”.

Após um excelente show, o MORBID ANGEL deixa o palco ovacionado pelos presentes. Um set de pouco mais de uma hora, porém com muita intensidade, deixando a todos satisfeitos. Grande apresentação dos mestres do Death Metal.

5000 acessosQuer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Outras resenhas de Morbid Angel (Opinião, Porto Alegre, 21/05/2013)

875 acessosMorbid Angel: resenha e fotos de Porto Alegre no All That Metal

Rock e MetalRock e Metal
Os dez maiores Deuses dos Riffs

2127 acessosI Am Morbid: shows no Brasil cancelados0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Morbid Angel"

Morbid AngelMorbid Angel
David Vincent comenta novamente sobre sua saída da banda

Rock e MetalRock e Metal
Os dez maiores Deuses dos Riffs

Heavy MetalHeavy Metal
As piores capas dos grandes artistas do gênero

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de Shows0 acessosTodas as matérias sobre "Morbid Angel"0 acessosTodas as matérias sobre "In Torment"

Desde cedoDesde cedo
Bebês e suas relações emocionais com o Rock

Morre DiaboMorre Diabo
Ele aprendeu a tocar guitarra e virou um shredder

ListaLista
As dez melhores músicas para se ouvir na estrada

5000 acessosTradução - Nevermind - Nirvana5000 acessosTotal Guitar: os 20 melhores riffs de guitarra da história5000 acessosIron Maiden: o histórico (e atrapalhado) 1º Rock in Rio5000 acessosSlayer: filha de Tom Araya defende o pai da acusação de homofobia5000 acessosGuns N' Roses: Melissa Reese comenta relação com os músicos4128 acessosPower Ballads: as 10 maiores de todos os tempos

Sobre Zé Henrique

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online