Ravenland: resenha e fotos de pocket show acústico

Resenha - Ravenland (Metrô Paraíso, São Paulo, 01/09/2012)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Pierre Cortes
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Para quem ainda não conhece, o Projeto Encontros tem como objetivo transformar as estações do Metrô de São Paulo em espaços culturais com programação gratuita para a população. Excelente iniciativa. Melhor ainda quando escolhem bandas que fazem uma sonoridade voltada ao Metal pesado. Foi exatamente o que aconteceu no dia 01 de setembro, quando nos presentearam com o Pocket show acústico do grupo RAVENLAND.

5000 acessosSlayer: Gary Holt é realmente um cara mal-agradecido5000 acessosCristina Scabbia: cantora fala sobre seus seios e Playboy

Texto e fotos - Pierre Cortes

A banda foi formada em 1997 e pratica um Gothic Metal cheio de energia, melodia e peso; já possuem dois álbuns gravados e acabam de disponibilizar “Nevermore”, seu mais novo EP, para download gratuito, enquanto estão em processo de produção do terceiro álbum. Além disso, o grupo já tocou ao lado de grandes bandas do estilo: THEATRE OF TRAGEDY, MOONSPELL, TIAMAT, SIRENIA. Nada mal, não é mesmo?

Quem já assistiu espetáculos do Projeto Encontros, conhece bem a respeito da estrutura. O palco é improvisado e pequeno, apenas luz local, ruídos do trem e autofalantes do Metrô, passageiros indo e vindo. Mesmo com toda essa estrutura, muito diversa dos locais de apresentação tradicionais, o espetáculo encanta. E não somente aos fãs do RAVENLAND, mas também aos que ali passavam e ficavam para conferir a performance do grupo. E se a banda contagia de forma natural, um acústico acaba ainda sendo mais do que apreciado.

O show estava marcada para às 14h. Por volta das 14h15h, a banda iniciou a apresentação. Como se tratava de um acústico, apenas Fernando Tropz, o baterista, não estava presente. E o que a plateia presenciou foi uma hora de música bem feita e tocada com muita emoção. Sinceramente foi uma performance linda, regada a composições próprias e também covers.

Começaram com “Nevermore”, que pertence ao EP de mesmo nome. Início excelente, pois de cara já apresentaram sua nova composição para o público. Em seguida veio “Regret”, do álbum “...And A Crown Brings Me Back”. Dewindson Wolfheart, o vocalista, é dono de uma voz forte e de timbre mais grave, enquanto a vocalista Juliana Rossi tem uma voz mais aguda, embora extremamente poderosa. Lindo ver as contraposições que criavam nas linhas vocais. Não soavam como grande de parte das bandas do estilo, cujos vocais masculinos são mais voltados ao gutural. Isso, certamente, lhes garante originalidade.

A próxima música foi um cover: “Love You To Death” do TYPE O NEGATIVE. Em versão acústica ficou ainda mais melancólica. João Cruz, o tecladista, era responsável por criar uma atmosfera repleta de sentimento. Junto a ele tínhamos a presença de Banes Oliver, nas guitarras, tornando a performance do RAVENLAND bastante grandiosa.

A partir daí deram prosseguimento ao espetáculo com outras canções próprias e mais covers. Dentre estes tocaram “Saturnine”, da banda holandesa THE GATHERING. Certamente um ponto alto na performance. Juliana Rossi cantou muito bem, com agudos excelentes. Foi emocionante conferir o RAVENLAND executar esta música. Depois foi a vez de um cover do HIM: “Wicked Game”.

E como não poderia faltar, nos presentearam com mais uma música nova. A ótima “Sad Afternoon” do EP “Nevermore”. Melancólica e bela, foi mais uma amostra do potencial do grupo com a criação de composições mais recentes.

O som estava bom, apesar do espaço pequeno e da estrutura diferenciada, mas mais do que isso, o show estava ótimo. Isso não somente pelas belas canções próprias e pelos covers escolhidos a dedo, mas também pela simpatia e interação dos músicos com a plateia, especialmente o carisma de Juliana Rossi e a simpatia de Dewindson.

Para encerrar tocaram o último cover: “Rolling In The Deep”, da ADELE. O que dizer disso? Ousadia total. Foi excelente. E fecharam com uma composição própria. A música “Memories”, do EP de mesmo nome.

Realizaram uma performance belíssima, empolgante e cheia de emoção. Música feita por quem, de fato, ama o que faz. Não há como negar. Se o caro leitor quiser dar uma conferida, basta clicar no link abaixo e assistir “Nevermore”.

youtube player
Inscreva-se no nosso canalWhiplash.Net no YouTube

Além dessa, todas as outras canções podem ser checadas na página oficial do YouTube no endereço abaixo.

http://www.youtube.com/user/RAVENLANDchannel?feature=watch...

Confiram e chequem o que aqui afirmo.

Setlist

Nevermore
Regret
Love You To Death
Burning For You
Velvet Dreams
Saturnine
End Of Light
Wicked Game
Sad Afternoon
Rolling In The Deep
Memories

Link original:
http://hardandheavy.com.br/ptbr/?p=1749

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Ravenland"

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de Shows0 acessosTodas as matérias sobre "Ravenland"

SlayerSlayer
Gary Holt é realmente um cara mal-agradecido

Cristina ScabbiaCristina Scabbia
Cantora fala sobre seus seios e Playboy

Fascínio pelo terrorFascínio pelo terror
Cinco bandas que dão medo

5000 acessosSeparados no nascimento: Lady Gaga e Eddie5000 acessosOs Headbangers não praticantes5000 acessosChris Cornell: relatório policial descreve últimas horas e morte2964 acessosNa teoria: e se álbuns Black e Death virassem livros infantis?5000 acessosA Vida Pós-bilau: vocalista do Life of Agony abre o jogo4057 acessosTecnologia: quanto mais tempo durarão os downloads de música?

Sobre Pierre Cortes

Pierre Cortes, paulistano, bacharelado em Publicidade e em Cinema, amante da fotografia e escrita, apreciador do Heavy Metal e todas as suas subdivisões desde o início dos anos 80, colaborador do Whiplash.Net desde 2011, Twitter - @pierrecortes.

Mais matérias de Pierre Cortes no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online