Decapitated: resenha e fotos do show em São Paulo

Resenha - Decapitated (Blackmore, São Paulo, 26/05/2012)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Thiago Fuganti
Enviar correções  |  Ver Acessos

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Death Metal poderoso, técnico, muito bem executado e com uma boa dose de groove. Assim podemos definir um show da banda Polonesa DECAPITATED, que no último 26 de maio tocou em São Paulo pela primeira vez desde sua formação, em 1996.

AC/DC: "Chuck Berry foi o maior babaca que já vi na vida"King Diamond: O que significa ser Satanista?

Devido a uma promoção da produtora Dark Dimensions, que selecionaria as bandas de abertura de acordo com a qualidade do material apresentado, tivemos duas ótimas bandas tocando para o público do Blackmore Rock Bar;

A primeira banda foi o PERVENCER, de Sorocaba. A banda toca um Death Metal bem técnico e intrincado, com destaque para o baixista Nando Ferreira, que além de fazer umas levadas insanas, ainda tinha uma presença de palco bastante peculiar. Foram tocadas músicas do EP "Extermination is Rigth", de 2011 e da demo "Labyrinth of Death", de 2009.

A segunda banda a subir no palco foram os Paulistas do HORNS OF VENUS. Seu som é calcado em uma mistura de Grind com Death Metal - dentre outras influências -, com bastante variações de andamento. Executaram músicas do CD "We Are Not Buying Your Shit"e do EP "For The Pressure We Bring", agradando bastante os presentes.

Ao som de uma intro um pouco estranha - eletrônica -, os músicos do DECAPITATED subiram no palco do Blackmore e começaram com "The Knife", do disco "Carnival is Forever", último disco dos caras, e primeiro com a nova formação. O Circle Pit começou logo no começo da música e persistiu até o fim do show, sendo devidamente incentivado pelo insano vocalista Rafal Piotrowski. A segunda foi a clássica "Day 69", do disco "Organic Hallucinosis", de 2006. Nesta música, o novo baterista Kerim "Krimh" Lechner pode mostrar toda sua técnica, e o porque de ter sido o escolhido para substituir Vitek , já que executou o solo da música de maneira soberba. Aliás, tanto Krimh como Rafal estão a altura dos antigos membros, pois tem performances impecáveis. Rafal então é um show a parte, pois tem uma presença de palco intimidadora e um potente vocal.

"Pest" e United antecederam "Post(?)Organic", clássica música do disco "Organic Hallucinosis", seguida por "Mother War". "Homo Sum", que foi a escolhida para ser o video clipe do último trabalho dos caras, chamou a atenção pelo forte groove e pelo solo de guitarra totalmente hipnótico. A porrada "Winds of Creation", música título do primeiro trabalho dos Polacos veio a seguir.

Hora de "A view from a Hole" e seu começo totalmente progressivo, onde o guitarrista Waclaw "Vogg" Kieltyka passeia por várias sonoridades incomuns, antes de cair no puro Death Metal. E falando em Vogg, esse cara toca muita guitarra! Pois além de fazer vários riffs intrincados, também faz solos que fogem do padrão, sempre buscando por uma sonoridade própria, além é claro de agitar o tempo todo enquanto toca.

Após quase uma hora de show, a saideira veio na forma de "Spheres of Madness", uma das músicas mais conhecidas do "DECAPITATED", do disco "Nihility". Foi o que faltava para acabar com o pescoço dos mais resistentes.

Se alguém ainda tinha dúvidas acerca da nova formação do DECAPITATED e foi a esse show, com certeza saiu de lá com a certeza de que a banda está honrando e muito o ex membros Covan e Vitek. Noite para ficar na memória dos apreciadores do chamado Technical Death Metal, um dos subgêneros mais desafiadores surgidos dentro do Metal Extremo nos últimos tempos.

Set List:

The Knife
Day 69
Pest
United
Post (?) Organic
Mother War
Homo Sum
A view from a Hole
Spheres of Madness




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Decapitated"


AC/DC: Chuck Berry foi o maior babaca que já vi na vidaAC/DC
"Chuck Berry foi o maior babaca que já vi na vida"

King Diamond: O que significa ser Satanista?King Diamond
O que significa ser Satanista?

Iron Maiden: curiosidades sobre o The Number Of The BeastIron Maiden
Curiosidades sobre o "The Number Of The Beast"

Metal Alemão: as 10 melhores bandas segundo o About.comDave Mustaine: "Kiko é o primeiro que me intimida desde Friedman"Megatallica: genial versão de "Welcome My Darkest Hour"Pearl Jam: O autoplágio de Eddie Vedder?

Sobre Thiago Fuganti

Catarinense, mas vive atualmente em São Paulo 'Chaos City'. Começou no metal com Iron Maiden, que até hoje acha a melhor banda do mundo, porém descobriu o lado extremo (black, death, doom) e não parou mais. Hoje em dia ouve muitos estilos, desde música clássica a death metal - passando pelas clássicas bandas de metal -, mas a ênfase mesmo fica com o Black Metal.

Mais matérias de Thiago Fuganti no Whiplash.Net.