Winger, Kotzen e Augeri: Hard Legends Party em São Paulo

Resenha - Hard Legends Party (Carioca Club, São Paulo, 03/03/2006)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Edu Lawless
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

O início da noite do domingo, 03 de Junho, foi marcado pelo encontro de três grandes nomes do Hard Rock na capital paulistana no festival Hard Legends Party, promovido pela produtora Free Pass. Kip Winger, Steve Augeri e Richie Kotzen tocaram os principais sucessos de sua carreira musical para um bom público, porém que não chegou a lotar a casa.

3416 acessosJourney: Steve Perry era um fenômeno humano, diz baixista do Styx5000 acessosPensadores e autores que inspiraram o Heavy Metal: Aleister Crowley

A primeira apresentação da noite ficou por conta do show solo e acústico de Kip Winger e seu violão de 12 cordas que preencheu completamente o som. A abertura ficou por conta de “Cross” do seu álbum solo “Songs from the Ocean Floor” (2000), e logo já emendou uma clássica da época da banda Winger, “Easy com e Easy go”.

Após tocar o grande sucesso da carreira “Myles Away”, Kip convidou o músico brasileiro Leo Mancini – que voltaria ao palco mais tarde integrando a banda de apoio de Augeri - para fazer a segunda voz da música “Daniel”.

Musicalmente falando o show foi perfeito para se apreciar o talento musical, tanto tocando como cantando, de Kip Winger, porém o espetáculo transcorreu relativamente morno até mesmo pela pouca interação que o músico teve com o público. Os momentos que mais empolgaram mesmo a galera foi durante as execusões das clássicas “Myles Away”, “Rainbow in the Rose”, “Madalain” e “Seventeen”.

A segunda voz do Journey, Steve Augeri, entrou no palco do Carioca Club com uma banda de apoio brasileira, formada por Leo Mancini (Shaman) na guitarra, o vocalista BJ do Tempest no baixo – ambos faziam parte da banda paulistana de Journey Cover – e completando a formação Jorge Anielo na bateria e Carlos Ceroni nos teclados.

Augeri entrou detonando no palco e fazendo o público vibrar ao som da clássica “Separate Ways” do Journey. Passada a eurofia da primeira música de ver a lenda no palco, começamos a notar um problema na equalização do som, com os tons graves dominando todo contesto musical e definitivamente muitas vezes abafando e cortando os vocais de Steve. Uma pena!!!

Somente na terceira canção o vocalista entoou uma música - “Higher Place” - do único álbum (Arrival – 2001) ao qual ele gravou junto ao Journey (apesar do longo tempo de banda). Outra música ao qual Augeri teve participação nas gravações originais do Journey e que levantou o público foi “Remember me”, valendo inclusive uma brincadeira do vocalista “... esta música foi feita para o filme Armagedon e acho que vocês vão lembrar de mim...”

O encerramento do show veio com três clássicos da década de 80 – “Faithfully” (Frontiers 83), “Don’t Stop Believin’” (Escape 81) e “Anyway You Want it” (Depature 80) que poderia ter sido um pouco mais vibrante se não fosse a apatia da banda de apoio, algo que pudemos notar visivelmente quando o eletrizante solo em “Don’t Stop Believin’” praticamente não existiu.

Ao final a toada do show de Steve foi uma passagem por todas as fases do Journey, mesmo tendo a maioria das músicas da fase antecessora de Augeri.

Durante o intervalo dos shows, as pick-ups (ou melhor dizendo, o notebook) ficavam a encargo de duas belíssimas DJ’s que tocavam (e dançavam) vários clássicos do Hard Rock dos anos 80. Mas se duas já era bom, imagina então três!! Agora imagina que a terceira veio ao palco no último intervalo literalmente para causar e fazer o público vibrar... bom se você imaginou tudo isso, bastava estar lá para ver. Uma Hard Party de verdade!

Passado o show à parte, as cortinas se abriram para o terceiro ato e monstro da guitarra Richie Kotzen, acompanhado dos seus próprios músicos de apoio no baixo e bateria.

Kotzen mostrou ao público uma imensa fusão de estilos musicais; rock, jazz, soul e blues, trazendo ao público um show musical digno de ser ouvido e apreciado com muita atenção. A destreza musical de Richie fez com que ele notasse que a equalização do som estava lá essas coisas e durante as músicas foi regulando o som até conseguir o melhor resultado possível.

O público presente pode apreciar uma grande viagem pela carreira musical solo do guitarrista. Após a primeira música “Bad Situaton”, Kotzen já esbanjou talento no virtuoso solo de “Help me” que durou quase 10 minutos!

“Peace Sign” nos remeteu uma viagem ao tempo de volta aos anos 70, mostrando uma forte influência e similaridade com as músicas de Jimi Hendrix. Kotzen fechou o espetáculo com o bis do blues arrepiante de “Remember” e finalizando com “Go Faster”. Sem muitas delongas, o guitarrista desejou boa noite ao público e simplesmente deixou o palco.

Richie Kotzen continua agora sozinho sua pequena Tour por terras brasileiras, percorrendo as mesmas cidades pela qual Kip Winger passou na semana passada: Jundiai, Porto Alegre, Curitiba e Rio de Janeiro.

Para Set List completo e galeria de fotos, acesse:
http://www.rockexpress.net.br/2012/06/05/hard-legends/

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

JourneyJourney
Steve Perry era um fenômeno humano, diz baixista do Styx

1864 acessosJourney: Neal Schon reclama de Jonathan Cain nas redes0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Journey"

WatchmojoWatchmojo
Os 10 clipes mais ridículos dos 80's

Os mais feiosOs mais feios
Gene Simmons, Lemmy Kilmister, Alex Van Halen...

AORAOR
Dez álbuns essenciais dos anos noventa

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de Shows0 acessosTodas as matérias sobre "Winger"0 acessosTodas as matérias sobre "Journey"

Aleister CrowleyAleister Crowley
Um dos pensadores que inspiraram o Heavy Metal

Iron MaidenIron Maiden
Nicko McBrain fala sobre sua conversão ao cristianismo

SlipknotSlipknot
Corey Taylor não tem a cara limpa por baixo da máscara

5000 acessosDeep Purple: a contestada entrevista na Globo em 20065000 acessosJoão Gordo: Crente? Vai tomar no cu quem tá acreditando!5000 acessosSlipknot: Joey Jordison revela o verdadeiro motivo de sua saída5000 acessosDream Theater e Guns N' Roses: 30 anos, uma no auge, já a outra...5000 acessosMötley Crüe: "Ninguém consegue tocar como eu", diz Mick Mars4245 acessosHeadbang: 10 formas de bater cabeça (para iniciantes)

Sobre Edu Lawless

Editor e criador do site Rock Express, que deu asas ao grande desejo de escrever e viver um pouco mais intensamente o mundo do Rock. A filosofia é a vertente do Hard Rock - Sexo & Rock - e a ideologia é sempre escrever sua própria matéria e continuar Fotografando e Animalizando...! Keep rockin´ dudes!!! \,,/

Mais matérias de Edu Lawless no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online