Resenha - Krisiun (Music Hall, Belo Horizonte, 07/01/2012)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Luiz Figueiredo
Enviar correções  |  Ver Acessos

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Não foi diferente dos últimos dias de 2011 e primeiros dias de 2012, em Minas Gerais. A chuva caiu forte antes de começar a pancadaria do Tormento e do Krisiun. Do lado de fora do Music Hall, casa de shows na região leste de Belo Horizonte, centenas de headbangers estavam batendo papo e bebendo muita cerveja embaixo das marquises mais próximas. Mas, assim que a chuva deu uma aliviada, o público se dirigiu à entrada e foi enchendo as dependências internas para esperar os caras do Tormento, talvez a maior revelação do metal mineiro no último ano, subir ao palco.

Krisiun: banda anuncia turnê na Europa com 32 datas em 32 diasRoadrunner: os melhores frontmen de todos os tempos


Após uma introdução com palco totalmente escuro, o Tormento foi muito ovacionado quando entrou em cena. O público se manifestou como se aqueles fossem os donos da noite e não a banda de abertura. Mas, de fato, não se portaram como simples banda que estava ali para abrir o show de uma maior. Comandado pelo agitado vocalista Lânio Araújo, o grupo fez daquele um momento especial para divulgar seu trabalho: um thrash metal feroz.


O Tormento utilizou daquele dia 7 para lançar oficialmente seu EP "Against the Wall" que contém cinco músicas e também o merchandising (camisas, patches...). Durante toda a execução do set, composto por 11 músicas, o Tormento continuou agitando o público que deu trabalho aos seguranças. Esses precisaram reforçar a grade que limita o público com a própria força dos braços, segurando para que os mais loucos lá da frente não a jogassem no chão. Naquele ponto, já se imaginava como seria no momento do show do Krisiun.


O trio gaúcho formado pelos irmãos Max Kolesne (bateria), Moyses Kolesne (guitarra) e Alex Camargo (baixo e vocal) subiu ao palco e foi o suficiente para inflamar novamente o público. Para segurar a onda dos headbangers mais empolgados, os seguranças precisaram ficar por toda a duração do show segurando a frágil grade "no braço".


A abertura do show foi com "Kings of Killing" e o restante do setlist, como era de se esperar, apresentou parte do trabalho do novo disco "The Great Execution": as músicas "Will To Potency" e "Descending Abomination" foram muito bem recebidas pelo público. A primeira com seu refrão marcante e solos da guitarra afiadíssima de Moyses foi um dos pontos altos da apresentação. Mas ainda teríamos coisas violentas como "Hatred Inherit", "Bloodcraft" e a mais esperada "Black Force Domain". Aliás, o que não é violento em um show do Krisiun?


Uma coisa que Alex fez questão de mencionar por diversas vezes, durante algumas pausas entre músicas, foi a presença maciça do público e o fato de "algumas pessoas atribuírem frustrações pessoais à cena metálica nacional". Não precisa dizer que ele se referia ao vídeo em que Edu Falaschi criticava os headbangers brasileiros. Trocas de farpas a parte, o que define o show de umas das bandas mais rápidas do mundo seria: uma devastação sonora intensa, muito intensa.


O Krisiun partiu no próximo dia 20 para a Europa, onde começaram uma extensa turnê que vai de 27 de janeiro na Polônia e vai até o dia 03 de março no Romênia. Serão 31 shows em 17 países do velho continente.


Outras resenhas de Krisiun (Music Hall, Belo Horizonte, 07/01/2012)

Krisiun: Abrindo temporada musical de peso em Minas GeraisKrisiun: Boas-vindas calorosas do público mineiro




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Krisiun"


Krisiun: banda anuncia turnê na Europa com 32 datas em 32 dias

Krisiun: homenagem a Andre Matos no Dia Internacional do RockKrisiun
Homenagem a Andre Matos no Dia Internacional do Rock

Nile: eles diziam que eu não podia tocar sobre o EgitoNile
"eles diziam que eu não podia tocar sobre o Egito"

Max Kolesne e Dave Lombardo: bateria não pode sobrepor guitarraMax Kolesne e Dave Lombardo
Bateria não pode sobrepor guitarra

Café com Ócio: 15 melhores discos do Metal Nacional - 2000 a 2010Café com Ócio
15 melhores discos do Metal Nacional - 2000 a 2010


Roadrunner: os melhores frontmen de todos os temposRoadrunner
Os melhores frontmen de todos os tempos

Heavy Metal: nove ótimas músicas suaves do gêneroHeavy Metal
Nove ótimas músicas suaves do gênero

Muito antes do Led Zeppelin: A origem da guitarra gêmeaMuito antes do Led Zeppelin
A origem da guitarra gêmea

The Voice: candidato faz power metal cantado em portuguêsAC/DC: como Angus responde a um copo de cerveja atirado?David Bowie: "Perdi a virgindade com ele, aos 15 anos de idade"Lady Gaga: "o Iron Maiden mudou a minha vida!"

Sobre Luiz Figueiredo

Sem descrição cadastrada.

Mais matérias de Luiz Figueiredo no Whiplash.Net.