Grave Digger: resenha do show em SP no Heavy Nation

Resenha - Grave Digger (Carioca Club, São Paulo, 23/07/2011)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Durr Campos
Enviar correções  |  Ver Acessos

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

A noite deste último sábado (23/7) ficará guardada na memória de pelo menos 2 mil headbangers que compareceram ao Carioca Club, em São Paulo, para prestigiar os alemães do Grave Digger, uma das bandas mais queridas da galera "truzona".

Hellish War: banda brasileira de heavy lança o álbum Wine Of GodsMTV: experts indicam as maiores bandas de Heavy Metal

Por Durr Campos & Julio Feriato
Fotos: Pierre Cortes

O início do espetáculo estava marcado para começar às 20h, porém quando nossa equipe chegou ao local a banda já terminava de executar "Hammer of the Scots". Obviamente todos ficamos chateados, afinal de contas só poderiamos pegar nossas credenciais às 19:30h e ninguém imaginou que a banda poderia iniciar sua apresentação antes do horário que fora divulgado! Mancada total, agora não sabemos se da banda (o que é mais provável) ou da produção. Nesse ínterim já havíamos perdido "Paid in Blood" e "The Dark of the Sun" (que escutamos lá de fora querendo morrer!).

De qualquer modo, ao ver os integrantes em cima do palco todas as chateações foram para o ralo. Que banda afiada! Chris Boltendahl é um vocalista que canta como poucos e não desafina um tom sequer. O guitarrista Axel "Ironfinger" Ritt é outro que se destaca. O cara não é um "virtuose" ou "fritador", mas é perceptível o quanto tem intimidade com o instrumento e como estava gostando de estar ali. Aliás, o grupo todo se mostrou simpático e até mesmo o mal humorado Jens Becker (baixista) hora ou outra dava alguns sorrisinhos de canto de boca.

O show continuou com "Killing Time" do clássico Tunes of War e teve seu refrão cantado em uníssono, seguida da emocional "The Ballad of Mary (Queen of Scots)". Outros clássicos também foram lembrados: "Highland Farewell", "The Bruce (The Lion King)" e uma das mais esperadas da noite: "Rebellion (The Clans are Marching)", ponto alto desta primeira parte do show.

"Ballad of a Hangman" e a belíssima "Morgane Le Fay", do poderoso álbum Excalibur de 1999, provocaram a platéia e a preparou para a seqüência matadora com "Twilight of the Gods / Circle of Witches / The Grave Dancer / Twilight of the Gods" «respectivamente dos discos Rheingold (2008) e Heart of Darkness (1995)». Não houve uma só voz que não fosse ouvida durante os refrãos deste fabuloso medley. "The Last Supper", "Excalibur" e a veloz "Knights of the Cross" (sempre certeira!) puseram fim ao set normal do show.

O primeiro encore já entregava o que estava por vir. Porque "Yesterday", a clássica balada do primeiro álbum, Heavy Metal Breakdown (1984), não só é um dos mais belos registros do Digger como do estilo. Banda e público se entregaram à emoção. "Lionheart" manteve os ânimos e abriu passagem para o hino épico "Valhalla" e seu refrão mega grudento. O grupo despede-se novamente para então retornar em altíssimo nível com "The Round Table (Forever)". Cantar o refrão dela: "Forever we fight, side by side. Forever we stand, forever we fight" é uma confirmação de que o Heavy Metal é mesmo um gênero muito especial. Chris Boltendahl mal acreditava na empolgação geral que via. Vale ainda destacar a atuação precisa do baterista Stefan Arnold. O final não poderia ser melhor: a execução perfeita do clássico atemporal "Heavy Metal Breakdown" fez até os mais céticos renderem-se aos alemães. Se havia alguma dúvida de que estavam diante de um dos melhores eventos do ano esta caía ali por terra. A famosa paradinha com o vocalista chamando os fãs a cantarem com força total não foi esquecida, bem como a brincadeira simulando o próprio enforcamento para provocar ainda mais o coro.

Certeza do dever cumprido, o Grave Digger deixava pra valer o palco do Carioca Club e o saldo de mais uma bem sucedida visita ao Brasil. Apesar da enorme demanda de shows internacionais este ano na capital paulista, colocar um show desses na lista de prioridades foi, sim, uma decisão acertada.

Set list:

Days of Revenge
Paid in Blood
The Dark of the Sun
Hammer of the Scots
Killing Time
The Ballad of Mary (Queen of Scots)
Highland Farewell
The Bruce (The Lion King)
Rebellion (The Clans are Marching)
Ballad of a Hangman
Morgane Le Fay
Twilight of the Gods / Circle of Witches / The Grave Dancer / Twilight of the Gods
The Last Supper
Excalibur
Knights of the Cross

Encore:

Yesterday
Lionheart
Valhalla

Encore 2:

The Round Table (Forever)
Heavy Metal Breakdown

Para outras notícias, resenhas e novidades acesse:
http://heavynation.blog.uol.com.br/

Programa Heavy Nation:
http://www.radio.uol.com.br/#/programa/heavy-nation

Heavy Nation no Facebook:
http://www.facebook.com/groups/243643385664017


Outras resenhas de Grave Digger (Carioca Club, São Paulo, 23/07/2011)

Grave Digger: uma aula de Heavy Metal em São Paulo




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Grave Digger"


Hellish War: banda brasileira de heavy lança o álbum Wine Of Gods

Metal Alemão: as 10 melhores bandas segundo o About.comMetal Alemão
As 10 melhores bandas segundo o About.com

Kai Hansen: escolhendo as dez maiores bandas de metal da AlemanhaKai Hansen
Escolhendo as dez maiores bandas de metal da Alemanha

Capas: as 10 mais bonitas lançadas em 2014 eleitas por blogCapas
As 10 mais bonitas lançadas em 2014 eleitas por blog


MTV: experts indicam as maiores bandas de Heavy MetalMTV
Experts indicam as maiores bandas de Heavy Metal

Fotos: confira 10 das mais curiosas no mundo do Rock - Parte 1Fotos
Confira 10 das mais curiosas no mundo do Rock - Parte 1

Lemmy Kilmister: A opinião da lenda sobre Sharon Osbourne e Iron MaidenLemmy Kilmister
A opinião da lenda sobre Sharon Osbourne e Iron Maiden

Rock: 25 fotos pra fazer você continuar acreditando na músicaHeavy Metal: "cristãos podem aprender muito com o gênero"Def Leppard: 'a banda mais cara que já contratei', chora promotorMaquiagem, spikes e sorrisos: conheça o Happy Black Metal

Sobre Durr Campos

Graduado em Jornalismo, o autor já atuou em diversos segmentos de sua área, mas a paixão pela música que tanto ama sempre falou mais alto e lá foi ele se aventurar pela Europa, onde reside atualmente e possui família. Lendo seus diversos artigos, reviews e traduções publicados aqui no site, pode-se ter uma ideia do leque de estilos que fazem sua cabeça. Como costuma dizer, não vê problema algum em colocar para tocar Napalm Death, seguido de algo do New Order ou Depeche Mode, daí viajar com Deep Purple, bailar com Journey, dar um tapa na Bay Area e finalizar o dia com alguma coisa do ABBA ou Impetigo.

Mais matérias de Durr Campos no Whiplash.Net.