Hypocrisy: o fim de uma espera de 18 anos em São Paulo

Resenha - Hypocrisy (Carioca Clube, São Paulo, 22/09/2010)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Thiago Fuganti
Enviar correções  |  Ver Acessos

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.











O dia 22/09/10 ficará marcado como o fim de uma espera de 18 anos (contando o lançamento do primeiro álbum); pois finalmente o HYPOCRISY, um dos pilares do Death Metal Europeu, tocou em nosso país, mais precisamente em São Paulo, no já tradicional Carioca Clube.

Por volta de 20h fomos informados ainda na fila, que o show previsto para começar às 21h00 iria atrasar por conta de uma confusão com o envio do equipamento da banda, por parte da companhia aérea.

Instantes antes das 21h, o GENOCIDIO, formado por W. Perna (baixo), Murillo L. (voz), Dennis D. (guitarra) e Fabio M. (bateria), sobiu ao palco do Carioca Clube dando inicio ao show com a música "The Clan", do último disco. O público ainda era razoável, visto que muitos estavam entrando (E muitos mais nem sabiam da escalação da banda para a abertura, visto que seu nome não constou no cartaz) Tocaram músicas de várias fases da carreira, intercalando com último disco, como "Numbness Sunshine", "Condemnation" e "Uproar". e fecharam com um cover para "Black Magic", do SLAYER. No final, o saldo foi positivo, pelo ótimo e pesado show dessa lendária banda Brasileira.

No intervalo, para deleite dos fanáticos por futebol, foi transmitido no telão o jogo do Corinthians x Santos. A mim restou comprar cervejas e esperar pela atração principal.

Era passado das 22h quando a intro foi solta nos PAs, avisando a todos que era chegada a hora do HYPOCRISY colocar a casa abaixo, e o fizeram, logo na primeira música "Valley Of The Damned", do aclamado disco "A Taste of Extreme Divinity", de 2009. Sem mais delongas, mandaram "Hang Him High", do mesmo CD.

O som estava um pouco embolado, principalmente as guitarras, mas nada que comprometesse a apresentação como um todo.

Após Peter ter uma rápida conversa com o público, sons de teclado anunciaram a pesada e cadenciada "Fractured Millenium", música do disco "Hypocrisy". de 1999. "Adjusting The Sun" e a ótima "Eraser" (com Peter fazendo sua tradicional pergunta o ao público: Are you Ready?????) vieram na seqüencia.

As próximas 5 foram uma volta ao passado da banda, iniciando com um medley pra lá de pesado! "Pleasures of Molestation / Osculum Obscenum / Penetralia", tiradas dos dois primeiros álbuns da banda, "Penetralia" e "Osculum Obscenum". Continuando, foi a vez, para deleite total da velha guarda presente, da famigerada "Apocalypse", seguida por "The Fourth Dimension".

O público passou praticamente o show todo batendo cabeça, e volta e meia uma roda de mosh era formada. Por sua vez, Peter Tägtgren, Mikael Hedlund, Tomas Elofsson e Reidar "Horgh" Horghagen (esse último também baterista do lendário Immortal) fizeram um show mais "contido", mas mesmo assim com grande domínio do palco e do público.

O primeira do cd "Virus" foi a rápida "The Killing Art", seguida por "A Coming Race" e pela cadenciada "Let The Knife Do The Talking", com todos bradando Kill... Kill... Kill..., junto com Peter.

"Weed Out the Weak" e "Fire In The Sky" fecharam a primeira parte do show.

A banda se retirou e logo voltou para o tradicional (e manjado) bis com uma trinca de tirar o fôlego (se é que nos restava algum): A pesada, arrastada e hipnótica "The Final Chapter", a rápida "Warpath" e o clássico absoluto " Roswell 47" (Com direito a um "São Paulo 47" na parte final da música) formaram o "Capítulo Final" de mais esse grandioso espetáculo de Metal Extremo em São Paulo. Resta-nos torcer para que voltem mais vezes, e desta vez com mais shows pelo Brasil.

Set List Genocidio:
1. The Clan
2. Transatlantic Catharsis
3. Numbness Sunshine
4. Pilgrim
5. Condemnation
6. Fire Rain
7. Uproar
8. Black Magic

Set List Hypocrisy:
1. Intro
2. Valley Of The Damned
3. Hang Him High
4. Fractured Millenium
5. Adjusting The Sun
6. Eraser
7. Pleasures of Molestation / Osculum Obscenum / Penetralia
8. Apocalypse / The Fourth Dimension
9. The Killing Art
10. A Coming Race
11. Let The Knife Do The Talking
12. Weed Out the Weak
13. Fire In The Sky

Bis
14. The Final Chapter
15. Warpath
16. Roswell 47



GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Hypocrisy"Todas as matérias sobre "Genocidio"


Rammstein: ame a si mesma, não importa o que digam, diz TillRammstein
"ame a si mesma, não importa o que digam", diz Till

Lindemann: Tägtgren salvou vocalista do Rammstein de surraLindemann
Tägtgren salvou vocalista do Rammstein de surra


Guitarristas: você consegue identificar todos nesta imagem?Guitarristas
Você consegue identificar todos nesta imagem?

Metal Alemão: as 10 melhores bandas segundo o About.comMetal Alemão
As 10 melhores bandas segundo o About.com

Separados no nascimento: Paul Stanley e Ioná MagalhãesSeparados no nascimento
Paul Stanley e Ioná Magalhães

As regras da NWOBHMPlanet Rock: as maiores vozes da história do rockAutismo: rockstars famosos autistas, ou com suspeita de autismoGuns N' Roses: vídeo conta história da banda em 60 segundos

Sobre Thiago Fuganti

Catarinense, mas vive atualmente em São Paulo 'Chaos City'. Começou no metal com Iron Maiden, que até hoje acha a melhor banda do mundo, porém descobriu o lado extremo (black, death, doom) e não parou mais. Hoje em dia ouve muitos estilos, desde música clássica a death metal - passando pelas clássicas bandas de metal -, mas a ênfase mesmo fica com o Black Metal.

Mais matérias de Thiago Fuganti no Whiplash.Net.