Toy Dolls: uma noite inesquecível em Curitiba

Resenha - Toy Dolls (John Bull Music Hall, Curitiba, 24/09/2010)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Rodrigo Martins
Enviar Correções  

Noite fria e chuvosa em Curitiba. Pensei até em algo ruim... Cancelamento do show por falta de público ou algo parecido. Mas quando cheguei ao local do show - após viajar mais de 400 km -, e me deparei com uma pequena fila se formando, com várias pessoas cantarolando diversos refrões de diferentes álbuns da banda - por alegria ou apenas numa inútil tentativa de aquecer o corpo -, foi uma sensação incrível.

publicidade

Quem ouve TOY DOLLS, sempre tem a sensação de que está sozinho no mundo, de que ninguém mais curte esse tipo de som hoje em dia. Não tenho muito o que dizer sobre as bandas de abertura, que iniciaram com a casa ainda vazia. Não prestei atenção. Nunca presto. Independente da qualidade delas, a razão de todos estarem ali – eram os "caras" do TOY DOLLS, e banda de abertura só faz aumentar a ansiedade. Desde o anúncio das datas brasileiras até o dia de fato, foram eternos longos 6 meses... Enquanto a hora do show não chegava, jogávamos conversa fora, regada a uma boa cervejinha. Afinal de contas, estávamos todos ali para nos divertir – correto?

publicidade

O local era bacana, mas também não sou muito exigente. Se não estivesse chovendo dentro, já estava de bom tamanho. Atrasou um pouquinho, mas tudo bem – ninguém parecia estar com pressa. A casa encheu mais rápido do que pude perceber e sem ao menos me dar conta, já estava lá na frente, pulando freneticamente ao som de "Cloughy is a Bootboy!", do mais que excelente "Wakey Wakey!". Não consigo lembrar de uma música melhor para se abrir um show... Boa parte das canções clássicas da banda (e não estou falando de "Toccata in Dm"...) foram tocadas: "Dougy Giro", "The Lambrusco Kid", "The Ashbrooke Launderette", "Bless you my Son", "She Goes to Finos", entre tantas outras. Nunca vi tamanho chute no formigueiro, como foi o caso em "Spiders in the Dressing Room" e "Nellie the Elephant" que fez muita gente se sentir um pouco mais criança novamente e ficar sem voz mais tarde.

publicidade

Olga é uma figura! Carismático como poucos. Impossível olhar para a cara engraçada dele e não rir. Essa atual formação duradoura, juntos desde 2006 (algo raro na banda), está cada vez melhor. A coreografia sensacional de "Wipe Out", com os "looping" na guitarra/baixo é a prova disso. E o que dizer do Olga esquecendo a letra da engraçadíssima "Olga... I Cannot"? Onde ele nada mais faz, do que satirizar a si mesmo. Fica evidente que a razão por eles estarem ainda na estrada é pelo puro e simples prazer de tocar, pelo fator diversão - de poder fazer o público cantar e pular e empurrar, e - sei lá mais o quê, que acontece naquelas tradicionais rodas punks, como poucas bandas ainda conseguem agitar. A turnê é comemorativa dos 30 anos do grupo, e a impressão que ficou é que os "caras" estão cada vez melhores.

publicidade

A casa encheu, os ingressos com preço adequado, o som estava bom, a cerveja gelada, um monte de mulheres bonitas (incomum para shows desse tipo...) e ainda por cima com o venerado grupo inglês tocando ao vivo. Algo, até então, impensável para muitos! O coro em uníssono perfeito de "Victory, if Glenda She... Had a Baby Oooeee..." foi o ponto alto do show e vi muito marmanjo enxugando os olhos, apenas não acreditando. No final, foi esquecer a idade que se tem, comprar camisa, broches, pegar o ingresso de volta ou qualquer coisa que sirva mais tarde de recordação dessa noite incomum. Agora, nos resta somente esperar a gravação do novo álbum, prometido pelo próprio Olga ainda para esse ano e torcer por uma nova passagem dessa inigualável banda por aqui novamente. Longa vida para o THE TOY DOLLS! Wakey Wakey!...

publicidade

Set list perfeito:
Intro (Orcastrated/theme Tune);
Cloughy Is a Bootboy!;
Dougy Giro;
Queen Alexandra Road...;
The Death Of Barry The Roofer;
The Lambrusco Kid;
Harry's Hands;
Spiders in the Dressing Room;
Nellie the Elephant;
The Ashbrooke Launderette…;
I Caught It From Camilla;
Bless You My Son/My Girlfriend's Dad's A Vicar;
Olga… I Cannot;
Idle Gossip;
Wakey Wakey!;
Fisticuffs in Frederick Street;
Toccata in Dm;
Alec's Gone;
Harry Cross (A Tribute to Edna);
Wipe Out;
Bis:
When the Saints;
Glenda and the Test Tube Baby;
She Goes to Finos ;
Theme Tune.

publicidade




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Rachel Sheherazade: cantando Iron Maiden com o Ultraje A Rigor no The NoiteRachel Sheherazade
Cantando Iron Maiden com o Ultraje A Rigor no The Noite

Pink Floyd: The Wall é uma obra de arte conceitualPink Floyd
The Wall é uma obra de arte conceitual


Sobre Rodrigo Martins

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, enviando sua descrição e link de uma foto.

WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin