Peter Frampton: clássicos da longa carreira em São Paulo

Resenha - Peter Frampton (Via Funchal, São Paulo, 17/09/2010)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Sérgio Casa Nova, Fonte: Rising Guitar
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Uma festa setentista era esperada para a noite de 17 de setembro na Via Funchal em São Paulo. Depois de 15 anos ausente dos palcos paulistas, Peter Frampton finalmente mataria a saudade de seus fãs. E como era de esperado, não decepcionou o público presente. Recheou o repertório com clássicos de sua longa carreira, dando destaque ao álbum “Frampton Comes Alive”.

5000 acessosHeavy Metal: Os 11 melhores álbuns dos anos 2000 segundo o Loudwire5000 acessosAs regras do Metal Neoclássico

Quase pontualmente o guitarrista começou a apresentação com “From Day Creep”, de sua antiga banda o Humble Pie. Logo na seqüência já ataca “It’s a Plain Shame”, e já com o público conquistado, “Show Me The Way” coloca o Via Funchal abaixo.

Frampton está em excelente forma, cantando muito bem, com a mesma voz que o tornou uma grande estrela nos anos 70. Mas no show o que imperou foi a guitarra. Mostrando porque é citado como influência para nomes como Steve Morse e Steve Vai, o guitarrista brindou o público com muitos momentos instrumentais. Após “Restraint”, uma das poucas canções do novo álbum, o excelente “Thank You Mr. Churchill”, o guitarrista apresenta 3 temas instrumentais, mostrando toda sua técnica na guitarra.

A banda estava afiadíssima, o que torna impossível dar destaque a alguém em especial. Rob Arthur (teclados, guitarra e vocal) e John Regan (baixista, que acompanha Frampton há mais de 30 anos), Adam Lester (guitarra e vocais) e Dan Wojciechowski (bateria), tiveram seus momentos individuais no show. Mas quem comandava a festa era Frampton mesmo. O guitarrista trouxe ao Brasil o mesmo equipamento que apresentou na matéria para a Guitar World (para detalhes explicados pelo próprio, clique neste link), e sabe como usá-lo, foi uma série de timbres bem sacados e de muito bom gosto. Os temas instrumentais foram intercalados por alguns temas clássicos, muitos do álbum “Frampton Comes Alive”, seu maior sucesso de vendas. Mas sem dúvida Frampton queria dar ênfase a guitarra e provar que além de bom compositor e cantor, sempre foi um excelente instrumentista.

Depois de uma versão inspirada de “Black Hole Sun” (hit da banda Soundgarden, que Frampton gravou no álbum instrumental “Fingerprints”), Frampton engata uma série de clássicos, “Baby, I Love Your Way”, “(I’ll Give You) Money” e “Do You Feel Like We Do”, tudo para matar a saudade de seu público. Como se não bastasse, Frampton tira da manga um dos seus grandes hits, revistos para esta tour latino-americana, “Breaking All The Rules”. O guitarrista não colocava este grande som nos shows há quase 20 anos, mas pela recepção da platéia não deve sair mais. O show chega ao fim com uma emocionante versão para “While My Guitar Gently Weeps”, do saudoso George Harrison.

Sem dúvida o que o Via Funchal assistiu foi um artista que não tem a intenção de mudar seu estilo e tentar novas audiências. Ao contrário, sabe que consegue isso fazendo o que sempre fez: um rock orgânico, sem frescuras e direto. Frampton, ao deixar o palco, mostrou que sua música ainda encontra espaço e relevância nos dias de hoje.

O set List foi o mesmo que apresentou em toda a tour sul-americana :
- Four Day Creep (composição da cantora de blues Ida Cox que o Humble Pie gravou no clássico “Performance Rockin’ The Fillmore” de 1971)
- It’s a Plain Shame (do álbum “Frampton Comes Alive”)
- Show me the Way (do álbum “Frampton Comes Alive”)
- Lines on my Face (do álbum “Frampton Comes Alive”)
- Restraint (do álbum “Thank You Mr. Chuchill”)
- Float (do álbum “Fingerprints”)
- Boot it up (do álbum “Fingerprints”)
- Double Nickels (do álbum “Fingerprints”)
- I Wanna Go to the Sun (do álbum “Frampton Comes Alive”)
- Off The Hook (do álbum “Peter Frampton”)
- All I wanna be (is by your side) (do álbum “Frampton Comes Alive”)
- Vaudeville Nanna and the Banjolele (do álbum “Thank You Mr. Chuchill”)
- Black Hole Sun (do álbum “Fingerprints”)
- Nassau / Baby, I love your way (do álbum “Frampton Comes Alive”)
- (I’ll give you) Money (do álbum “Frampton Comes Alive”)
- Do You Feel Like We Do (do álbum “Frampton Comes Alive”)

Encore:
- Breaking All the Rules (do álbum “Breaking All the Rules”)
- While my Guitar Gently Weeps (do álbum “Now”)

Veja algumas fotos do show no link abaixo.

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Peter Frampton"

Hard RockHard Rock
As bandas que deram origem aos heróis do gênero

Álbuns ao vivoÁlbuns ao vivo
10 grandes registros da história do rock

AC/DC, Wings, Eagles e maisAC/DC, Wings, Eagles e mais
Os grandes álbuns lançados em 1976

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de Shows0 acessosTodas as matérias sobre "Peter Frampton"

Heavy MetalHeavy Metal
Os 11 melhores álbuns dos anos 2000 segundo o Loudwire

Metal NeoclássicoMetal Neoclássico
As regras para se tornar uma estrela do gênero

Jimi HendrixJimi Hendrix
12 coisas que talvez você não saiba sobre ele

5000 acessosAntes da fama: Atores que apareceram em clipes do Korn, Offspring, Aerosmith e outros5000 acessosMetallica: membros entre os maiores maricas de todos os tempo5000 acessosMusos do Heavy Metal: Agora é a vez das garotas!5000 acessosMikkey Dee: "O Motorhead acabou, claro. Lemmy Era o Motorhead."5000 acessosUltimate Classic Rock: os 100 maiores clássicos do rock5000 acessosRolling Stone: revista elege melhores faixas de álbuns ruins

Sobre Sérgio Casa Nova

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online