Matérias Mais Lidas

imagemSteven Tyler dá entrada em clínica de reabilitação após sofrer recaída

imagemVital, o ex-Paralamas que virou nome de música e depois foi pro Heavy Metal

imagemEncontro entre Paul Di'Anno e Steve Harris resultou em "algo que será discutido"

imagemA opinião de Arnaldo Antunes sobre a competição interna que havia nos Titãs

imagemMark Tremonti, do Alter Bridge, revela que é grande fã de lendária banda de metal

imagemO que Adrian Smith descobriu ao retornar ao Iron Maiden

imagemO dia que os membros do Black Sabbath foram amaldiçoados por uma seita satânica

imagemShavo Odadjian, baixista do System Of A Down, conta quais álbuns mudaram sua vida

imagemNick Mason relembra a época que o Pink Floyd desastrosamente tentou tocar reggae

imagemRegis Tadeu explica porque Ximbinha é um dos melhores guitarristas do Brasil

imagemNicko McBrain, do Iron Maiden, mostra o seu novo (e enorme) kit de bateria

imagemMarcello Pompeu agradece mobilização de fãs

imagemAs composições de Paul McCartney nos Beatles preferidas de John Lennon

imagem"Eu não tinha ideia de quão grande o Maiden iria ficar", diz Bruce Dickinson

imagemIntegrantes do Rush relembram a época que abriram shows para o Kiss, em 1975


Dark Tranquillity: noite especial com os mestres suecos

Resenha - Dark Tranquillity (Carioca Club, São Paulo, 12/06/2010)

Por Gabriela Cotosck
Em 13/07/10

Em sua primeira visita ao Brasil, os suecos do DARK TRANQUILLITY trouxeram peso, técnica e mostraram porque se consagraram como uma das maiores bandas do Metal Escandinavo.

O Dia dos Namorados rendeu uma promoção de última hora. Os casais puderam conferir o show pagando apenas um ingresso e perto das 20h, um público razoável aguardava ansioso pelo início do show.

Após pouco mais de 10 minutos de atraso, Anders Jivarp (bateria), Martin Brändström (teclados), Daniel Antonsson (baixo), Niklas Sundin e Martin Henriksson (guitarras) se posicionaram pelo palco e com o início de "At The Point Of Ignition", Mikael Stanne juntouse a eles, já com a energia que manteria durante todo o show. A qualidade do som, principalmente dos graves e da bateria, não estava muito boa no início, mas melhorou após algumas músicas.

Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Seguiram com Brändström puxando as primeiras notas de "The Fatalist", também do novo álbum ("We Are The Void", 2010), mas já uma das favoritas do público, que cantou junto também em "Focus Shit", do álbum de 2007, "Fiction". Nesse momento de grande resposta do público e visível satisfação da banda, Mikael Stanne recebeu de um fã uma bandeira metade Brasil, metade Suécia e com o nome da banda estampado. Stanne exibiu o presente e agradeceu, bastante emocionado.

O vocalista havia prometido "uma noite especial" aos fãs brasileiros por meio de mensagens e um vídeo no Youtube. O setlist, inalterado ao longo da turnê "We Are The Void", proporcionou um retrospecto por toda a carreira desta que é considerada uma das bandas mais sólidas e também pioneira do estilo "Gothenburg Melodic Death Metal" (ao lado do IN FLAMES e AT THE GATES).

Como consegui viver de Rock e Heavy Metal

Foi na sexta música da noite, "Misery's Crown", que uma roda formou-se rapidamente, tão agitada quanto o frontman do DARK TRANQUILLITY, que não parou um momento sequer. Já há uma hora em palco, após a faixa "Dream Oblivion" do novo álbum, Mikael Stanne elogiou o "belo público" e novamente agradeceu, sempre lamentando ter demorado tanto para tocar no país e prometendo voltar o mais rápido possível.

Tocaram ainda "Lethe" e "Lost To Apathy", antes da parada que antecedeu o bis. Os riffs de "ThereIn" empolgaram mais uma vez os fãs, que fizeram coro acompanhando as guitarras e cantando o refrão. Duas faixas mais, "The Grandest Accusation" e "Terminus (Where Death Is Most Alive)", fecham e cumprem a promessa de uma noite especial e de emoção, não apenas aos fãs, mas também aos mestres do death metal melódico sueco.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Setlist:
1. At the Point of Ignition
2. The Fatalist
3. Focus Shift
4. The Wonders At Your Feet
5. Final Resistance
6. Misery's Crown
7. Punish My Heaven
8. My Negation
9. Iridium
10. Shadow in Our Blood
11. The Lesser Faith
12. Dream Oblivion
13. Lethe
14. Lost To Apathy

Bis:
1. ThereIn
2. The Grandest Accusation
3. Terminus (Where Death Is Most Alive)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Stamp
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp


Suécia: 25 grandes bandas de metal que surgiram no país escandinavo