Dark Tranquillity: noite especial com os mestres suecos

Resenha - Dark Tranquillity (Carioca Club, São Paulo, 12/06/2010)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Gabriela Cotosck
Enviar correções  |  Ver Acessos

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Em sua primeira visita ao Brasil, os suecos do DARK TRANQUILLITY trouxeram peso, técnica e mostraram porque se consagraram como uma das maiores bandas do Metal Escandinavo.

Slayer: Kerry King acha que Black Metal norueguês é uma merdaRock Brasileiro: uma lista das 10 maiores bandas

O Dia dos Namorados rendeu uma promoção de última hora. Os casais puderam conferir o show pagando apenas um ingresso e perto das 20h, um público razoável aguardava ansioso pelo início do show.

Após pouco mais de 10 minutos de atraso, Anders Jivarp (bateria), Martin Brändström (teclados), Daniel Antonsson (baixo), Niklas Sundin e Martin Henriksson (guitarras) se posicionaram pelo palco e com o início de "At The Point Of Ignition", Mikael Stanne juntouse a eles, já com a energia que manteria durante todo o show. A qualidade do som, principalmente dos graves e da bateria, não estava muito boa no início, mas melhorou após algumas músicas.

Seguiram com Brändström puxando as primeiras notas de "The Fatalist", também do novo álbum ("We Are The Void", 2010), mas já uma das favoritas do público, que cantou junto também em "Focus Shit", do álbum de 2007, "Fiction". Nesse momento de grande resposta do público e visível satisfação da banda, Mikael Stanne recebeu de um fã uma bandeira metade Brasil, metade Suécia e com o nome da banda estampado. Stanne exibiu o presente e agradeceu, bastante emocionado.

O vocalista havia prometido "uma noite especial" aos fãs brasileiros por meio de mensagens e um vídeo no Youtube. O setlist, inalterado ao longo da turnê "We Are The Void", proporcionou um retrospecto por toda a carreira desta que é considerada uma das bandas mais sólidas e também pioneira do estilo "Gothenburg Melodic Death Metal" (ao lado do IN FLAMES e AT THE GATES).

Foi na sexta música da noite, "Misery's Crown", que uma roda formou-se rapidamente, tão agitada quanto o frontman do DARK TRANQUILLITY, que não parou um momento sequer. Já há uma hora em palco, após a faixa "Dream Oblivion" do novo álbum, Mikael Stanne elogiou o "belo público" e novamente agradeceu, sempre lamentando ter demorado tanto para tocar no país e prometendo voltar o mais rápido possível.

Tocaram ainda "Lethe" e "Lost To Apathy", antes da parada que antecedeu o bis. Os riffs de "ThereIn" empolgaram mais uma vez os fãs, que fizeram coro acompanhando as guitarras e cantando o refrão. Duas faixas mais, "The Grandest Accusation" e "Terminus (Where Death Is Most Alive)", fecham e cumprem a promessa de uma noite especial e de emoção, não apenas aos fãs, mas também aos mestres do death metal melódico sueco.

Setlist:
1. At the Point of Ignition
2. The Fatalist
3. Focus Shift
4. The Wonders At Your Feet
5. Final Resistance
6. Misery's Crown
7. Punish My Heaven
8. My Negation
9. Iridium
10. Shadow in Our Blood
11. The Lesser Faith
12. Dream Oblivion
13. Lethe
14. Lost To Apathy

Bis:
1. ThereIn
2. The Grandest Accusation
3. Terminus (Where Death Is Most Alive)




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Dark Tranquillity"


Metal sueco: site elege as dez melhores bandas da SuéciaMetal sueco
Site elege as dez melhores bandas da Suécia


Slayer: Kerry King acha que Black Metal norueguês é uma merdaSlayer
Kerry King acha que Black Metal norueguês é uma merda

Rock Brasileiro: uma lista das 10 maiores bandasRock Brasileiro
Uma lista das 10 maiores bandas

Muito antes do Led Zeppelin: A origem da guitarra gêmeaMuito antes do Led Zeppelin
A origem da guitarra gêmea

Trollagem: quando as bandas decidem zoar com o playbackMarcelo Maiden: Uma impressionante coleção de ítens do Iron MaidenNightwish: fãs criam "dueto" entre as vocalistasGeoff Tate: "Lars Ulrich era um mijão em série!"

Sobre Gabriela Cotosck

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.