Resenha - Heaven & Hell (Credicard Hall, São Paulo, 15/05/2009)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Fernão Silveira
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

É triste quando uma ocasião que tinha tudo para ser perfeita acaba prejudicada por fatores alheios e aparentemente pequenos, mas muito relevantes. A ocasião perfeita: a primeira visita do HEAVEN & HELL a São Paulo. A imperfeição que quase arruinou uma bela noite: o sistema de som do Credicard Hall. Para o bem de todos e felicidade geral da nação, a lembrança que ficará deste show – e nem seria justo se fosse diferente – é a alegria de ver os monstros sagrados Ronnie James Dio, Tony Iommi, Geezer Butler e Vinnie Appice tocando ao vivo antigos e novos hinos da mais respeitada instituição do heavy metal (chame-a de BLACK SABBATH ou HEAVEN & HELL, não importa. O que vale é o legado).

5000 acessosVanessa Frehley: amor sem limites ao Kiss5000 acessosGuns N' Roses: Como Slash explica a separação em sua biografia?

Entre tantas coisas fantásticas que poderiam ser ditas a respeito deste show, é triste ser obrigado a dedicar algumas linhas para algo tão estúpido. E não foi a noite fria e chuvosa de São Paulo, ou o trânsito caótico nas imediações do Credicard Hall, ou a fila quilométrica para entrar no salão. Nada disso. A nota triste ficou por conta do pior som que já ouvi dentre todos os shows que presenciei naquela casa – e olha que não foram poucos, dos mais variados estilos e gêneros. O microfone de Dio falhou diversas vezes (ninguém ouviu a primeira estrofe de "Bible Black", por exemplo), a bateria de Appice soou como uma fanfarra de parada cívica em boa parte do espetáculo e os instrumentos de cordas estavam desproporcionalmente altos. O panorama geral era um som ensurdecedor e totalmente embolado, no qual todos os instrumentos competiam entre si para ver qual era mais inaudível. Se Dave Mustaine (MEGADETH) fosse o frontman da noite, o show teria parado em seus primeiros minutos e o técnico de som nem apareceria para trabalhar no dia seguinte.

Mas quem estava no palco, felizmente, era o HEAVEN & HELL, liderado pelo sempre simpático Dio (cantando e agitando como um garoto) e pelo gentleman Iommi (com a fisionomia serena, a fineza e a precisão de sempre). Alheia a tantos desacertos técnicos, a banda fez o que dela era esperado e presenteou o público com pérolas de um repertório tão básico quanto essencial ao heavy metal. Então, falemos de coisas boas.

Às 22h35, com "E5150" ecoando pelos alto falantes, o quarteto tomou o palco para abrir a noite com "Mob Rules". Depois de colocar fogo na galera, Dio deu boa noite e ofereceu "a primeira música que compusemos juntos": "Children of the Sea" – uma das melhores do espetáculo, por sinal. A reação do público realmente emocionou o frontman: "Obrigado, vocês fazem com que nos sintamos em casa", derreteu-se o vocalista.

Dio evocou o "incompreendido" álbum "Dehumanizer" para anunciar "I", outra música que ganhou execução de gala. Já a primeira incursão ao novo disco, "The Devil You Know", ocorreu com "Bible Black", que ficou ótima (pesada e profunda) ao vivo – embora o vocal tenha sido sensivelmente prejudicado pelas falhas no microfone. Na sequência veio "Time Machine", fechada por um solo magistral de Vinnie Appice.

"Fear" e "Follow the Tears" foram as duas outras canções de "The Devil You Know" apresentadas ao público. Embora o álbum não tenha sido lançado oficialmente no Brasil, a platéia respondeu muito bem e deu o seu aval à nova empreitada do quarteto. Entre estas duas músicas, porém, houve espaço para a ótima "Falling off the Edge of the World" – "Uma música que escrevemos numa época em que o mundo era um lugar difícil para se viver. Bom, hoje em dia continua sendo assim...", explicou o bem-humorado Ronnie Dio.

A parte final do show foi aberta com "Die Young", que contou com um impressionante solo de Tony Iommi em sua introdução. Por último, a música que batizou a banda e fez o Credicard Hall cantar "ô - ô ô ô – ô – ô - ô ô ô – ô" em uníssono: "Heaven & Hell", numa inesquecível execução de quase 15 minutos. Verdadeiramente lindo.

Após a falsa despedida e muitos gritos por Dio e Iommi, o grupo voltou para o bis solitário: "Neon Knights", aberta com trechos de "Country Girl". Muita gente ficou na esperança de alguma surpresa – como "TV Crimes" ou "Lady Evil" – para presentear a galera paulistana, mas o set list da turnê foi seguido à risca. Uma pena, mas nada que estrague a grandeza da noite.

Podemos admitir que caras como Dio, Iommi, Geezer (um deus do baixo) e Appice já levam uma bela vantagem apenas pela reputação e pelo legado que construíram ao longo dos anos, mas a performance do quarteto na noite desta sexta-feira comprova que os caras ainda trabalham duro no palco e no estúdio. Eis um bom alento para acreditarmos que o HEAVEN & HELL tem chances reais de se tornar um projeto mais longevo e sustentável do que as diversas idas e vindas do BLACK SABBATH (especialmente por causa do temperamento e da saúde de Ozzy Osbourne e sua mulher, Sharon). Então, longa vida e muita energia para eles!

Heaven & Hell – Credicard Hall (São Paulo), 15/5/09

E5150 (intro)/Mob Rules
Children of the Sea
I
Bible Black
Time Machine
Fear
Falling off the Edge of the World
Follow the Tears
Die Young
Heaven and Hell
Country Girl/Neon Knights (bis)

5000 acessosQuer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Outras resenhas de Heaven & Hell (Credicard Hall, São Paulo, 15/05/2009)

3733 acessosHeaven and Hell: apresentação magnificente em meio ao caos

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Heaven And Hell"

Ronnie James DioRonnie James Dio
Um dos mais notáveis do Heavy Metal

Black SabbathBlack Sabbath
Reuniões, qual se saiu melhor?

Ronnie James DioRonnie James Dio
Escolhendo entre coprofilia, necrofilia e bestialismo

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de Shows0 acessosTodas as matérias sobre "Heaven And Hell"

Collectors RoomCollectors Room
Uma coleção impressionante de ítens do Kiss

Guns N RosesGuns N' Roses
Slash explica, em biografia, como ocorreu a separação

Dave MustaineDave Mustaine
"Tocar com o Metallica foi purificador"

5000 acessosKiss: Vinnie Vincent é o maior filho da puta da história do rock?5000 acessosDossiê Guns N' Roses: A versão de Slash para os fatos5000 acessosNathan "Nate" Gale: O assassino de Dimebag Darrell5000 acessosMetallica: 30 curiosidades sobre o clássico "Master Of Puppets"4752 acessosAnna Sentina: se impressione com os lindos covers5000 acessosOzzy Osbourne: a última conversa com Lemmy Kilmister

Sobre Fernão Silveira

Paulistano, são-paulino, nascido nos "loucos anos 70" (1979 ainda é década de 70, certo?) e jornalista. Sua profissão já o levou a cobrir momentos antológicos da história da humanidade, como o título paulista do São Caetano, a conquista da Copa do Brasil pelo Santo André, a visita de Paris Hilton a São Paulo e shows de bandas como Judas Priest, Whitesnake, W.A.S.P., Megadeth, Slayer, Scorpions, Slipknot, Sepultura e por aí vai. Ainda tem muito gás para o nobre ofício jornalístico, mas acha que não vai muito mais longe depois de ter entrevistado Blackie Lawless, Glenn Tipton, Rogério Ceni e, claro, Paris Hilton.

Mais matérias de Fernão Silveira no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online