Kiss: Apoteose recebeu um espetáculo digno do seu nome

Resenha - Kiss (Apoteose, Rio de Janeiro, 08/04/2009)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Eduardo Martins, Fonte: Bola da Foca
Enviar correções  |  Ver Acessos

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

O Kiss é uma banda onde todos os adjetivos, comentários e números são superlativos. E para comemorar os 35 anos da carreira de um dos maiores nomes da história da música, os quatro mascarados caíram na estrada e voltaram mais uma vez á América Latina. Das outras três vezes, visitaram São Paulo (94 e 99) e Porto Alegre (99). Nesse tempo, visitaram também o México e a Argentina. Mesmo assim, o Rio de Janeiro teve que esperar por 26 anos, desde o dia 18 de junho de 1983, quando o Kiss fez a histórica apresentação onde tocaram pra aproximadamente 200 mil pessoas, para ver o evento que ganhou o título de "o melhor show de Rock 'n' Roll da Terra".

Hair metal: os 50 melhores álbuns de todos os tempos, segundo a Rolling StoneRoqueiros conservadores: a direita do rock na revista Veja

Hordas de fãs - muitos de máscaras no rosto -, chegavam de vários cantos e faziam dos arredores da Praça da Apoteose um verdadeiro carnaval rock and roll. Muitas famílias vieram prestigiar - filhos, pais, tios e porque não, avós e netos -, numa demonstração clara das várias gerações de membros da "Kiss Army". Muitos estavam ali pra ver o Kiss pela primeira vez. O show prometia bastante, já que o set list da turnê é basicamente o mesmo do histórico "Alive", que completa 35 anos em 2010, dando uma aura ainda mais especial ao evento.

Pontualmente às 21h30, as luzes se apagam. Uma gritaria ensurdecedora explode na Apoteose. No P.A., rolava "Won't Get Fooled Again", do The Who e tema do seriado CSI Miami. Antes da bandeira cair, Eric Singer esquenta ainda mais o clima ao acompanhar o P.A., tocando a batida característica da música do The Who. Ao final da música que serviu de introdução do show, Paul Stanley (guitarra/vocal) saúda o público e, acompanhado de 20 mil vozes, profere a clássica frase: "You wanted the best, you got the best. The hottest rock n' roll band in the world, Kiss!" Uma explosão e o enorme bandeirão preto com o logo do Kiss em prata que escondia todo o palco cai e debaixo de toneladas de luzes e efeitos pirotécnicos, Gene Simmons (baixo e vocal), Paul Stanley (guitarra e vocal), Tommy Thayer (guitarra) e Eric Singer (bateria) aparecem. Êxtase total. A coisa mais comum naquele momento era você ver pessoas chorando ou gritando, todas com expressões atônitas ao presenciarem in loco, um show do Kiss.

Como era de se esperar, entraram com a seqüência do Alive: "Deuce" - com direito ao balançar característico do Kiss, onde a linha de frente fica enfileirada batendo cabeça pros lados, tão imitados ao longo dos anos -, "Strutter", "Got To Choose" e "Hotter Than Hell". Todos os ingredientes tradicionais de um espetáculo do Kiss estavam ali: efeitos pirotécnicos, explosões e toneladas de luzes, as sirenes para "Hotter Than Hell" - embora achasse que entraria "Firehouse" que, apesar de estar no "Alive", não foi tocada nos shows no Brasil -, as cusparadas de fogo e língua de Gene, as caretas e provocações safadas de Stanley, os instrumentos prateados, toda aquela performance e obviamente, os clássicos. A sensação era de estar num túnel do tempo, nos shows antológicos dos anos 70.

"Fazia tempo que não víamos vocês", disse Stanley, que depois de saudar mais uma vez o público, veio com mais quatro pedradas: "Nothin' to Lose", "C'mon and Love Me", "Parasite" e "She". Neste momento, a chuva que caiu durante a semana no Rio de Janeiro e havia dado uma trégua no dia do show, resolve dar o ar da graça. Tommy então faz seu solo, lançando fogos através da guitarra e a chuva aperta ainda mais, transformando-se num dilúvio bíblico típico de fevereiro na Apoteose. A banda volta ao palco com "Watchin' You" e "100.000 Years", com solo de Eric Singer e a plataforma onde estava a bateria subindo até o teto do palco.

A chuva vai embora e pra animar ainda mais, "Cold Gin". Depois de destilarem clássicos e mais clássicos, o Kiss finaliza a primeira parte do show com o verdadeiro hino do rock, "Rock and Roll All Nite" e uma outra chuva - de papéis picados - cai sobre a platéia, completamente extasiada. Desta vez, o foguetório veio também da parte de trás do palco.

O público então pede bis cantando a melodia clássica de "I Love it Loud" e depois de alguns minutos, o Kiss volta para o palco, com Paul Stanley empunhando uma bandeira do Brasil. A primeira da seqüência do bis, foi "Shout It Out Loud". A surpresa ficou com "Lick It Up", da fase "sem máscaras" que atravessou os anos 80 e durou até a metade dos 90. Atendendo a pedidos, "I Love it Loud" também fez parte do bis.

O gran finale obviamente veio no melhor estilo do Kiss. Paul Stanley, diz: "Rio é uma cidade do Rock. Mas nós vamos levar vocês a uma outra cidade do Rock. Essa aqui se chama, Detroit Rock City!". Êxtase completo. Assim como em "Rock and Roll All Nite", a platéia recebeu um bombardeio de luzes, fogos e muita pirotecnia. Depois de duas horas de show, as luzes do palco desligam. Nos telões, um "Obrigado, Rio de Janeiro, Nós amamos vocês". A lindíssima "God Gave Rock and Roll to You" serviu de trilha sonora da despedida e da queima de fogos de fazer inveja as escolas de samba.

Não resta dúvidas de que o Kiss tem o melhor show de rock da Terra. É gratificante ver bandas veteranas mostrando principalmente as novas gerações uma verdadeira aula de rock. Nada daquela arrogância típica de bandinhas metidas a depressivas, nada de discursos panfletários baratos, virtuoses sonolentas e sim, um verdadeiro culto ao rock. Muitos criticam o Kiss pelo marketing, mas de nada adianta se a banda não tiver talento, carisma e dedicação, coisa que os mascarados cinquentões tem de sobra. Não é por acaso que estão há mais de 30 anos na estrada. Sinceramente, um dos melhores shows já vistos no Rio de Janeiro. Finalmente, a Praça da Apoteose recebeu um espetáculo digno do seu nome.


Outras resenhas de Kiss (Apoteose, Rio de Janeiro, 08/04/2009)

Kiss: Difícil imaginar que alguém tenha deixado a Apoteose insatisfeit




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Kiss"


Hair metal: os 50 melhores álbuns de todos os tempos, segundo a Rolling StoneHair metal
Os 50 melhores álbuns de todos os tempos, segundo a Rolling Stone

Kiss: as camisetas feitas a mão pelo jovem Gene SimmonsKiss
As camisetas feitas a mão pelo jovem Gene Simmons

Kiss: Alive II é um clássico de uma banda em seu auge

Kiss: Orações e empatia não são suficientes, diz Paul Stanley sobre tiroteiosKiss
"Orações e empatia não são suficientes", diz Paul Stanley sobre tiroteios

Kiss: camisetas vendidas em show estavam com o nome da cidade escrito erradoKiss
Camisetas vendidas em show estavam com o nome da cidade escrito errado

Rodz Online: 25 Anos de Philips Monsters of Rock 1994 (vídeo)

Kiss: Paul Stanley diz que Gene Simmons é seu irmão para sempreKiss
Paul Stanley diz que Gene Simmons é seu irmão para sempre

Kiss: esposa de Gene Simmons faz imitação hilária do músico em seu dia a diaKiss
Esposa de Gene Simmons faz imitação hilária do músico em seu dia a dia

Kiss: Gene Simmons é parabenizado no palco pelos seus 70 anos; veja vídeoKiss
Gene Simmons é parabenizado no palco pelos seus 70 anos; veja vídeo

Kiss: confira a capa do tributo brasileiro Brazil Rock CityKiss: assista show da banda realizado em Charlotte, nos EUAPokémon: novos personagens devem ter sido inspirados pelo Kiss

Kiss: Gene Simmons inspirou novo Pókemon?Kiss
Gene Simmons inspirou novo Pókemon?

Bruce Kulick: o guitar hero do Kiss fala sobre sua trajetóriaOs anos do Heavy Metal: A decadência e a renovação do estilo

Hard & Metal: dez músicas que soam melhor ao vivoHard & Metal
Dez músicas que soam melhor ao vivo

Eric Singer: Steven Adler perdeu o concurso e a mãe dele foi tirar satisfaçãoEric Singer
Steven Adler perdeu o concurso e a mãe dele foi tirar satisfação

Made in Brazil: O Secos e Molhados copiou a banda? E o Kiss?Made in Brazil
O Secos e Molhados copiou a banda? E o Kiss?


Roqueiros conservadores: a direita do rock na revista VejaRoqueiros conservadores
A direita do rock na revista Veja

Simplicidade é para os falsos: o nome de banda mais complicado do mundoSimplicidade é para os falsos
O nome de banda mais complicado do mundo

Separados no nascimento: Steven Tyler e Márcia GoldsmichSeparados no nascimento
Steven Tyler e Márcia Goldsmich

Antes do Black Sabbath: as 50 músicas mais pesadas do rockGuns N' Roses: funkeiro assassina clássico máximo da bandaAndre Matos: vídeo de 2000 explicando saída do AngraIron Maiden: esperança e glória

Sobre Eduardo Martins

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.