Agua de Annique: Proposta diferente, mas intensa e carregada de emoção

Resenha - Agua de Annique (Hangar 110, São Paulo, 07/03/2009)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Lidiane dos Santos
Enviar correções  |  Ver Acessos

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.












A volta da vocalista Anneke Van Giersbergen a São Paulo, após o ótimo show do The Gathering por aqui em 2006, foi muito comemorada por seus fãs. Agora em seu projeto solo, entitulado Agua de Annique, a proposta musical de Anneke é diferente de sua ex-banda, mas não deixa de ser, a sua maneira, intensa e carregada de emoção.

Fotos: Lidiane dos Santos

Quem abriu a noite foi a banda Fake Twilight que, apesar de novata, demonstraram muita segurança e musicalidade. Apesar do show ser curto, eles conquistaram a simpatia e respeito do público, com destaque para a vocalista e baixista Carla, dona de ótima presença de palco e uma grande voz.

Muitos criticaram a escolha do Hangar 110 como local do show, principalmente por acharem que o valor do ingresso era muito alto para um local como aquele, com "péssima estrutura" (palavras dos fãs). O Hangar é uma casa voltada para shows de punk rock e hardcore, mas falar que a casa não tem estrutura é algo impensado. Para shows de pequeno porte, ela é ideal; os pilares no meio da pista podem ser um problema, mas é possível ter uma boa visão do show de qualquer ponto da casa. O valor do ingresso é alto, mas as pessoas precisam entender que esse tipo de evento envolve os mais diversos tipos de gastos, e claro que esses valores são repassados para o ingresso. Isso nunca vai mudar: o show poderia ter sido no Manifesto, ou no Blackmore, lugares com praticamente a mesma capacidade de público, e o valor seria o mesmo. Não adianta colocar uma banda pequena como a Agua de Annique pra tocar na Via Funchal ou no Credicard Hall: os ingressos seriam ainda mais caros, e a presença do público seria ainda mais tímida.

Por isso considero acertada a decisão em fazer o show num local menor. Muitos dos shows que tanto a Agua de Annique como muitas outras bandas (até mais famosas, como Helloween, Primal Fear, Pain of Salvation, Moonspell, pra citar algumas com estilos diferentes) fazem pela Europa são em locais tão pequenos quanto o Hangar, e com um público bem mais calmo. Portanto, chegar aqui e ver um público razoável, mas que canta e se empolga como uma multidão, é uma grande motivação pra qualquer banda que goste de estar num palco.

O caráter intimista do show tornou a noite ainda mais especial. A qualidade de som foi muito boa (ponto positivo para o tamanho da casa), e tudo favoreceu para uma excelente apresentação da banda. Os músicos que fazem parte da banda de Anneke são muito bons, e estiveram carismáticos durante todo o tempo. Mas é claro que o destaque maior é de Anneke.

Antes do show do The Gathering por aqui em 2006, todo mundo devia ouvir as músicas e imaginar como seria ver aquilo ao vivo, o que aquela mulher poderia fazer em cima de um palco. Aquele show marcou muita gente, principalmente pela performance espetacular de Anneke. Sua beleza, potência e técnica vocal e um imenso carisma conquistaram todas aquelas pessoas. E dessa vez, no show do Agua de Annique, isso foi novamente provado e reforçado. Talvez pelo show ser em um local menor, isso tornou-se ainda mais evidente: sua presença é magnética, é difícil tirar seus olhos dela. A mulher se entrega às músicas de uma maneira que impressiona e, ao final de cada canção, para os fãs as palmas e gritos não bastavam. Foram pouco mais de 200 pessoas presentes, mas elas fizeram muito barulho, cantando todas as músicas. Alguns inclusive comentaram que também iriam ao show da banda no Rio de Janeiro, que aconteceu no dia seguinte.

O set-list foi baseado no primeiro álbum da banda, "Pure Air", além de duas músicas inéditas e claro, algumas canções do "The Gathering", que levaram os fãs ao delírio. Também foram tocados covers do Moonspell e do Faith no More, que surpreenderam aos presentes, principalmente pela intensa performance de Anneke em "Digging the Grave", do FNM.

Foram quase uma hora e meia de show, que satifez a todos os presentes. E meia hora após o término, a simpaticíssima Anneke apareceu e atendeu a todos os fãs, dando autógrafos e tirando fotos, sempre com um enorme sorriso no rosto, o que é sua marca registrada. Sem dúvida, o final perfeito para os fãs de Anneke, que já aguardam ansiosamente pelo seu retorno, seja ele no Hangar, Via Funchal ou qualquer outro local...



GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Agua de Annique"


Slayer: Kerry King fala sobre sua relação com religiõesSlayer
Kerry King fala sobre sua relação com religiões

Bruce Dickinson: Prefiro errar letras a usar monitores!Bruce Dickinson
"Prefiro errar letras a usar monitores!"

Mike Terrana: Malmsteen foi uma das piores pessoas que conheci!Mike Terrana
"Malmsteen foi uma das piores pessoas que conheci!"

U2: as 10 melhores músicas de todos os tempos da bandaChinese Democracy: de 1994 a 2008, a saga do álbum mais caro da históriaAC/DC: guitarrista Angus Young confronta fã em 2000Guns N' Roses: Por que tanta gente odeia Paul Huge Tobias?

Sobre Lidiane dos Santos

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.