Dismember: Verdadeira aula de Death Metal em São Paulo

Resenha - Dismember (Tribe House, São Paulo, 05/10/2008)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Glauco Silva
Enviar correções  |  Ver Acessos

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.















Esse era um show que tinha vontade de ver, mas não estava exatamente ansioso para tal, pois sou bem avesso a assistir bandas que passaram por muita mudança na formação (só 2 são do Dismember original)... se soubesse o que me esperava, teria garantido a presença com antecedência muito maior: uma verdadeira aula de Death Metal, e com boas bandas na abertura do evento.

Fotos: Sallua de Moura

Só acompanhei as últimas músicas da banda que iniciou o fest: o Machinage de Jundiaí. Deu pra sacar que fazem um thrash competente, com pitadas heavy chegando a lembrar o Megadeth em alguns momentos. Depois deste show recebi a notícia que o Bestial Atrocity realmente não se apresentaria, o que foi um tanto frustrante - mas a maratona ainda contava com 4 bandas, algo um tanto cansativo pra quem quer acompanhar todas.

Na seqüência veio o Chaos Synopsis, que já conhecia de uma apresentação em Campinas e pela demo que adquiri naquele dia. A banda era um quarteto na época e gostei da sonoridade, embora não achasse nada lá espetacular. A banda subiu ao palco agora como trio, e a saída do vocalista, por incrível que pareça, só fez a banda crescer: o baixista Jairo assumiu a linha de frente com fúria incontida, o cara é um possesso no palco. Mandaram sons de sua demo, alguns novos e uma cover competente do velho Death. A se lamentar apenas o som da guitarra na maior parte do show, foi uma performance matadora.

O Kross de Jundiaí entrava então com a difícil missão de manter o pique da audiência lá em cima, mas infelizmente não foi o que ocorreu. A moçada faz um heavy/thrash à la Iced Earth até que interessante, mas definitivamente não foi a noite deles - ainda mais levando em conta a natureza musical das demais bandas. Mandaram sons de sua demo (que foi distribuída ao público, excelente atitude pra divulgar o som) e um cover do Nevermore, mas a imaturidade da banda ainda é gritante para abrir esse tipo de show. Vamos ver como evoluem na cena...

Já o Itself foi uma surpresa agradabilíssima. Ainda causa estranheza ver um batera nos vocais, mas o cara é muito bom na função: foi bem tanto nos berros mais levados pro thrash como na pancadaria. Reclamou bastante do ajuste da bateria, o som do baixo não estava lá grandes coisas, mas mandaram ver com muita garra. O curioso foi a versão de "Master Of Puppets": já virei o nariz por ser um chavão enorme, mas colocaram blastbeats (!) que se encaixaram muito bem. Não deu pra entender o discurso que colocaram em playback, no meio do som: a voz de uma mulher falando que rock é coisa do demônio, essas coisas que nós, bangers, acostumamos a ouvir da avó. Uma ducha de água fria e que deixou todo mundo atônito, a meu ver foi a única escorregada do trio.

O Infamous Glory encerrava a parte de abertura já pegando uma audiência cansada e começando a ficar impaciente, mas foram bem espertos: emendaram um som atrás do outro com seu ótimo death old school. Mostraram absoluta tranqüilidade e se comunicaram bastante com o pessoal, que respeitou e curtiu bastante a apresentação dos caras. Profissionalismo e competência a toda prova, um exemplo de como se portar ante as interpéries - e com músicas realmente muito boas, diga-se de passagem.

Eis que chega a hora da atração principal - e meu amigo, que show foi esse. Como escrevi no início, estava um pouco receoso quanto à atual encarnação do Dismember, mas nesse caso (tal qual o Deicide) a injeção de sangue novo fez um bem enorme à banda: os caras mataram a pau, com uma dinâmica e, principalmente, uma gana de palco inacreditável. Começaram com "Death Conquers All", que abre o álbum mais recente, e na seqüência já mandaram "Sickening Art" do clássico debut.

Os caras fizeram um set excelente, balanceando as menos conhecidas e atuais ("Combat Fatigue", "Tide Of Blood", "Under a Blood Red Sky") com uma lista de fazer qualquer fã de death ter um orgasmo: "Reborn In Blasphemy", "Pieces", a matadora "Trendkiller", "Soon To Be Dead", "Casket Garden" pedida incessantemente e detonada no meio do set, "Dreaming In Red"... uma seqüência sensacional, de tirar o fôlego!

Apesar da falta que o Fred Estby faz na bateria, Thomas Daun segurou as pontas o show inteiro com imensa categoria e personalidade. Tobias Christiansson é um baixista com um carisma gigantesco e contagia o público com extrema facilidade, enquanto Martin Persson e o velho David Blomqvist (ambos com camisa do Sarcófago) se preocupam mais em bangear sem parar, enquanto mandam seus riffs cáusticos alternados com a harmonia tão característica da banda. Agora coube ao Matti Kärki todo o destaque da noite: o cara está um verdadeiro animal, não pára de agitar e se comunicar com o público a apresentação toda.

Mesmo o vocal dele está muito mais forte ao vivo do que ouvi nos últimos plays, um ataque rábido realmente impressionante. Não assisti a performance dos caras aqui há alguns anos, mas quem esteve nas 2 afirmou, com unanimidade, que esse show de 2008 foi muito superior ao outro... até coral o público fez nas melodias dos sons, em especial no hino "Override Of The Overture" que fechou a apresentação, cantada em uníssono.

Impressionante mesmo ver o que a banda ainda produz no palco, 20 anos depois de decidir cursar (e ajudar a moldar) essa estrada chamada Death Metal: um caminho tortuoso, mas que trilharam sem concessão musical alguma, com fidelidade canina ao estilo e seus fãs, e sem cessar as atividades como a grande maioria dos sobreviventes da geração de ouro dos anos 90. Até agora foi o melhor show de 2008, em minha opinião, e quem não compareceu pode ter a absoluta certeza que perdeu uma das melhores aulas de brutalidade sonora que assisti nos últimos anos... grande Dismember!



GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Dismember"


Dismember: show no Scandinavia Deathfest 2019 será filmado

Dave Mustaine: Kiko é o primeiro que me intimida desde FriedmanDave Mustaine
"Kiko é o primeiro que me intimida desde Friedman"

U2: as 10 melhores músicas de todos os tempos da bandaU2
As 10 melhores músicas de todos os tempos da banda

Memoráveis como a música: os 25 melhores logos de bandasMemoráveis como a música
Os 25 melhores logos de bandas

Ultimate Classic Rock: os 100 maiores clássicos do rockUltraje a Rigor: Roger diz que foi tratado como lixo pela equipe dos StonesSkid Row: vocalista rebate declarações de Sebastian BachBruce Dickinson: Brasileiros impressionam com cover de "Tears of the Dragon"

Sobre Glauco Silva

36 anos, solteiro, estudou Linguística e Engenharia de Alimentos na UNICAMP. Tem sua sobrevivência (CDs, cigarro e cerveja) garantida no trabalho em uma multinacional. Iniciado no Metal em 1988, é baixista/vocal do LACONIST (Death Metal) e acredita fielmente que o SARCÓFAGO é a melhor banda do universo.

Mais informações sobre Glauco Silva

Mais matérias de Glauco Silva no Whiplash.Net.