Eric Martin: Apesar de pressa e imprevistos, ótimo show em Curitiba

Resenha - Eric Martin (Hangar Bar, Curitiba, 13/06/2008)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por André Molina
Enviar correções  |  Ver Acessos

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

André Molina
André Molina
André Molina
André Molina
André Molina
André Molina
André Molina
André Molina

Depois de uma semana de atraso devido à burocracia para sair o visto, o cantor Eric Martin desembarcou em Curitiba para realizar show no Hangar Bar. O cantor veio acompanhado da banda ROAD VULTURES, formada por Christian Vidal (guitarra), Pablo Garrocho (bateria) e Charlie Giardina (baixo). A apresentação aconteceu no dia 20 de junho, sexta-feira, e atraiu diversos fãs de hard rock, principalmente, mulheres.

O show contou com três bandas de abertura. Entre elas, HARD DRIVE, que executou covers de ALICE COOPER, BON JOVI e FIREHOUSE, e a talentosa MR. MANN, que apresentou seu trabalho. Na verdade, o grupo MR. MANN realizou o encerramento porque Eric Martin tinha vôo marcado logo em seguida ao show. A banda do guitarrista Airton Mann executou um hard rock original com influências nítidas de VAN HALEN. Pode se dizer que o diferencial, é o vocal de Wanessa Siewert. A cantora passa delicadeza a um estilo pesado e virtuoso. O contraste adicionou identidade ao grupo.

A apresentação começou bem tarde. O ex-vocalista do MR. BIG subiu ao palco perto das 02h00. Foram diversos os motivos que colaboraram com o atraso. Antes do evento hard rock, o Hangar Bar estava promovendo um festival hard core, que acabou às 23h00 (horário em que as bandas de abertura já deveriam ter concluído os shows). Outro fator que contribuiu foi a quantidade de bandas de abertura. Eric ficou preocupado porque teria que fazer o show e se apressar para pegar seu vôo. Ele reclamou que a apresentação começou tarde. "Os aeroportos atrasam demais. Gostaria de poder tocar mais para uma platéia tão empolgada", disse no intervalo das canções. O ex-MR. BIG cantou por quase uma hora e meia.

A vantagem é que o início tenso não comprometeu a apresentação de Martin. Com o decorrer do show, o cantor começou a se sentir à vontade e justificou o motivo dos atrasos. Ele interagiu bastante com a platéia e, em alguns momentos, passou o microfone para fãs cantarem com ele.

Na primeira metade do show, o ex-MR. BIG apresentou canções de sua antiga banda como "Wild World", "Voodoo Kiss" e "Superfantastic". É necessário enfatizar que o músico se sente meio preso quando canta e, ao mesmo tempo, toca violão ou guitarra. A partir do momento em que ele deixa os instrumentos e se dedica somente ao vocal, o astral muda. A interação com a platéia passa a ser bem maior. Foi assim no restante do show. Quando Eric Martin e banda iniciam "Take Cover", em uma versão mais pesada, a apresentação adquiriu mais dinamismo.
Ao mesmo tempo em que Eric se solta mais para cantar, as canções adquirem mais peso. Quem gosta de hard rock e, por falta de oportunidade, acredita que o MR BIG é somente uma banda de baladas, está enganado. A música de Eric Martin tem muito vigor e técnica.

Após a interação se tornar maior, o cantor apresentou mais canções do MR. BIG, como "Daddy, Brother, Lover, Little Boy", "Colorado Bulldog", "Just Take My Heart" e "To Be With You", que quase foi cantada somente pela platéia. Em alguns momentos, o coro cobria a voz de Eric. Era difícil encontrar alguém que não estava cantando "To Be With You". A simpatia do cantor deixa a platéia a vontade. Mesmo em algumas canções, que exibem certo virtuosismo, a platéia se envolveu.

Outra característica do show que deve ser mencionada é a toalha oferecida pela produção. Para secar o suor, os músicos utilizavam toalhas com as famosas estampas de "onça", naturais do estilo da década de 80, denominado por muitos, "hard rock farofa".



GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Mr Big"Todas as matérias sobre "Eric Martin"


Billy Sheehan: conheça os músicos que acompanharão o baixista em SP em outubro

Guitarristas: os maiores do Hard & Heavy segundo a revista BurnnGuitarristas
Os maiores do Hard & Heavy segundo a revista Burnn

Mr. Big: a coragem e a força de Pat Torpey diante do ParkinsonMr. Big
A coragem e a força de Pat Torpey diante do Parkinson

Paul Gilbert: o álbum que o salvou de virar um clone do Yngwie MalmsteenPaul Gilbert
O álbum que o salvou de virar um clone do Yngwie Malmsteen


Iron Maiden: Perguntas e respostas e curiosidades diversasIron Maiden
Perguntas e respostas e curiosidades diversas

Câncer na língua: entenda a doença de Bruce DickinsonCâncer na língua
Entenda a doença de Bruce Dickinson

Fotos de Infância: PanteraFotos de Infância
Pantera

Refrãos: alguns dos mais marcantes do Rock/MetalMalmsteen: Slash, Vai, Satriani e Wylde falam do guitarristaAC/DC: guitarrista Angus Young confronta fã em 2000Guns N' Roses: Por que tanta gente odeia Paul Huge Tobias?

Sobre André Molina

André Molina é jornalista, economista e começou a ouvir heavy metal ainda quando era criança. Tem 30 anos de idade e Rock 'n' Roll é sua religião.

Mais matérias de André Molina no Whiplash.Net.