Marilyn Manson: Em São Paulo, um show curto e sem os excessos esperado

Resenha - Marilyn Manson (Via Funchal, São Paulo, 26/09/2007)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Eduardo S. Contro
Enviar correções  |  Ver Acessos

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.





Em plena noite de quarta-feira, dia 26, milhares de fãs compareceram ao Via Funchal para assistir a apresentação de Marilyn Manson, cerca de uma década após sua primeira passagem pelas terras brasucas.

Fotos: Elisabete Joyce

Muita coisa mudou durante esse longo tempo: a idade chegou, o sucesso que Manson detinha no final dos anos 90 praticamente se exauriu, como também a banda toda foi reformulada do seu auge até hoje (exceto pelo baterista Ginger Fish).

É certo que a maior parte dos fãs não se importava com isso, afinal esperaram muito por este momento. A empolgação era tanta que algumas pessoas dormiram na porta do Via Funchal dias antes do show, e, na data da apresentação, a fila já era grande logo de manhã.

O retrato de tudo isso: cansaço. Em uma pequena contagem antes mesmo do show começar, foram cerca de 30 pessoas passando mal retiradas pelos seguranças da grade.

Voltando ao que importa, a abertura da noite ficou por conta da banda Maldita, que é bastante conhecida na cena independente e que tem muito a ver com a sonoridade do Manson. Os caras do Rio tocaram por cerca de meia hora, mas sem conseguir agitar muito o público.

Após o show, as luzes voltaram a se acender e a espera foi longa. A apresentação de Manson, marcada para as 22h, teve um belo atraso e começou apenas às 22h40.

Brian Warner e sua trupe subiram no palco em uma intro com direito a explosão e muita fumaça, dando o toque do que se poderia esperar, pelo menos a princípio. A banda logo em seguida tomou posição e abriu a noite com "If I Was Your Vampire", música do seu novo e FRAQUÍSSIMO trabalho, intitulado "Eat Me, Drink Me". Para minha surpresa, a música agradou.

Na seqüência, veio a boa "Disposible Teens" pra agitar de vez a noite. Aliás, falando em set, a apresentação com certeza não agradou os fãs mais antigos, já que foi recheado de músicas novas, além de ter sido curtíssima.

Em relação à performance de Manson, o rockstar com seu microfone em formato de punhal agitou bastante, e brincou com o público. O ponto alto de interação foi em "Lunch Box", em que Manson pediu para que a platéia cantasse com ele, tendo sido prontamente atendido.

Porém, quando falamos de um dos frontmans mais conhecidos por suas performances inusitadas no palco, Manson foi bastante comportado. Com certeza seus 38 anos já o impedem de fazer as loucuras da época do "Antichrist". Trocou apenas algumas vezes de roupa. Nada de cenário, pouquíssimos efeitos, sem telão e sem canhão.

Os demais integrantes, aliás, não vale nem mencionar. Com todo o respeito a Chris Vrenna e aos outros, que falta fazem Twiggy, Pogo e John 5. Aliás, Manson sem Twiggy... é complicado imaginar um show assim, presenciar então, pior.

O ponto alto do show ficou por conta de "Sweet Dreams" e pra fechar em grande estilo, a banda mandou sua música mais famosa, "Beautiful People", que levou o público ao delírio e selou a (muito provavelmente) ultima passagem de Marilyn Manson por aqui.

No total, foram apenas 1 hora e 15 minutos de show. Curtíssimo!

Via-se na fisionomia dos fãs que eles saíam de lá muito contentes por poderem ver mais uma vez o seu maior ídolo. Pra quem esperou 10 anos por um dos grandes mitos do rock dos anos 90, porém, foi muito pouco. O Mr. Superstar poderia ter se esforçado um pouco mais.

Set:
Intro
If I Was Your Vampire
Disposable Teens
mOBSCENE
Irresponsible Hate Anthem
Just A Car Crash Away
Sweet Dreams - Lunchbox
The Fight Song
Putting Holes In Happiness
Heart-Shapped Glasses
The Dope Show
Rock is Dead
The Reflecting God
The Beatiful People


Outras resenhas de Marilyn Manson (Via Funchal, São Paulo, 26/09/2007)

Marilyn Manson: Em São Paulo, show tecnicamente bom e sem bizarricesMarilyn Manson: Show profissional, energético, mas carente de recursos



GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Marilyn Manson"


Funko: Iron Maiden e Marilyn Manson ganharão novos bonequinhosFunko
Iron Maiden e Marilyn Manson ganharão novos bonequinhos

Marilyn Manson: vocalista atuará em nova série de Stephen KingMarilyn Manson
Vocalista atuará em nova série de Stephen King

Rockstars: 18 roqueiros que já apareceram em filmesRockstars
18 roqueiros que já apareceram em filmes

Kerrang: os melhores singles já lançadosKerrang
Os melhores singles já lançados

Em cana: os rockstars em suas fotos mais constrangedorasEm cana
Os rockstars em suas fotos mais constrangedoras


Heavy Metal: os dez melhores álbuns lançados em 1991Heavy Metal
Os dez melhores álbuns lançados em 1991

Rock In Rio I: Pra quem tem menos de quarenta anos fica difícil imaginarRock In Rio I
Pra quem tem menos de quarenta anos fica difícil imaginar

Heaven & Hell: mistérios e autocensura na capa de álbumHeaven & Hell
Mistérios e autocensura na capa de álbum

Rock: as dez lendas mais macabras do gêneroIndústria: atrizes pornô começam a seguir mesmo rumo das bandasW. Axl Rose: "ele é tudo que falta no rock de hoje", diz FortusTurnês: 94% dos que mais lucram têm mais de 40 anos

Sobre Eduardo S. Contro

Assessor de imprensa, nascido em 1982. Músico nas horas vagas, sua história com o rock começou aos 7 anos de idade. Na época, fazia reuniões com os amigos para ouvir Guns, Rolling Stones, Beatles e afins. Aos 12 se tornou fã do estilo Grunge e, como muitos jovens rockeiros, logo passou a ouvir metal, graças ao Iron Maiden. Hoje é bastante eclético. Escuta de tudo um pouco, de rock progressivo setentão a Black Metal. Desde 1996 (ano da criação do Whiplash!) acompanhou o crescimento e desenvolvimento do site e hoje se sente feliz por fazer parte dessa família. Sempre disposto a conhecer bandas novas e discutir sobre os rumos da música, vive em busca de contribuir para a evolução do rock brasileiro.

Mais matérias de Eduardo S. Contro no Whiplash.Net.