Resenha - Vooadera Festival (São José, Santa Catarina, 21/01/2006)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Clóvis Eduardo
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.








Santa Catarina dizia maciçamente no final de semana entre 20 e 22 de janeiro que o “Planeta Atlântida” (um grande festival pop que acontece anualmente em Santa Catarina e também no Rio Grande do Sul) seria incrível. Atrações nacionais fariam a cabeça da galera em duas noites de shows em Florianópolis. Bom que em São José, tão pertinho da capital, cerca de 800 pessoas encontraram algo melhor para se fazer na noite do sábado dia 21.

Fotos: Makila Crowley (www.makilacrowley.com.br)

A divulgação do evento organizado pela produtora Vooadera foi um grande diferencial. E no palco estavam nomes conhecidos da cena catarinense como os thrashers do “Chaoslapsive” (Florianópolis), o Black Metal do “Austhral” (Florianópolis), o Dark Metal do “Aldren Liebe” (Florianópolis), e a variação progressiva do “Liberty Expression” (Blumenau), que aproveitou o evento para anunciar o lançamento do EP “Virtual Age”.

Essas bandas por si só já deram um espetáculo, com shows em ótimo estilo. A “Chaoslapsive” teve de iniciar o evento e mandou um som muito bom e energético, apesar da casa estar um pouco vazia. Em seqüência e com um público já mais empolgado, a “Austhral” usou de teclados e ótimos timbres para executar músicas que chamaram bastante a atenção pela agressividade. O mesmo pode-se dizer do sexteto do “Aldren Liebe”, que formado por rapazes e duas meninas, empolgaram em momentos muito interessantes em duetos vocálicos. Alguns covers como “Nymphetamine” do “Cradle of Filth” mostrou que de harmonias e boas entonações de voz o grupo tem de sobra.

A “Liberty Expression” era vista como uma banda um pouco deslocada do estilo das demais, mas não deixou ninguém insatisfeito ou reclamando. Com simpatia e passagens de power metal, clássico ou progressivo, o grupo aproveitou alguns covers como “Nova Era” do Angra e colocou grande parte do público para balançar. As músicas do “Liberty Expression” valem ser conferidas e este novo EP pode dar novas projeções para o grupo. Enfim, foram quatro shows muito bons.

Acabou? Que nada. Era o momento de detonar tudo com três das maiores atrações de Death Metal do estado. Talvez um dos maiores nomes da cena atual, a “Infektus” (Timbó), criou um ambiente agressivo e especial para a noite. Vocais extremamente guturais, riffs e solos devastadores e uma bateria liderada por Culver Yu, da banda “Steel Warrior”, também de Santa Catarina, mostraram que a “Infektus” ainda vai longe. E na seqüência emendando as apresentações a “Sodamned” (Guaramirim) fez o extremo soar ainda melhor. Uma mistura de vocais urrados e gritados acompanhados de velocidade na bateria fizeram muita gente ficar de queixo caído com esta banda que já está a sete anos fazendo a alegria do underground catarinense.

Para encerrar o evento, a banda “Shadow of Sadness” (Itapema), carregou peso e velocidade aos alto-falantes. As músicas do cd “Way To Hell” agitaram bem àqueles que ainda tinham forças para permanecer de pé. Um cover de “Violent Revolution” do “Kreator” veio muito bem, assim como o convite ao vocalista da banda “Infektus”, Boris Girardi, para encerrar a noite de muita pancadaria sonora.

As sete bandas animaram o público por várias horas de música pesada. Os organizadores ficaram muito contentes com o resultado deste primeiro Vooadera Festival, assim como o público, que curtiu e valorizou a cada apresentação. O som esteve muito bom, e a iluminação, apesar de simples, foi eficaz. Valeu pela organização perfeita e pelo encontro com os amigos e a qualidade das bandas.

Planeta Atlântida? Ninguém sentiu sua falta não!

Agradecimentos: Gerson, Japa, Gaby e Sodamned, Makila Crowley

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de Shows

ProstitutasProstitutas
3 das mais famosas e devassas do cenário Rock

Iron MaidenIron Maiden
Bruce Dickinson revela sua "canção de merda"

Chris CornellChris Cornell
Jornalista foi a último show e percebeu algo errado

5000 acessosPearl Jam: banda tenta tocar Rush em homenagem a Geddy Lee mas desiste5000 acessosRatos de Porão: O elogio de João Gordo aos garotos do Restart5000 acessosBehemoth: Nergal mitando em foto no Aeroporto de Guarulhos5000 acessosWest Ham: o time do coração de Steve Harris5000 acessosSeparados no nascimento: Kevin Bacon e Myles Kennedy5000 acessosSystem of a Down: e se Lars Ulrich fosse o baterista do "Aerials"?

Sobre Clóvis Eduardo

Clóvis Eduardo Cuco é catarinense, jornalista e metaleiro.

Mais matérias de Clóvis Eduardo no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online