Resenha - Pato Fu (Sesc Vila Mariana, São Paulo, 10/05/2003)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Luciana Ueda
Enviar Correções  

Sábado – 17h12 – Estou me preparando para passar um fim de semana bem tranqüilo, dormindo em minha querida caminha, quando recebo um telefonema: tenho ingressos à minha disposição para ver o Pato Fu em ação, mas... o show é daqui a quatro horas e eu ainda estava pensando na cor do meu pijama! Em tempo recorde, estou eu, já vestida, uniformizada, fotógrafa convocada (Carla Cristina) e vontade, voando para o Sesc Vila Mariana, quase do outro lado da cidade... 20h30 – Retiro meus ingressos e recebo uma boa notícia: LOTAÇÃO ESGOTADA. A noite promete.

publicidade

Como já estive lá várias vezes, não me foi surpresa ver que ninguém se sentava nas cadeiras indicadas pelo ingresso. Surpresa foi quando as cortinas se abriram e, ao invés de eu ver o Pato Fu, o que eu vi foi todo o público se levantar de seus lugares (errados) e colar no "gargarejo" do palco. Em vão os seguranças tentaram fazer esses "pato fans" voltarem a seus (errados) assentos. Ficaram de pé até o fim.

publicidade

A proximidade com o público garantiu uma interatividade. No início do show a projeção no telão ao fundo falhou e isso garantiu uma música extra, de compensação, no set list. O telão voltou a funcionar logo depois da promessa feita...

Com um pouco de cada disco, predominando o disco ao vivo, inovaram a música "Eu", num estilo que me pareceu mais um destes cha-cha-chá lento, para se tocar em elevador ou espera telefônica. Pelo menos ficou dançante. Aliás, dançante estava o baixista Ricardo Koctus, que num intervalo ficou a dançar "I’m too sexy for my love...", para riso geral do público.

publicidade

Sempre conversando com todos, Fernanda e John foram , como sempre, super simpáticos. Até mesmo quando não tinham nada para falar. John aproveitou para falar de uma propaganda enganosa a respeito de distribuição de brindes no workshop do baterista Xande Tomietti, que ocorreu pouco antes do show no mesmo local. Falou também sobre a técnica que Xande tinha acabado de executar ao fim da última música: um barbosa. E prometeu que durante o show haveriam mais barbosas. Na hora do bis, ao invés de se ouvir clamores de "mais um" ou "Pato Fu", o que mais se ouviu foi BARBOSA!

publicidade


Show com direito a "Capetão 66.6 FM", "Por que te vas", "Imperfeito", "Ando meio desligado", e "Made in Japan", pra maioria ficar sem cantar em japonês. Depois do show, rolou uma sessão de autógrafos, e eu, que não nasci ontem, fui lá pegar os meus e bater um papinho com eles. Mas isso é outra história...

publicidade




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Slayer: é melhor não mexer com a família do Tom Araya...Slayer
é melhor não mexer com a família do Tom Araya...

Curiosidade: artistas que odeiam suas próprias músicasCuriosidade
Artistas que odeiam suas próprias músicas


Sobre Luciana Ueda

"Nasci com o BRock. Cresci com o BRock. Mas morrerei muito antes do BRock..." Com o frescor dos seus 21 aninhos, Luciana Ueda a-do-ra o rock nacional cada vez mais! Mas isso não quer dizer que ela goste exclusivamente de rock nacional. Entre suas preferências internacionais incluem Pink Floyd, Led Zeppelin, Eric Clapton, os lendários Beatles e uma infinidade de outras bandas... Por enquanto, ela é só mais uma estudante de Telecomunicações. Mas quem vai saber o que ela será amanhã?

Mais matérias de Luciana Ueda no Whiplash.Net.

WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin