Resenha - Kiss (Porto Alegre, 10/06/1999)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por André Pase
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Uma fria noite de quinta-feira. O vento era forte, mas mais resistentes foram os 35.000 fãs que viram o KISS em Porto Alegre. Foi a primeira apresentação da banda na cidade.

31 acessosMarcos de Ros: Gene Simmons, o Capitalista Malvadão5000 acessosMotörhead: em 1995, Lemmy comenta versão do Sepultura

O espetáculo começou com o Rammstein, banda alemã que faz um heavy metal que mistura Fear Factory, Pantera e Kraftwerk. O som da banda ganha novo ânimo ao vivo, pois está recheado de pirotecnia. Eram foguetes que saiam do palco, fogos de artifício e um número estranho. O vocal Till Lindemann fez uma simulação de sexo com um companheiro de banda, e depois ainda ficou com o "efeito" para fora até o fim da música. Apesar de soar como um Ibiza depois de algumas músicas, valeu a apresentação. Depois de uma garrafada na cabeça, Till sentiu q era a hora de acabar a festa e sem problemas parou o som. Destaque para os músicos que brincaram ao melhor estilo replicante e para a bateria.

Eram 10 e meia quando a cortina subiu. Poucos minutos depois, uma voz anunciava "the hottest band in the world", o KISS. A abertura foi com Psycho Circus, seguida de Shout It Loud e Deuce. O set da banda foi o mesmo da tour REUNION´96 (volta das máscaras), com apenas Psycho Circus, Within e Into the Void acrescidas. Os efeitos em 3-D foram divertidos, colocavam a banda empurrando a guitarra para os olhos da platéia. Os outros efeitos foram a guitarra de Ace que voou no solo depois de soltar fumaça, Paul Stanley voando sobre o público para ficar num palco à parte e o tradicional ritual de sangue de Gene Simmons. Em Firehouse, as sirenes foram ligadas para que Gene surgisse com um cetro em chamas.

O som estava ruim, e a voz de Paul e Ace sumia algumas vezes. Faltou I Love It Loud, e algumas músicas ficaram melhor em CD/mp3 que ao vivo, como Psycho Circus, Within e Shout It Loud. Gene foi o destaque. Parecia que estava em uma festa, pulando e mexendo a sua língua. Além disso, mostrou que é o melhor naquilo que faz, tocar para divertir (e sobreviver disso!).

O público estava parado, só agitando no final do show. Do total presente, muitos foram porque era um grande show e a música que tocava na rádio era uma "baladinha boa". Empiricamente, seriam 25.000 pessoas que conheciam We Are One e Rock and Roll all Nite. Maior prova disso foi a platéia estática durante Detroit Rock City. Dos outros 10 mil, metade eram fãs da década de 80 que saíram decepcionados por não ouvir I LOVE IT LOUD. Sobraram 5 mil que ficaram decepcionados com o show, apesar de uma versão lendária para Love Gun. Esses fãs do Alive I e II sabiam que a banda poderia ter rendido mais...

Outra novidade foi uma maior presença de Ace e Peter no show. Os quatro fizeram seus solos, o de Ace um pouco longo e o de Peter morno. Durante Rock and Roll All Nite, o Jockey Club ferveu. Todos cantavam junto, e Paul só disse "Portu Alegrre is awesome!". No bis, Beth com Peter dando flores ao público e sozinho no palco, Detroit Rock City e Black Diamond com Paul brincando com platéia em seu solo, fazendo uma guerra de torcidas.

A música sempre será atual, mas Peter Criss foi medíocre... poderiam pintar o Eric Singer e colocar ele lá. Ace fez um solo bem normal, poderia ter 1/3 a menos. Acabou salvo quando ele disse "this is for Stanley Kubrick". O video da guitarra (qto será q a Gibson pagou por aquilo?) foi totalmente inspirado em 2001.

Faltou I LOVE IT LOUD. Mas deixo aqui escrito uma coisa que ninguém escreveu e pode ter decepcionado uma galera. O KISS atual, 1a formação, não toca coisa de outros, vide ILILoud - Eric Carr (batera) - e Forever/Take it off - Bruce Kullick (guitar solo) e Eric Singer (batera). Dizem que fazem por respeito, mas será que o Peter consegue tocar isso?

Deu para perceber elementos de playback no show. Na abertura, PsychoCircus, os sons de guitarra continuaram, mesmo com Ace jogando palhetas e Paul arrumando a peruca. Ah, a peruca é marca dos vovôs. Quem conferiu eles no hotel (furou o esquema de segurança... não existem mais fotos deles sem máscaras heheheh) saiu surpreso com tudo. Além das rugas, todos estão com uma careca bem avançada. Apesar disso, a música não está velha.

A organização poderia tirar algumas lições. Um som decente não faz mal a ninguém. Em muitos momentos a voz do Paul sumia e a guitarra do Ace desaparecia. Se melhor organizado (e sem vento), o Jockey suporta um evento desses, mas aguentar tamanha buraqueira na pista foi difícil. Em um terreno irregular, quanto mais perto do palco, menos era visto.

Seria bom escutar um Cd ao vivo dessa tour, para escutar com cuidado e escutra algum efeito de estúdio. Já disse Derek Sherinian, ex-tecladista do Dream Theater, sobre o fato de ter trabalhado no CD Alive III "logo eu aprendi que a pós-produção em um disco ao vivo do KISS é pegar a bateria e o barulho do público e refazer TUDO!... Você lembra do que sentiu quando descobriu quem Papai Noel era?". Se no Alive III, com bons músicos foi assim, imagina agora...

Ainda existem os boatos de que a banda está brigando entre si e que Porto Alegre viu uma versão mais light (e pobre) do show. Durante o show a banda passava uma sensação de que seria essa tour e deu, nada mais. E isso ainda pode ser confirmado. Paul Stanley será "O fantasma da Ópera" no Canadá por 10 semanas. Depois disso farão a estréia do filme Detroit Rock City, alguns shows na Ásia e EUA e deu. Acabou o PsychoCircus.. e pode acabar a banda.

Ainda é o velho rockzinho, básico, simples mas legal. 20 reais foram barbada. Mesmo assim, com um forte gosto de quero mais, valeu a pena. O KISS pode fazer mais, tem tudo para fazer isso. Mas diante do quadro apresentado, ou acaba logo ou arranja máscaras para Bruce Kullick e Eric Singer...

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Paul StanleyPaul Stanley
"Guitarristas não aprendem a fazer base"

31 acessosMarcos de Ros: Gene Simmons, o Capitalista Malvadão475 acessosAce Frehley: "Anomaly" ganha versão deluxe; ouça música inédita760 acessosKiss: bicicleta de triathlon em edição limitada0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Kiss"

KissKiss
Paul fala sobre ego de Gene e opiniões de celebridades

Secos e MolhadosSecos e Molhados
Ney comenta inspiração para o Kiss

NovelasNovelas
10 clássicos do Rock que a Globo ajudou a popularizar

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de Shows0 acessosTodas as matérias sobre "Kiss"

MotörheadMotörhead
Em 1995, Lemmy comenta versão do Sepultura

Musos do Rock e Heavy MetalMusos do Rock e Heavy Metal
Agora é a vez das garotas!

Marilyn MansonMarilyn Manson
"Sou o monstro do Lago Ness! Sou o Bicho Papão!"

5000 acessosGhost: De quais bandas brasileiras eles gostam?5000 acessosMetal Brasileiro: 10 bandas recomendáveis fora o Sepultura5000 acessosJim Morrison: ele está vivo e criando cavalos nos EUA?5000 acessosEm 25/09/1980: John Bonham, do Led Zeppelin, morre após intoxicação5000 acessosMetallica: "olhada" de Robert Trujillo em Lady Gaga vira meme5000 acessosYngwie Malmsteen: "velocidade não é o que importa", diz

Sobre André Pase

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

Mais matérias de André Pase no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online