Rock: Data comemorativa? "What the f**k is this?"

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Don Roberto Muñoz, Fonte: calendarr
Enviar correções  |  Ver Acessos

Godard já tinha dito que "dia de cinema" é algo completamente patético. Claro, pois a sétima arte resumida a elucubrações burocráticas consome toda possibilidade dos clássicos cinematográficos serem veiculados diariamente nas telinhas e telonas. Deveriam ser 365 dias de cinema clássico. Alguém discorda diante de tantos filmes comerciais rodando o planeta?

Lemmy: sob investigação, em 2008, por exibir insígnia nazistaHumor: O dia em que Steve Vai foi humilhado por Chimbinha

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Pois bem, o "dia do rock" foi criado no Live Aid, 1985, devido à grave situação da Etiópia. Ok, o SABBATH tocou e foi lindo. Agora, criar um momento didático também para o Rock? Deviam fazer um show revival no Brasil em homenagem a este dia também patético com os limões do U2, os "auto-beijoqueiros" do RED HOT e os falsos chorões do COLDPLAY. Nada disso é rock, mas sim pop, executado na medida certa, dentro do estilo, para o público curtir. Sim, todo mundo pode gostar de tudo, no problem, mas a discriminação das questões faz-se necessária.

Black Sabbath, Live Aid:

THE BEATLES é pop, THE ROLLING STONES pós BRIAN JONES enveredou, no final das contas, pelo mesmo caminho e o PINK FLOYD sem SYD BARRETT mostrou a sua real face no populista "The Wall", 1979. Agora, JACO PASTORIUS tinha postura Rock. O grande "punk do jazz" não deixava para o amanhã, metia a bronca direto. Inclusive o SEX PISTOLS é muito mais radical do que os "DEAD KENNEDYS da vida". Explico. O punk não se resume pela extrema velocidade, mas pela proposição de combate ao status quo, seja midiático, governamental, artístico, etc. O perigo da simplificação em torno da política na música pode propiciar, concomitantemente à crítica, muito cartaz para os politiqueiros modernos, esquerdistas par excellence.

Jaco Pastorius:

Sobre o tal "dia do Rock", assisti uma vinheta na tv. E o que descobrimos? Que esta data comemorativa só é festejada onde? Oui, Terra Brasilis!!! Ora, basta uma rápida olhada na predileção brasileira em torno deste estilo musical e percebe-se despontando BLITZ, RITA LEE, PARALAMAS DO SUCESSO, entre outros. Volta-se no tempo com o estrondoso surgimento do Rock in Rio, 1985, e constatamos ridículos jornalistas nativos assustadíssimos com o acontecimento "Heavy Metal". Artigos, reportagens e vídeos incomensuravelmente ignorantes no que concernia a nova realidade que surgia no mundo - o Heavy Metal estava alcançando o patamar mais elevado dentro do estilo Rock. Este papelão jornalístico continuou no Rock in Rio II, em 1991.

Pérolas do sr. Pedro Bial e da sra. Ilze Scamparini:

No mundo tropical, existe muito iê-iê-iê florestal e pouquíssimas atitudes coerentes. Evidente, "Cabeça Dinossauro", 1986, dos TITAS é um grande disco de Rock. Mas depois a banda lança álbuns como "Õ Blésq Blom", 1989. Então alguém pode matutar: - de que adianta um álbum competente se a banda já demonstrava a sua tendência básica com "Televisão", 1985, no início de sua trajetória? A preponderância da MPB (sambas, bossas novas, pagodes, etc.) no país é acachapante, basta alguém tocar um Rock decente que, não apenas a Mídia, mas o próprio público!, já clamam posteriormente por algo, digamos, mais "leviiinho"... Bem, o homem brasileiro não lê livros, mas consome jornais desde sempre e assiste diariamente novelas televisivas há mais de cinquenta anos. Entretanto, Heavy Metal, Jazz, Blues, música erudita e sacra? Nem pensar! Assustador o maestro AMARAL VIEIRA não ter espaço em seu próprio país.

Titãs, "Cabeça Dinossauro":

Amaral Vieira:

Não é a toa que a carência de uma virilidade aristocrática na terra acentua um comportamento masculino atento para "fofocas" e outras questões menores. Inclusive o apreço desmesurado à Imprensa em geral, pelo brasileiro, já mostra uma postura serviçal - recheada de mexericos e blá-blá-blás - diante das circunstâncias que se apresentam a ele. Bom para o brasileiro é reivindicar a queda de Temer, e fazer passeata por passagens de ônibus mais baratas, o resto não interessa. Pfui... "Pau que nasce torto nunca se endireita". Como esperar algo pleno da república brasileira se ela surgiu por meio de um golpe do Exército, em 1889? O histórico militar de ditaduras no Brasil, século passado, já diz tudo. Inclusive houve uma insurreição dos negros na época - que respeitavam muito a Princesa Isabel - abafada imediatamente pelo novo governo laico.

Existe uma faceta auto-destrutiva na psiquê do brasileiro expressada por meio da "corneta". O brasileiro é extremamente "corneteiro". Parece que ele só se sente feliz na bagunça. Aí ele se lambuza intelectualmente! O que os locais fizeram com Fábio Assunção, no Recife, foi um absurdo, o ator está realmente com problemas, mas as massas ali, massacrando. Outra: a eleição de Collor, 1989, pelos nativos brasileiros foi uma das escolhas mais monstruosas ocorridas dentro da história da política mundial. Norte e Nordeste em peso, São Paulo, Minas Gerais, Paraná, todos estes e mais alguns paparicaram acintosamente aquele que surrupiou a poupança brasileira. O que o brasileiro fez depois de mais este assalto? Nada, ficou chorando sentado no "cordão da calçada". Agora, o País está frangalhos, devido ao esquerdismo político, e todo mundo se lança nas ruas para protestar contra Temer?

Voto obrigatório, serviço militar obrigatório, a população obrigada a votar em urna eletrônica, sem a alternativa do voto manual, isso pode. Depois de décadas de ditadura, a nação tinha uma chance legítima de superação. Infelizmente, Brizola sempre foi considerado radical pela brasilidade burguesa e Mario Covas não tinha respaldo nacional, apesar de ser outra ótima opção. Aí, o bonitão com "physique du role" de mauricinho e lutador de artes marciais ganhou as eleições. Novamente, mais uma vez, o princípio do estetismo subjugou o princípio ético no Brasil - um petardo argumentativo incluso em "Desenvolvimento e Cultura", 1963, do filósofo Mario Vieira de Mello. E os corvos de Poe balbuciaram ironicamente em torno de Sísifo: "- Nunca mais, nunca mais...".

Diferenças entre brasileiros aristocrata e burguês:

Assim, os homens brasileiros representativos - exceções também existem, apesar de não possuírem um grande alcance - ficam tricotando em grande estilo, simbolicamente afetados, inclusive na música. Hoje, as massas apreciam o METALLICA, em franca decadência existencial, embora a banda tenha se tornado uma moda mundial. Só falta a LADY GAGA entrar como vocalista para a banda assumir, deliberadamente, a sua veia pop. Mas o público tupi abraçar NASTY SAVAGE, DARK ANGEL, entre outros furiosos? Nem pensar! O brasileiro gosta mesmo é de "róqui" com muitas bananas, tropicalismos, batata fritas, guitarras desplugadas e baterias amaciadas. Aí fica difícil levar à sério, como já disse De Gaulle em 1964 no Rio de Janeiro, esta terra.

Roberto Muñoz, escritor.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por escolha do autor os comentários foram desativados nesta nota.


Todas as matérias da seção Opiniões

Lemmy: sob investigação, em 2008, por exibir insígnia nazistaLemmy
Sob investigação, em 2008, por exibir insígnia nazista

Humor: O dia em que Steve Vai foi humilhado por ChimbinhaHumor
O dia em que Steve Vai foi humilhado por Chimbinha


Sobre Don Roberto Muñoz

Don Roberto Muñoz, escritor.
Rio-grandense farroupilha nascido em Porto Alegre.

Mais matérias de Don Roberto Muñoz no Whiplash.Net.

Cli336x280 CliIL