Megadeth: a entrada de Kiko é um marco no heavy metal brasileiro

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Pedro Zambarda de Araújo
Enviar correções  |  Ver Acessos

O ingresso do guitarrista do Angra, Kiko Loureiro, no Megadeth anunciado no dia 2 de abril é um marco no heavy metal brasileiro. Kiko é um instrumentista versado na música brasileira, fã de Tom Jobim e um dos criadores da cena desde 1992.

Courtney Love: ajudando a resolver os maiores mistérios do mundoTamanho é documento?: os Rock Stars mais altos e baixos

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Antes de Kiko, somente os cantores Andre Matos e Edu Falaschi foram escalados para entrar em uma banda internacional de metal. Os dois, nos anos 90, foram cotados para assumir o cargo de vocalista do Iron Maiden. Depois deles, o americano Derrick Green entrou no Sepultura em 97. Por fim, Fabio Lione do Rhapsody of Fire entrou no Angra em 2013. E ele é italiano.

Além dessas mudanças, o ex-baterista do Angra, Aquiles Priester, entrou na consagrada banda Primal Fear em setembro de 2014. Mais um indício que a decisão de Kiko Loureiro pode ter sido acertada.

O avanço da carreira de Kiko Loureiro marca a internacionalização da música brasileira. E ele pode trocar os solos elaborados do Angra por uma linha de guitarra mais crua e direta, uma vez que o instrumentista Chris Broderick fazia este tipo de som para entrar em sincronia com o frontman Dave Mustaine.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O Megadeth existe desde 1983, quando Mustaine foi chutado do Metallica e resolveu fazer o seu próprio som tipo thrash metal na Califórnia norte-americana. Lançou discos clássicos, como Rust in Peace (1990) e Countdown to Extinction (1992), e se mantém com álbuns de qualidade.

Numa banda deste nível, que se equipara à grupos como Anthrax e Slayer, Kiko tem uma oportunidade única de tocar guitarra de um jeito diferente. Ele pode ser mudado pelo som do Megadeth, e também pode deixar sua marca registrada em futuras composições do grupo de Dave Mustaine.

Os estilos da banda e do músico são tão diferentes que, apesar de algumas reclamações de fãs, eu estou bastante otimista. Novos elementos na atual situação do heavy metal no mundo podem ser um ótimo sinal de renovação.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção OpiniõesTodas as matérias sobre "Megadeth"Todas as matérias sobre "Kiko Loureiro"Todas as matérias sobre "Angra"


David Ellefson: eu não era muito fã da fase Ozzy no SabbathDavid Ellefson
"eu não era muito fã da fase Ozzy no Sabbath"

Dave Mustaine: Big 4 não significa Metallica e outras 3 bandasDave Mustaine
"Big 4" não significa Metallica e outras 3 bandas


Courtney Love: ajudando a resolver os maiores mistérios do mundoCourtney Love
Ajudando a resolver os maiores mistérios do mundo

Tamanho é documento?: os Rock Stars mais altos e baixosTamanho é documento?
Os Rock Stars mais altos e baixos


Sobre Pedro Zambarda de Araújo

Nascido em 1989. Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero, em São Paulo, Pedro foi apresentado ao heavy metal através da banda Blind Guardian, em meados de 2004. Ouve e aprecia outros estilos do rock, como o punk, o indie e vertentes mais variadas. Gosta de assistir e cobrir shows.Toca muito mal guitarra, mas aprecia vários tipos de instrumentos musicais.

Mais matérias de Pedro Zambarda de Araújo no Whiplash.Net.

Cli336x280 CliIL Cli336x280