Revivals: Beach Boys, Creedence e outros polêmicos

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Gabriel Menezes, Fonte: Blog Cena
Enviar correções  |  Ver Acessos

Em uma entrevista recente ao noticiário Bostons Globe, o guitarrista do KISS, PAUL STANLEY, afirmou que não vê nada de errado no fato das maquiagens que originalmente eram de PETER CRISS e ACE FREHLEY continuarem sendo usada pela banda em outros músicos. A questão é polêmica e não acontece só com o KISS. Na história da música pop existem diversos outros casos de grupos que, mesmo sem os seus principais fundadores, seguiram em frente com o mesmo nome e imagem.

Ortografia: como deveriam realmente se chamar as bandas?Cristina Scabbia: cantora fala sobre ser uma das "garotas mais quentes do Metal"

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Um exemplo são os BEACH BOYS, que desde 1998 seguem em atividade sem nenhum dos irmãos Wilson na formação. O único membro original que permanece no grupo é MIKE LOVE. BRUCE JOHNSTON, que entrou para a banda em 1968, também faz parte do projeto. Para evitar problemas, Love rebatizou o grupo de "Beach Boys Band", o que deixa o projeto com ainda mais cara de propaganda enganosa.

É inegável que boa parte do sucesso alcançado pelos BEACH BOYS se deva a MIKE LOVE, mas daí a resumir o nome do grupo exclusivamente a ele, soa como um pouco de pretensão. Talvez fosse mais honesto que o cantor tivesse seguido o exemplo de seu primo, BRIAN WILSON, que também continua tocando as músicas da banda, mas com sua banda solo.

Outro caso que divide a opinião dos fãs é o CREEDENCE CLEARWATER "REVISITED", que está em atividade desde 1995, com apenas dois membros originais do CREEDENCE CLEARWATER "REVIVAL". O mais bizarro neste caso é que a grande estrela da banda, JOHN FOGERTY, não faz parte do projeto. Fogerty além de ser o compositor dos maiores sucessos do grupo, era quem dava vida a essas canções com a sua voz inconfundível.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Caso parecido ocorre com o THE DOORS. É fato que todos os integrantes da formação original são grandes músicos e contribuíram para que banda chegasse onde chegou. Mas não há como negar que o grande ícone sempre foi JIM MORRISON. Era sempre o rosto dele que estava estampado quando se falava em DOORS.

Acontece que em 2002, dois dos ex-membros da banda, RAY MANZAREK e ROBBY KRIEGER, recrutaram o vocalista do THE CULT, IAN ASTBURY, e saíram em turnê com o nome de THE DOORS OF THE 21ST CENTURY. O baterista original do grupo, John Densmore, não gostou nada da história e entrou com um processo judicial para impedir que o nome fosse usado. Com o apoio família de Morrison, ele acabou ganhando o processo, e seus ex-companheiros de banda acabaram tendo que mudar o nome do projeto para RIDERS ON THE STORM. Asbury não faz mais parte do grupo.

O QUEEN também resolveu seguir em frente mesmo sem FREDDIE MERCURY e JOHN DEACON. Em 2005, BRIAN MAY e ROGER TAYLOR saíram em turnê como o competente vocalista PAUL RODGERS. Para não parecer que estavam substituindo Mercury, eles batizaram o projeto de QUEEN + PAUL RODGERS. Só esqueceram de que o QUEEN não se resumia apenas aos dois.

Independente disso, o projeto foi bem recebido por parte da crítica e inclusive resultou em um disco de inéditas. Quando parecia que o grupo ia deslanchar de vez, PAUL RODGERS se demitiu. Agora é esperar pra ver se May e Taylor vão colocar outra pessoa no lugar.

Existem muitos exemplos que também podem ser citados, como, por exemplo, LYNYRD SKYNYRD, THIN LIZZY e mais recentemente o WOLFMOTHER. Até mesmo os BEATLES seguiram por um período sem um de seus integrantes originais. Em 1964, em meio à sequência de shows que o grupo vinha fazendo, RINGO STARR sofreu uma grave infecção de garganta. Para evitar que os compromissos fossem descumpridos, os outros três integrantes tiveram que aceitar um substituto. O sortudo foi Jimmy Nicol, que na época tinha apenas 24 anos, e viveu a experiência de ser um beatle por um breve período. A experiência na banda acabou mais tarde resultando no título de uma canção do disco "Sgt Peppers", "Getting Better". Sempre que perguntavam para Nicol como ele estava se sentindo, ele respondia: melhor a cada instante.

A verdade é que cada caso é um caso. Não dá pra generalizar e dizer que são todos "caça-níqueis". Cabe a cada fã avaliar e decidir se deve ou não levar aquela situação a sério. Quando se fala em bandas de música pop, há muita paixão envolvida, e nem sempre os próprios músicos se dão conta disso.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção OpiniõesTodas as matérias sobre "Doors"Todas as matérias sobre "Thin Lizzy"Todas as matérias sobre "Beach Boys"Todas as matérias sobre "Beatles"Todas as matérias sobre "Creedence Clearwater Revival"Todas as matérias sobre "Queen"Todas as matérias sobre "Kiss"


Kiss: Os conselhos de Gene Simmons para empresários e paisKiss
Os conselhos de Gene Simmons para empresários e pais

Paul Stanley: Psycho Circus foi como um câncerPaul Stanley
"Psycho Circus foi como um câncer"


Ortografia: como deveriam realmente se chamar as bandas?Ortografia
Como deveriam realmente se chamar as bandas?

Cristina Scabbia: cantora fala sobre ser uma das garotas mais quentes do MetalCristina Scabbia
Cantora fala sobre ser uma das "garotas mais quentes do Metal"


Sobre Gabriel Menezes

Gabriel Menezes é jornalista, natural de Volta Redonda, no Sul Fluminense. Atualmente, mora na cidade do Rio de Janeiro. Edita o Blog Cena (www.blogcena.com), onde escreve sobre rock e cultura pop. É um apaixonado por rock'n roll, em quase todas as suas vertentes. É baixista e membro da banda Dakocaga (www.myspace.com/dakocaga).

Mais informações sobre Gabriel Menezes

Mais matérias de Gabriel Menezes no Whiplash.Net.

Cli336x280 CliIL Cli336x280 CliInline