Matérias Mais Lidas

imagemMarcello Pompeu, em busca de emprego, pede ajuda a seguidores

imagemOzzy Osbourne revela o único integrante de sua banda que saiu "do jeito certo"

imagemRegis Tadeu explica porque o vinil e o Spotify vão despencar e o CD vai bombar

imagemEdgard Scandurra, do Ira!, explica atual sumiço do rock nas rádios brasileiras

imagemDavid Gilmour surpreende ao responder se o Pink Floyd pode voltar a fazer shows

imagemMax Cavalera e o conselho dado por Ozzy Osbourne: "ambos nos sentimos traídos"

imagemGene Simmons faz passagem de som antes de show do Kiss com roupa inusitada

imagemPaul McCartney lista os cinco músicos que formariam sua banda dos sonhos

imagemQuem Glenn Hughes considera digno de substituí-lo como "a voz do rock"

imagemJames Hetfield se emociona profundamente no show de BH e é amparado pelos amigos e fãs

imagemBill Hudson comenta sobre falta de público de Angra e outras bandas nos EUA

imagemBrian May revela o inesperado álbum do Queen que é o seu favorito

imagemDez grandes músicas do Iron Maiden escritas pelo vocalista Bruce Dickinson

imagemA faixa do clássico "Exile on Main St." que os Stones só tocaram uma vez ao vivo

imagemComo Bono Vox e o U2 influenciaram um dos discos mais importantes do Sepultura


PRB

Graham Bonnet fala sobre carreira e MSG

Por Thiago Coutinho
Fonte: Rock N Roll Universe
Em 10/01/06

Em um recente entrevista publicada no site Rock N Roll Universe, o vocalista Graham Bonnet discutiu seus dias no RAINBOW, ALCATRAZZ e no IMPELLITTERI, além de sua atual participação especial no novo álbum do MICHAEL SCHENKER GROUP, "Tales of Rock And Roll", que comemora os 25 anos do grupo em que o cantor participa da faixa-título. Confira os principais trechos logo abaixo:

Rock N Roll Universe — Você recentemente co-escreveu e gravou a uma faixa para o álbum do 25º aniversário do MICHAEL SCHENKER GROUP, "Tales of Rock And Roll". O que você pode nos dizer a respeito?

Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Bonnet — Sim, de fato participei da faixa-título. Apenas recebi uma carta de pessoas que estariam juntas no álbum. Eu não tinha certeza se seria a faixa-título. Michael me deu o título e disse: ‘você pode pensar em uma música com esse título?’. E eu respondi que ‘ok’. Isso lhe restringe um pouco, mas fiquei satisfeito em ser a faixa-título. Eu a fiz há cerca de quatro meses, acho que ficou muito boa.

Rock N Roll Universe — Você consideraria voltar em caráter definitivo ao grupo se Michael lhe pedisse?

Bonnet — Não acho que ele fará isso. Acho que ele está muito feliz com o que está fazendo no momento. Não tenho certeza se as pessoas pensam do mesmo modo que eu, mas não acho que ele queira voltar para onde fomos naquela vez [risos]. Era cheio de problemas algumas vezes. Tudo isso foi há alguns anos. Não foi um caso de personalidades se digladiando, foi um embate de cervejas! [risos] Foi um pouco de tudo. Não tenho certeza se Michael gostaria de ter aquilo tudo novamente, acho que ele está feliz com a situação do jeito que está agora, eu acho. Não sei, mas se ele viesse com essa idéia certamente eu pensaria sobre isso.

Como consegui viver de Rock e Heavy Metal

Rock N Roll Universe — Qual foi a razão pela qual você deixou o RAINBOW? Alguns rumores dão conta de que você foi despedido, outros que você quis sair. Qual a verdade acerca disso?

Bonnet — Eu saí. Saí porque nada estava acontecendo. Tínhamos uma nova pessoa tocando bateria, Bobby Rondinelli, e tudo tinha mudado. Cozy [Powell, o baterista anterior, que faleceu em um acidente automobilístico em 1998], o Don Airey [tecladista] também estava saindo. Estávamos ensaiando em Copenhague para o próximo álbum, mas nada estava acontecendo. Era apenas algo não-produtivo. Então, voltei a Los Angeles e, de lá, disse: ‘eu não quero voltar’. Eles sugeriram chamar outro vocalista para as canções que eu não tinha gostado, e eu cantado nas que havia gostado. Essa foi a história, basicamente. Mas eu não fui demitido. Apenas saí. Eles até me queriam de volta. Não sei, mas eu devia ter ficado um pouco mais. Pensei que poderia, desta forma, fazer as minhas coisas. Devia ter ficado porque, de qualquer forma, o Don Airey acabou ficando, ele mesmo não saiu quando disse que iria. Então, foi isso. Não havia mais aquela vibração excitante. Todos ficavam chateados nos ensaios. Não era mais aquela coisa feliz. E quando o trabalho está ficando chato e difícil, caia fora, e foi o que eu fiz [risos].

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Para ler o bate-papo na íntegra, em inglês, clique aqui.

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Stamp
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

imagem"Ozzy teria se arrependido", diz guitarrista convidado para entrar no lugar de Rhoads


Scorpions: Michael Schenker e a "Stairway To Heaven" de sua vida

Michael Schenker: por que ele não aceitou entrar no Deep Purple, Motorhead e Ozzy?



Sobre Thiago Coutinho

Formado em Jornalismo, 23 anos, fanático por Bruce Dickinson e seus comparsas no Maiden. O heavy metal surgiu na minha vida quando ouvi o vocalista da Donzela de Ferro em "Tears of the Dragon", em meados de 1994. Mas também aprecio a voz de pato bêbado do controverso Dave Mustaine, a simplicidade do Ramones, as melodias intrincadas do Helloween, a belíssima voz de Dio ou os gritos escabrosos de Rob Halford. A Whiplash apareceu em minha vida sem querer, acho que seus criadores são uns loucos amantes de rock e acredito que este seja o melhor site de rock do país, sem qualquer demagogia!

Mais matérias de Thiago Coutinho.