Jimi Hendrix pode ter gravado hino galês

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Cleyton Lutz, Fonte: NME
Enviar correções  |  Ver Acessos

O que se pensa ser uma versão do guitarrista JIMI HENDRIX para "Hen Wlad Fy Nhadau", o hino nacional galês, foi encontrada pelo produtor Dave Chapman, já falecido, no seu estúdio Crouch Hill, em Londres.

Músicas ruins: As 100 piores segundo o Aol Radio BlogSlayer: Kerry King explica como se deve balançar a cabeça

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

A versão psicodélica e distorcida do hino, também conhecido como "Land Of My Fathers", era a última música de gravações realizadas pela banda New Flames, em 1970. Chapman cogitou que Hendrix fosse o autor da obra. Antes de morrer, o produtor entregou uma cópia da gravação a seu amigo Martin Davies, também produtor.

Segundo Davies, para verificar a autenticidade da música é preciso encontrar Viv Williams, baixista do New Flames. Hoje ele está com 64 anos.

As gravações do New Flames foram realizadas no dia 10 de setembro de 1970, oito dias antes da morte de Hendrix, o que poderia tornar a música uma das últimas gravações do guitarrista.

Para ouvir um trecho da tal música, basta acessar este link.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção NotíciasTodas as matérias sobre "Jimi Hendrix"


Total Guitar: os melhores e piores covers da históriaTotal Guitar
Os melhores e piores covers da história

Marty Friedman: por que ele prefere comer vidro que ouvir Jimi Hendrix?Marty Friedman
Por que ele prefere comer vidro que ouvir Jimi Hendrix?


Músicas ruins: As 100 piores segundo o Aol Radio BlogMúsicas ruins
As 100 piores segundo o Aol Radio Blog

Slayer: Kerry King explica como se deve balançar a cabeçaSlayer
Kerry King explica como se deve balançar a cabeça


Sobre Cleyton Lutz

Estudante de Jornalismo, mora em Guarapuava, PR. Adora escrever sobre futebol e rock 'n' roll. Sobre música, adora o Hardão Setentista (Grand Funk, Uriah Heep, Deep Purple, Led Zeppelin) e o progressivo (Yes, Jethro Tull, Focus). Para música acha que nasceu pelo menos uns 30 anos atrasado. Das bandas atuais gosta de White Stripes, Wolfmother e Hellacopters. Mas sua paixão é o som trascendental do Pink Floyd. Os seus grandes sonhos são ver ao vivo uma reunião dos quatro novamente, como ocorreu no Live 8, além de comprar uma moto com a primeiro dinheiro que ganhar com o jornalismo.

Mais matérias de Cleyton Lutz no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336