Black Sabbath: em 1981, revista massacrava álbum Mob Rules

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por João Renato Alves, Fonte: Blog Van do Halen
Enviar Correções  

Na edição número 363 da revista Rolling Stone, publicada em maio de 1981, o crítico musical J. D. Considine falava sobre o então recém-lançado "Mob Rules", segundo disco do Black Sabbath com Dio nos vocais. E a resenha não foi nada favorável. Confira.

Tony Iommi: quando ele tocou Status Quo em programa de TV

Led Zeppelin: por que Robert Plant não gosta de cantar "Stairway to Heaven"?

publicidade

Depois do pesado e rápido Heaven and Hell, havia razão para acreditar que o vocalista Ronnie James Dio poderia tirar o Black Sabbath da sucata que é o Heavy Metal. Não aconteceu. Mob Rules mostra a banda tão imbecil e flatulenta como sempre.

publicidade

Não é fácil descobrir exatamente quem merece levar a culpa nesse banquete de lama. As letras de Dio são insípidas, cheias de clichês. Mas como os vocais estão enterrados na mixagem, acaba sendo uma chateação menor. Com o baixo soando como um caminhão sobrecarregado, Geezer Butler enche a paciência. Mas não tanto quanto o guitarrista Tony Iommi, que usa o disco para mostrar como pode tocar rápido (caso se pergunte, mais rápido que Mark Farner, mas não tanto quanto Johnny Ramone). O novato na área, Vinny Appice, é tão inútil e sem inspiração que você precisa ouvir duas vezes para notá-lo.

publicidade

O que faz Mob Rules soar tão horrível é o trabalho em equipe. Sem contar riffs preguiçosos e letras bobas, executadas da maneira mais pobre possível.

publicidade

Comente: E você? Quais a sua opinião sobre este clássico?


WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin