Chickenfoot: ao vivo em Londres, experiência indescritível

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Nacho Belgrande, Fonte: Site do LoKaos Rock Show
Enviar correções  |  Ver Acessos


Por: Stefanie Chasseraux, de Londres

Bizarro & Absurdo: 12 Tristes Realidades da MúsicaHair Metal: Os maiores cabelos da história do rock pesado

É muito difícil escrever sobre algo, mais precisamente sobre uma banda, onde todos os músicos são ícones de uma, duas, três gerações. Difícil simplificar em palavras o que assisti no último dia 14 de janeiro no Brixton Academy, em Londres, quando vi nada mais nada menos que Joe Satriani, Sammy Hagar, Michael Anthony e Kenny Aronoff; baterista que se juntou a banda temporariamente no lugar de Chad Smith e que já gravou com nomes como Elton John, Jon Bon Jovi, Bob Dylan, Alanis Morissette, Lynyrd Skynyrd, Cinderella, Joe Cocker, BB King, Mick Jagger, Ray Charles, etc; fazendo uma performance de cair o queixo de qualquer músico.


A banda anunciou a sua turnê européia após o lançamento do segundo e tão aguardado álbum 'III', os primeiros shows na Europa desde julho de 2009 e, logicamente, fiquei ansiosa aguardando a passagem da banda por Londres. O que eu não imaginava, ou até imaginava, era a perfeição e sintonia entre os 4 caras. Achei muito nítido também que Sammy Hagar e Michael Antony tinham um entrosamento maior, claro, muito provavelmente pela história que tiveram juntos no Van Halen. Confesso que a ausência do baterista Chad Smith era algo que me deixava um pouco intrigada, mas como disse Joe Satriani: "Kenny traz a mesma combinação de energia selvagem para a banda que estamos acostumados, e, nos bastidores, ele é tão louco como o Chad."


O Chickenfoot tocou por volta de 1 hora e meia apresentando músicas do primeiro álbum, homônimo, e do segundo, mixados em um total de 15 músicas. Abriram com Lighten Up, seguida de Alright Alright, Big Foot; single do segundo álbum; Sexy Little Thing, Soap on a Rope, Up Next, My Kinda Girl, Down the Drain, Three and Half Letters; onde Sammy Hagar lia as cartas e as jogava para o público; Something Going Wrong, Turnin' Left, Future In The Past. Já no bis, a banda voltou com Different Devil, Oh Yeah; primeiro clipe da banda; e finalizaram com Foxy Lady, cover de Jimi Hendrix.


Uma curiosidade: quem estava no show do Chickenfoot era o lendário guitarrista do Queen, Brian May.

Olha, realmente foi um privilégio para meus olhos e ouvidos. Foi como uma purificação para a alma. Agora eu só posso torcer para "cruzar" com outro show deles em algum canto do mundo, quem sabe no Brasil, não é?!




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção NotíciasTodas as matérias sobre "Chickenfoot"


Michael Anthony: os seis álbuns definitivos em sua carreiraMichael Anthony
Os seis álbuns definitivos em sua carreira

Sammy Hagar: Eddie Van Halen é uma piada perto de Satriani?Sammy Hagar
Eddie Van Halen é uma piada perto de Satriani?

Michael Anthony: como é trabalhar com Hagar e Satriani?Michael Anthony
Como é trabalhar com Hagar e Satriani?


Bizarro & Absurdo: 12 Tristes Realidades da MúsicaBizarro & Absurdo
12 Tristes Realidades da Música

Hair Metal: Os maiores cabelos da história do rock pesadoHair Metal
Os maiores cabelos da história do rock pesado

Raimundos: O verdadeiro motivo para a saída de Rodolfo da bandaRaimundos
O verdadeiro motivo para a saída de Rodolfo da banda

Metallica: Lars Ulrich quase saiu no tapa com Lou ReedMetallica
Lars Ulrich quase saiu no tapa com Lou Reed

Creed: nomeada pior banda dos anos 1990 pela Rolling StoneCreed
Nomeada pior banda dos anos 1990 pela Rolling Stone

Kai Hansen: músico escolhe seis discos com guitarras essenciaisKai Hansen
Músico escolhe seis discos com guitarras essenciais

Lynyrd Skynyrd: a pergunta que mais fazem é se somos do AlabamaLynyrd Skynyrd
"a pergunta que mais fazem é se somos do Alabama"


Sobre Nacho Belgrande

Nacho Belgrande foi desde 2004 um dos colaboradores mais lidos do Whiplash.Net. Faleceu no dia 2 de novembro de 2016, vítima de um infarte fulminante. Era extremamente reservado e poucos o conheciam pessoalmente. Estes poucos invariavelmente comentam o quanto era uma pessoa encantadora, ao contrário da persona irascível que encarnou na Internet para irritar tantos mas divertir tantos mais. Por este motivo muitos nunca acreditarão em sua morte. Ele ficaria feliz em saber que até sua morte foi motivo de discórdia e teorias conspiratórias. Mandou bem até o final, Nacho! Valeu! :-)

Mais matérias de Nacho Belgrande no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336