Vinnie Vincent Invasion: vocal original joga no ventilador

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Nacho Belgrande, Fonte: site do LoKaos Rock Show
Enviar correções  |  Comentários  | 

Matéria de 27/03/12. Quer matérias recentes sobre Rock e Heavy Metal?


O vocalista ROBERT FLEISCHMAN foi de seu trabalho com o JOURNEY e o VINNIE VINCENT INVASION até liderar uma nova banda, chamada apropriadamente de THE SKY «já que Robert escreveu a clássica faixa do Journey ‘Wheel in the Sky’ e Robert está muito empolgado por disponibilizar o material novo através do iTunes e continuar a criar melodias características tanto no palco como no estúdio. Ele conversou longamente com o site estadunidense Legendary Rock Interviews na semana passada e revelou suas impressões de seu breve envolvimento com o guitarrista VINNIE VINCENT. O que segue abaixo é apenas um trecho da entrevista.
5000 acessosBruce Dickinson: punks não sabem tocar e tem inveja do metal5000 acessosGuitarras e Baixos: Perguntas e Respostas

LRI: Quais foram suas impressões iniciais de Vinnie Vincent ou da música dele ao ouvir as demos de WARRIOR?

RF: Eu achava que Vinnie compunha rock muito bem. Obviamente, ele é um monstro na guitarra... mas daí rola o lance auto-destrutivo que eclipsa tudo que o faz grande.

LRI: Você faz parte de um seleto grupo de pessoas que trabalhou com Vinnie em alguns projetos diferentes e não teve as mesmas experiências tóxicas que os outros tiveram. Você pelo menos se sentiu realizado artisticamente ou conseguiu apenas fazer o necessário enquanto trabalhava com ele?

RF: Falando artisticamente, eu nunca tive problema algum pra gravar meus vocais com ele, exceto por quando estávamos mixando o disco. O engenheiro ficava trabalhando por horas a fio e Vinnie entrava sorrateiramente e fodia a mixagem e botava o engenheiro louco! Daí ele abaixava as guitarras e claro, Vinnie vinha e as aumentava de novo. Ele fazia isso em praticamente todas as mixagens, o que foi uma das muitas razões pelas quais demorou tanto pro disco ficar pronto.

LRI: O Vinnie Vincent Invasion era bem exagerado, mesmo pros anos 80. Letras loucas e bastante sexualizadas, solos de guitarra loucos e esquizofrênicos que desafiam a lógica e em alguns casos, o bom gosto, além de uma obsessão com o estilo glam de se vestir que chegava ao ponto da distração. Tendo dito isso, eu ainda considero o primeiro disco um clássico. Vinnie e Dana parecem totalmente confortáveis em seu elemento visual e com as letras também, mas e quanto a você?

RF: Não, eu não tinha interesse algum em parecer um travesti. Eu odeio aquelas minhas fotos no disco, o cabeleireiro armou meu cabelo dum jeito que eu pareço uma porra dum poodle com três travestis infláveis!

LRI: [risos] O que você acha do Invasion agora, depois de tanto tempo? Eu li coisas na imprensa sobre o quão fascinado Vinnie era por você como compositor e vocalista na época e daí histórias subseqüentes sobre como eles sempre quiseram Mark Slaughter como vocalista da banda e daí eles simplesmente o usaram para vestir as calças apertadas e deram uma de Milli Vanilli no clipe de ‘Boyz Gonna Rock’. Felizmente a banda conseguiu tirar seu próprio sim no segundo disco, mas essa parada foi estranha, pra dizer o mínimo. Você sempre teve a sensação de que a formação do Invasion, ou o ‘conceito’ da banda estava sob constante revisão na mente de Vinnie?

RF: Eu não concluo NADA da história daquela banda… é como um copo de água suja, nada é muito honesto naquilo, você tem um cara dublando minha voz, pra começo de conversa! Quando Vinnie me procurou, disse que seríamos uma BANDA, daí ele assinou contrato como artista solo com as demos que fizemos comigo cantando, então eu disse a ele pra ir se fuder!!! Daí a gravadora, Chrysalis, disse a ele que me recontratasse. Eu disse não por muito tempo, mas daí meu filho Austin ia nascer e eu disse que aceitaria por uma caralhada de dinheiro, e voltei. Há muitos outros incidentes que aconteceram sobre os quais eu não vou comentar, mas resumindo, se eu não fosse tão bonzinho, não teria havido um disco do Invasion. Aquele disco mata todos os outros que vieram depois. Você está certa, ainda é um dos discos mais assassinos da história, TOQUEM NO ONZE!!!!!

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Vinnie Vincent"

Vinnie VincentVinnie Vincent
Ele mijava na guitarra quando bravo?

Vinnie VincentVinnie Vincent
Os obscuros últimos anos do ex-guitarrista do Kiss

0 acessosTodas as matérias da seção Notícias0 acessosTodas as matérias sobre "Vinnie Vincent"

Bruce DickinsonBruce Dickinson
Punks não sabem tocar e tem inveja do Metal

Guitarras e BaixosGuitarras e Baixos
Perguntas e respostas sobre os instrumentos

Maquiagem, spikes e sorrisosMaquiagem, spikes e sorrisos
Conheça o Happy Black Metal

5000 acessosSlipknot: Qual é o significado e a tradução do nome da banda?5000 acessosHard Rock: as 100 maiores bandas do estilo segundo a VH15000 acessosAC/DC: setlist, fotos e vídeos do show arrasador com Axl Rose5000 acessosDerek Sherinian: comentários sobre Kiss e Yngwie Malmsteen5000 acessosEric Adams: "caça é um estilo de vida"5000 acessosAnthrax: gravadora não deixou que Corey Taylor fosse vocalista

Sobre Nacho Belgrande

Nacho Belgrande foi desde 2004 um dos colaboradores mais lidos do Whiplash.Net. Faleceu no dia 2 de novembro de 2016, vítima de um infarte fulminante. Era extremamente reservado e poucos o conheciam pessoalmente. Estes poucos invariavelmente comentam o quanto era uma pessoa encantadora, ao contrário da persona irascível que encarnou na Internet para irritar tantos mas divertir tantos mais. Por este motivo muitos nunca acreditarão em sua morte. Ele ficaria feliz em saber que até sua morte foi motivo de discórdia e teorias conspiratórias. Mandou bem até o final, Nacho! Valeu! :-)

Mais matérias de Nacho Belgrande no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online