Matérias Mais Lidas

imagemO baterista que não tinha técnica alguma e é um dos favoritos do Regis Tadeu

imagemCinco músicas que são covers, mas você certamente acha que são as versões originais

imagemAndreas Kisser pede doação de sangue para sua esposa Patricia

imagemRock in Rio 1991, Maracanã lotado, e o Guns N' Roses ameaçou não subir ao palco...

imagemOs únicos quatro assuntos das conversas nos EUA que enchiam saco de Fabio Lione

imagemCopa do Mundo do Rock: uma banda de cada país que vai disputar a Copa do Catar

imagemTúnel do Tempo: 25 músicas que mostram por que 1991 é um ano tão celebrado

imagem"Ninguém imaginava que o Metallica seria maior que o Iron Maiden", diz Scott Ian

imagemDave Mustaine diz que perdoa Ellefson, mas nunca mais fará música com o baixista

imagemSupla explica por que fala sempre misturando português com inglês

imagemJohn Frusciante responde qual foi o motivo de seu retorno ao Red Hot Chili Peppers

imagemRaimundos: Digão acusa Instagram de censura após poucas curtidas em post

imagemNoel Gallagher sobre sua preferida do Pink Floyd: "Adoraria conhecer Roger Waters"

imagemEx-guitarrista dos Stones, Mick Taylor revela qual era sua música preferida

imagemRafael Bittencourt, do Angra, explica por quê está usando unhas postiças


In-Edit

Dee Snider: a ascensão e queda do Sick Motherfucker

Por Nacho Belgrande
Fonte: Playa del Nacho
Em 29/04/12

Durante a última semana, o frontman do TWISTED SISTER, Dee Snider, sentou-se com a revista canadense BRAVE WORDS & BRAVE KNUCKLES para discutir sua altamente esperada autobiografia, ‘Shut Up And Give Me The Mic’, assim como seu álbum de músicas ‘da Broadway’, ‘Dee Does Broadway’.

O que segue abaixo é uma coletânea de trechos traduzidos da entrevista conduzida pelo jornalista MITCH LAFON.

Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva

BraveWords.com: "We’re Not Gonna Take It" é tão famosa que é quase uma melancia no seu pescoço? É tão famosa que você não tem como diminuir a importância dela, então por que tentar?

Snider: "Não. O mercado não vale o tempo, o esforço financeiro e todas essas coisas. Olhe pra todas as bandas dos anos 80 que lançam discos novos. Quanto elas vendem no total? Eu amo esses fãs ferrenhos, 40.000 ou 50.000 deles, mas não são o suficiente para dispor do tempo, do dinheiro. Ninguém te dá dinheiro por 30 mil discos vendidos. Você está gravando ele num Mac Pro com plug-ins e meu coração não está envolvido naquilo, então eu ainda consigo compor? Eu não sei se presta (risos), mas eu ainda poderia escrever aquele tipo de material. O resto é novidade, é diversão, é interessante e desafiador. Em termos de vocais e arranjos, o ‘Dee Does Broadway’ é muito desafiador. Sinto muito, caras – eu simplesmente não estou motivado a criar algo. Eu tenho tantas outras válvulas de escape, seja escrever um livro ou fazer esse musical ou escrever roteiros, ou o rádio… seja lá o que for que eu estiver fazendo. Eu tenho minhas vitrines criativas e eu não me sinto motivado para escrever músicas novas do Twisted Sister".

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

BraveWords.com: Então, você não sente que há mais um grande disco do Twisted Sister que precise ser lançado. Alguma última declaração a fazer?

Snider: "Não."

BraveWords.com: Beleza. Se você pegar o Aerosmith, o Van Halen, o Kiss… eles ainda estão lançando discos.

Snider: "Mas eles ainda saem em turnê. A gente nem sai em turnê. A gente toca festivais de vez em quando, mas eu não acho que faria nem isso se não fosse o certo pra banda e pra família que somos. Muitos dos caras, não têm as fontes de renda que eu tenho. Então, vamos a festivais de vez em quando e nos divertimos muito tocando neles, fazemos um dinheiro, e todo mundo fica feliz, então é bom. Eu não estou mais motivado nessa direção." (...)

Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Bravewords.com: Você teve os altos com ‘We’re Not Gonna Take It ‘e ‘I Wanna Rock’, mas os anos noventa foram um abismo. Você entrou em depressão?

Snider: "Eu começo o livro no estacionamento de um buffet distribuindo panfletos para minha esposa, para que ela fizesse maquilagem para casamentos nos finais de semana. Eu estou sendo caçado pelos seguranças do estacionamento. Eu estou correndo, não porque estou com medo de ser jogado na cadeia, mas tenho medo de que eles digam, ‘Dee Snider? O que você está fazendo por aí colocando panfletos em carros? Porque eu estava falido. Enquanto eu corria, eu me dizia pela milionésima vez, ‘como caralhos isso foi acontecer? ’. Daí, eu volto pro dia que decidi ser um astro do rock e conto a história. Eu termino o livro comigo saindo naquela noite com meus três filhos e esposa em casa, de modo que eu pudesse colocar panfletos nos carros porque nós precisávamos de dinheiro. Eles queriam que eu escrevesse um epílogo porque era depressivo demais. As pessoas sabem que eu voltei, mas era de partir o coração. Faz quinze anos desde aquele dia…"

Como consegui viver de Rock e Heavy Metal

BraveWords.com: é uma história muito dramática…

Snider: "Eu tenho que dar crédito a ‘Off The Rails’ de Rudy Sarzo. È um livro excelente e a maneira que ele começa – com Randy o acordando e dizendo, ‘cara, você quer ir de avião com a gente? ’ e ele disse, ‘Não, eu quero dormir’, e ele dizendo, ‘essa foi a última vez que viu meu melhor amigo’. Estou tendo um arrepio agora. O livro inteiro é como assistir a uma bomba relógio contando o tempo. São doze meses até ele morrer… oito meses… uma semana. Um dia antes. É horrível e eu peguei a ideia de Rudy de começar com o ponto mais baixo de minha vida e depois sustentá-lo e dizer, ‘como isso aconteceu? ’"

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Matéria completa:

http://playadelnacho.wordpress.com/2012/04/29/dee-snider-a-ascensao-e-queda-do-sick-motherfucker/

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Stamp
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Rodz Online: Dee Snider - Cala a Boca e me dá esse microfone




Sobre Nacho Belgrande

Nacho Belgrande foi desde 2004 um dos colaboradores mais lidos do Whiplash.Net. Faleceu no dia 2 de novembro de 2016, vítima de um infarte fulminante. Era extremamente reservado e poucos o conheciam pessoalmente. Estes poucos invariavelmente comentam o quanto era uma pessoa encantadora, ao contrário da persona irascível que encarnou na Internet para irritar tantos mas divertir tantos mais. Por este motivo muitos nunca acreditarão em sua morte. Ele ficaria feliz em saber que até sua morte foi motivo de discórdia e teorias conspiratórias. Mandou bem até o final, Nacho! Valeu! :-)

Mais matérias de Nacho Belgrande.