Business: porque a música dos EUA ainda domina o mercado?

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Nacho Belgrande, Fonte: Playa Del Nacho
Enviar correções  |  Comentários  | 

Matéria de 30/10/12. Quer matérias recentes sobre Rock e Heavy Metal?

Por Paul Resnikoff, em Seul.

1721 acessosAnos 90: Antes da Internet as Fitas K7 eram a Salvação no Rock5000 acessosIron Maiden: as dez melhores músicas, segundo a Loudwire

É uma pergunta muito antiga: se há música saindo pelo ladrão em todo canto do globo, porque a música estadunidense é tão popular mundialmente? Especialmente em um ambiente midiático sem fronteiras, e digitalmente liberado? E mesmo em países que tem mágoas profundas dos EUA, ou cujas culturas são radicalmente diferentes?

Sentado no Starbucks em Seul, na Coreia, que fica bem do lado de um Dunkin’ Donuts, a pergunta fica difícil de evitar. Fora das óbvias diferenças de idioma, esse é igual a qualquer Starbucks de Los Angeles, até na música. Eu estou ouvindo a Norah Jones, Nancy Sinatra, e até mesmo Bobby McFerrin, mas nenhum cantor coreano.

Não que não haja música coreana por perto. Há k-Pop e PSY, claro, e muitas baladas coreanas açucaradas. Mas mesmo o canal de vídeos coloca Jay-Z, Alicia Keys, Beyonce e Britney Spears em alta rotação. Mude de canal para um jogo de beisebol coreano, e tocam Nickelback, e Earth Wind & Fire [sim] durante os intervalos. Assista ao torneio mundial comentado por coreanos, e rola 30 Seconds to Mars na vinheta de volta dos comerciais.

Isso é mais profundo do que música tocando ao fundo: a cultura e a música pop estadunidenses estão sedimentadas profundamente nessa cultura – conscientemente ou não. Enquanto eu procurava por meu hotel, eu fui salvo por uma jovem que me guiou muito educadamente ao longo do labirinto de Seul. Ela estava trajando uma jaqueta verde com um logo do GUNS N’ ROSES nas costas, ainda que ela nunca tivesse ouvido falar do grupo. Eu disse a ela que era algo mais dos anos 80 e 90, mas um grupo lendário até hoje. ‘Que nem o Nirvana’, ela respondeu. Deixamos assim.

Você pode dizer que isso é algo isolado, mas a música estadunidense – e as celebridades anexadas a ela – viajam muito bem. Enquanto eu passeava pela França depois da MIDEM ano passado, eu comecei a conhecer os residentes locais. Quando os profissionais de mídia e da indústria foram embora, o hotel continuou tocando pop dos EUA sem parar: um motorista de limusine me mostrou fotos de quando ele conduziu membros do Black Eyes Peas pela cidade. O conciérge do hotel, que também trabalhava para uma empresa que faz reservas de iates, adorou me contar sobre concursos de xixi à distância de Diddy com bilionários russos na Riviera. Foram o ponto alto… sim, para os franceses.

Ela está inserida até em refúgios de viciados em drogas na Sibéria. Vice, da revista Edgy, certa vez levou suas câmeras para os prédios mais deprimentes e infestados de heroína da região, e a discussão acabou sendo sobre Rihanna. Os nóias estavam discutindo se gostavam da cantora, apontando para uma capa de revista. Como é que é?

Claro, a música estadunidense não é bem executada em todo canto, e não é como se outras culturas [como a do Reino Unido] não fossem bem exportadas também. Mas a estadunidense por vezes permeia os ambientes mais remotos, frequentemente com pouca ou nenhuma proteção contra a pirataria. É quase que como uma extensão dos próprios EUA: dizimados e desmoralizados, as grandes gravadoras ainda retem poder para lançar grandes astros musicais, mas sem habilidade para monetizar tudo isso devidamente. É difícil dizer se essa é uma máquina que ainda continuará funcionando ou o que acontecerá depois que ela quebrar.

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 30 de outubro de 2012

Anos 90Anos 90
Antes da Intenet as Fitas K7 eram a Salvação no Rock

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Indústria Musical"

EstúdiosEstúdios
Outros 10 que você deve conhecer antes de morrer

Povo compra, mas não ouvePovo compra, mas não ouve
Fim da moda do vinil pode estar perto

VinilVinil
Maior coleção do mundo está à venda mas ninguém quer

0 acessosTodas as matérias da seção Notícias0 acessosTodas as matérias sobre "Indústria Musical"

Iron MaidenIron Maiden
As dez melhores músicas, segundo a Loudwire

KissKiss
15 bandas que abriram shows deles e se tornaram famosos

Batom, laquê...Batom, laquê...
Como formar uma banda de Hard Rock em 69 lições

5000 acessosSeparados no nascimento: James Hetfield e o Leão Valente5000 acessosAs regras do Viking Metal5000 acessosRhythm: os bateristas mais influentes de todos os tempos5000 acessosKiss: Peter Criss toca guitarra no Carnaval de São Paulo?5000 acessosBlack Sabbath: 12 bandas influenciadas pelos mestres nos detalhes1551 acessosCosméticos: o segredo da pele viçosa de Mick Jagger

Sobre Nacho Belgrande

Nacho Belgrande foi desde 2004 um dos colaboradores mais lidos do Whiplash.Net. Faleceu no dia 2 de novembro de 2016, vítima de um infarte fulminante. Era extremamente reservado e poucos o conheciam pessoalmente. Estes poucos invariavelmente comentam o quanto era uma pessoa encantadora, ao contrário da persona irascível que encarnou na Internet para irritar tantos mas divertir tantos mais. Por este motivo muitos nunca acreditarão em sua morte. Ele ficaria feliz em saber que até sua morte foi motivo de discórdia e teorias conspiratórias. Mandou bem até o final, Nacho! Valeu! :-)

Mais matérias de Nacho Belgrande no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online