Pain of Salvation (Carioca Club, São Paulo, 30/09/12)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Fernando Araújo Del Lama
Enviar correções  |  Comentários  | 

Matéria de 07/10/12. Quer matérias recentes sobre Rock e Heavy Metal?

Para o filósofo Immanuel Kant, o gênio era alguém profundamente original, dotado de um talento inato para a produção de novas ideias, e não simplesmente imitá-las e reproduzí-las. Guardada a devida contextualização, se existe, ouso dizer, um gênio no rock pesado, seu nome é Daniel Gildenlöw. Basta sobrevoar a discografia do Pain of Salvation para verificar dois aspectos, digamos, “geniais”: o primeiro deles, os diferentes conceitos trabalhados em cada álbum. Aquilo que a mente insana de Tobias Sammett, com muito esforço, fez – brilhantemente, diga-se de passagem – em cinco discos, Gildenlöw faz desde o primeiro. O segundo aspecto é em relação à sonoridade da banda: não conheço outra banda que una passagens complexas e intrincadas – dignas de um Dream Theater –, letras inteligentes e bem trabalhadas – do tipo Pink Floyd –, sem deixar de lado a “pegada” e a energia do rock n’ roll. Pergunto-me, às vezes, se é possível classificar o Pain of Salvation segundo os rótulos convencionais: Rock Progressivo? Ouça o pesadíssimo álbum “Be”. Metal Progressivo? Ouça o início suingado de “No Way”. E os shows enérgicos, irreverentes, prezando igualmente a execução das músicas e a empolgação do público, daria margem para rotulá-los como Hard Rock? Penso que não. Talvez seja a junção de todos estes elementos que torne o Pain of Salvation uma banda diferente e genial, e, portanto, inclassificável segundo os rótulos que temos disponíveis.

2839 acessosMetal Progressivo: 12 álbuns do 1º semestre que merecem atenção5000 acessosZakk Wylde: foto do arsenal de guitarras do músico

Mas vamos ao show. Antes de falar de música, tenho duas observações preliminares a fazer: em primeiro lugar, senti falta de uma banda de abertura, já que no Rio de Janeiro e em Porto Alegre, tocaram The Reign of Kindo e o Wishcraftt, respectivamente. Conheci algumas – e boas – bandas aquecendo os ouvidos do público, e acho esse espaço fundamental para a divulgação delas e para perceber se, de fato, a banda é boa para além do Youtube e do MySpace. Em segundo lugar, faltou, em minha opinião, organização quanto ao merchandising da banda. Lembro-me, no show do Sebastian Bach, que foi também no Carioca Club, de uma sala especial apenas para a venda dos produtos da banda, contando também com máquinas para cartões de crédito/débito, sala esta que estava fechada no show em questão. Pequenos problemas estruturais; mas deixemos isso de lado e vamos ao que interessa.

A disposição do palco me chamou bastante a atenção: o teclado estava ao fundo e a bateria estava à frente do palco, porém virada de lado para a plateia; havia também um canhão de luz incandescente direcionado para o pedestal do meio, para as músicas com clima mais intimistas do setlist. Pontualmente às 20h, apagaram-se as luzes e se iniciou a reprodução da música “Let the Sunshine in”, extraída de Hair, o famoso musical da Broadway. Ao fim da música, Daniel Gildenlöw surgiu das sombras, sem o restante da banda, e tomou o centro do palco para cantar a premiada “Road Salt”: dando um show de interpretação, o vocalista parecia não apenas cantar a música, mas mergulhar em seu interior, se misturando a ela, vivenciando-a em toda a sua plenitude – essa ligação é tão intensa que ele se sentou enquanto cantou “so I sit down” ao final do refrão. Tive, enquanto espectador, a impressão de não estar apenas ouvindo a música, mas sentindo-a e (com)partilhando do tom melancólico que a perpassa. “Essa noite será grande”, pensei comigo mesmo, enquanto o genial vocalista era ovacionado por todos os presentes. Enfim: uma abertura absolutamente magistral! E se o prelúdio já foi assim, imaginem o que estaria por vir...

Em seguida, o restante da banda entrou em cena. Gildenlöw apresentou, um a um, todos os integrantes da banda sueca – contando porém com um guitarrista islandês e um baterista francês. Assim que soaram as primeiras notas de “Road Salt Theme”, faixa instrumental que abre o último disco lançado, “Road Salt Two”, que dá nome à turnê, confesso que fui ficando cada vez mais tenso e apreensivo. Daniel começou, então, a tocar o arrastado riff que abre “Softly She Cries”, a sequência da música anterior em “Road Salt Two”. Minha tensão apenas aumentava. Até que veio a virada de bateria, a partir da qual todos os instrumentos entram na música. “A primeira impressão é a que fica”, já diz o provérbio; e se é possível reduzir a uma só palavra a impressão que tive neste momento do show, esta palavra é: êxtase. E, embora seja antifilosófico, tenho de ser justo com o senso comum e admitir que a sensação de êxtase, de fato, me acompanhou – ora mais, ora menos forte – ao longo de todo o show. Um detalhe que deve ser destacado é a participação de Ragnar ZSolberg: embora tenha entrado na banda pouco mais de três meses depois do lançamento do álbum, ele já parecia estar “em casa”: o guitarrista islandês, embora mais frio que Daniel, parecia bastante à vontade para cantar – e não se saiu mal neste aspecto, já que estamos falando da banda de Gildenlöw! – e tocar suas partes nas músicas. Parece que Gildenlöw encontrou um substituto à altura do carismático Johan Hallgren. Em seguida, emendaram com “Linoleum”, faixa de “Road Salt One”, com Gildenlöw distribuindo caretas enquanto cantava. Estas duas últimas, com seus riffs explosivos, fizeram com que os músicos as tocassem de modo bastante enérgico, batendo cabeça no ar e pulando feito doidos; a iluminação – uma série de luzes brancas giratórias, localizados ao fundo do e em direção à plateia –, em conjunto com a movimentação incessante dos músicos, trouxe a esta parte do show um aspecto visual bastante interessante. Seguiram o setlist com a pesada “Diffidentia”, de “Be”.

Depois, Gildenlöw fez uma pausa e conversou um pouco conosco. Fez, também, uma “piada” com o baterista Léo Margarit, fato que se repetiu novamente mais adiante. Gildenlöw é bastante bem-humorado e carismático, características estas perceptíveis facilmente ao longo de todo o show. Quando começou a dizer que voltaria um pouco no tempo, Daniel foi interrompido por um grito: “nineteen seventy nine!”. Em meio a risadas, “agradeceu” ao fã pelo “spoiler”, praguejou contra o Youtube – o suposto responsável por vazar a informação – e pegou seu violão, a fim de tocar a nostálgica “1979” e “To the Shoreline”, ambas de “Road Salt Two”; esta última é uma música privilegiada para se perceber a enorme extensão vocal de Gildenlöw; nela, ele mostra uma enorme confiança em sua capacidades e habilidades como cantor, já que, em dado trecho, o vocalista canta acompanhado apenas pelo piano, cantando as mesmas notas que são tocadas. Simplesmente brilhante!

Na sequência, uma espécie de “revival” do álbum “The Perfect Element”, responsável por tornar a banda famosa no mundo todo: “Used”, “In the Flesh”, “Ashes”, “Morning on Earth” e “Reconciliation”, todas do álbum supracitado, configuraram o momento catártico do show, sobretudo por terem sido executadas nesta sequência, já que possuem uma forte ligação entre si e com o conceito do álbum, em especial a passagem entre as duas últimas.

Subitamente, todos os músicos deixam o palco. Alguns minutos depois, os músicos retornam ao palco, exceto Gildenlöw, que aparece no camarote – nessa hora, é possível que tenha batido na maioria dos presentes “aquele” arrependimento por não ter comprado camarote! Mostrando muita simpatia, ele cumprimentou os fãs mais próximos e começou a cantar “Iter Impius”, do álbum “Be”. Vale a referência ao inspirado solo executado por ZSolberg, durante o qual Daniel retornou ao palco. Na sequência, veio a multifacetada “Stress”, do primeiro álbum da banda, “Entropia”, e “Undertow”, cantada por ZSolberg de forma bastante bonita e sentimental, e a progressiva “Beyond the Pale”, estas duas últimas do álbum “Remedy Lane”. O set regular chega ao fim.

Depois de alguns minutos, os músicos retornam ao palco para o “bis”, porém com os instrumentos trocados, com a exceção de ZSolberg, que permaneceu com seu próprio instrumento: o tecladista Daniel Karlsson assumiu o baixo de Gustaf Hielm, que pegou a guitarra de Gildenlöw, que tomou posse das baquetas de Léo Margarit, que, por sua vez, ficou de fora do cover de “Black Diamond” do Kiss: Gildenlöw “puxou” apenas a introdução, ao passo que o restante da música foi cantado por ZSolberg. Ao final do momento de descontração, o irreverente Gildenlöw parafraseia o Kiss gritando ao microfone: “You want the best, you got the second best!”,

Já com os instrumentos originais de volta, Daniel começa a cantar a quebrada e entrecortada “No Way”, de “Road Salt One”, em sua versão entendida. Ao fim desta, no auge da empolgação, no clímax do show, Daniel aproveitou a guitarra, já meio baleada, e a jogou no chão, levando os presentes ao delírio.

Por fim, Daniel anuncia que a próxima será a última música da noite, e que ela é uma de suas favoritas (e, coincidentemente, uma das minhas também!): a belíssima “Sisters”, de “Road Salt One”; Gildenlöw acompanhou seu andamento carregado e pesado, deixando transparecer uma imensa carga emocional através de seu forte recurso interpretativo.

Com efeito, o Pain of Salvation é uma banda que certamente ama seus fãs e tem prazer em estar nos palcos; basta assisti-los ao vivo para comprovar isso. A contagiante alegria, quase brasileira, do europeu Gildenlöw quase nos faz esquecer que ele é o gênio que é. Afinal: como podem sair de um único ser humano todas aquelas músicas, totalmente diferentes entre si, todas aquelas letras, inteligentes e sensíveis, uma extensão vocal absurda, uma voz poderosa e ao mesmo tempo angelical e uma interpretação beirando o teatral?. Um show solo de Gildenlöw já valeria o ingresso; acompanhado de uma banda afiada e bem entrosada, então, melhor ainda!

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 07 de outubro de 2012

Metal ProgressivoMetal Progressivo
12 álbuns do 1º semestre que merecem atenção

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Pain Of Salvation"

Prog MetalProg Metal
Os 10 discos essenciais segundo o TeamRock

Metal ProgressivoMetal Progressivo
Os melhores álbuns do estilo segundo o About.com

Arte GráficaArte Gráfica
Designer brasileiro cria versões para clássicos

0 acessosTodas as matérias da seção Notícias0 acessosTodas as matérias sobre "Pain Of Salvation"

Zakk WyldeZakk Wylde
Foto do arsenal de guitarras do músico

MotorheadMotorhead
Destaques do funeral de Lemmy Kilmister

Iron MaidenIron Maiden
Pastor evangélico tem 172 tatuagens da banda

5000 acessosAvenged Sevenfold: "The Rev" dizia que não passaria dos 305000 acessosTime Magazine: os 100 maiores álbuns de todos os tempos5000 acessosSlipknot: Corey Taylor explica porque o mundo pop não suporta o Heavy Metal5000 acessosLobão: show mais curto da história do Rock não pertence a ele5000 acessosBullet For My Valentine: Baterista conta o inferno que é abrir para o Iron Maiden3114 acessosUltraje a Rigor: Pastor Adelio entrevista Roger

Sobre Fernando Araújo Del Lama

Estudante de filosofia e fã de boa música. Resenha os shows que assiste, a fim de partilhar suas impressões com outros leitores do Whiplash.Net através de um texto com visão bastante pessoal, sem pretensão de qualquer imparcialidade.

Mais matérias de Fernando Araújo Del Lama no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online